PRO­JE­TO DE LEI PRE­VÊ PU­NI­ÇÃO MAIS DU­RA POR ATOS HOS­TIS

O Estado de S. Paulo - - Esportes -

Oa­to de pro­tes­tar é ga­ran­ti­do pe­la Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral, mas ini­ci­a­ti­vas que pro­vo­quem tu­mul­to, que se­jam mar­ca­dos pe­la vi­o­lên­cia, ou a in­ci­te, e te­nha a in­va­são de lo­cais res­tri­tos de­vem pro­vo­car pu­ni­ções mais du­ras aos en­vol­vi­dos. E isso po­de­rá não se res­trin­gir mais so­men­te aos es­tá­di­os, de acor­do com um Pro­je­to de Lei que pre­ten­de mo­di­fi­car o Es­ta­tu­to do Tor­ce­dor no Brasil.

O Pro­je­to de Lei da Câ­ma­ra 12/2017, de au­to­ria do de­pu­ta­do fe­de­ral An­dre Mou­ra (PSC/SE), permite a pu­ni­ção dos tor­ce­do­res ou or­ga­ni­za­das vi­o­len­tas mes­mo quan­do os atos fo­rem pra­ti­ca­dos em da­tas e lo­cais distintos aos even­tos es­por­ti­vos, mas mo­ti­va­dos por eles. Isso abran­ge a in­va­são de treinos, con­fron­to com tor­ce­do­res pe­la ci­da­de e ou­tros atos de agres­são con­tra atle­tas e pro­fis­si­o­nais do es­por­te, mes­mo em seus pe­río­dos de fol­ga. Além dis­so, am­plia de três pa­ra cin­co anos o afas­ta­men­to por es­ses atos.

Re­cen­te­men­te, a Comissão de Cons­ti­tui­ção, Jus­ti­ça e Ci­da­da­nia (CCJ) do Se­na­do apro­vou o pro­je­to. O pró­xi­mo pas­so se­rá sua ida ao ple­ná­rio do Se­na­do. Se apro­va­do sem al­te­ra­ções, se­gui­rá pa­ra a san­ção do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. “Atos de hos­ti­li­da­de e agres­são a ou­tros tor­ce­do­res e a pro­fis­si­o­nais en­vol­vi­dos em even­tos es­por­ti­vos ocor­rem tam­bém fo­ra da da­ta des­ses even­tos e fi­si­ca­men­te dis­tan­ci­a­dos dos re­fe­ri­dos lo­cais, sen­do por isso im­po­si­ti­vo que a nor­ma le­gal te­nha seu es­co­po am­pli­a­do pa­ra co­brir es­sas si­tu­a­ções”, de­fen­deu a se­na­do­ra Lei­la Bar­ros (PSB-DF), re­la­to­ra do pro­je­to.

A bus­ca por cri­mi­na­li­zar no âm­bi­to es­por­ti­vo atos vi­o­len­tos coin­ci­de com a re­a­li­za­ção de pro­tes­tos em ou­tros es­pa­ços pe­las tor­ci­das or­ga­ni­za­das. Bohus des­ta­ca que as tor­ci­das sem­pre vão ten­tar en­con­trar uma for­ma de se ma­ni­fes­tar. As­sim, a mu­dan­ça de pal­co de atos de pro­tes­to é vis­ta até co­mo na­tu­ral di­an­te da di­fi­cul­da­de pa­ra a sua re­a­li­za­ção em lo­cais mais cos­tu­mei­ros, co­mo os es­tá­di­os de fu­te­bol.

“A tor­ci­da não vai dei­xar de pro­tes­tar, in­de­pen­den­te­men­te de on­de se­ja. Ela vai pro­cu­rar on­de os jo­ga­do­res es­tão mais vul­ne­rá­veis. Se há chan­ce de con­ta­to no ae­ro­por­to, o tor­ce­dor vai pa­ra lá, bus­can­do ca­mi­nhos al­ter­na­ti­vos”, afir­ma o ad­vo­ga­do da Ana­torg.

Além dis­so, a di­nâ­mi­ca de ações dos tor­ce­do­res tam­bém se mo­di­fi­cou a par­tir da mas­si­fi­ca­ção das re­des so­ci­ais, al­go que am­pli­fi­cou os de­ba­tes e as re­cla­ma­ções, além de am­pli­ar o con­ta­to, sem as res­tri­ções do es­pa­ço fí­si­co. Por isso, Mau­rí­cio Mu­rad, es­pe­ci­a­lis­ta em tor­ci­das or­ga­ni­za­das, res­sal­ta a im­por­tân­cia do que se faz no mun­do vir­tu­al ser ob­ser­va­do de per­to pe­las au­to­ri­da­des, até co­mo mo­do de pre­ven­ção de atos vi­o­len­tos. Muitas tor­ci­das mar­cam atos de vi­o­lên­cia pe­las re­des, se­jam pro­tes­tos ou bri­gas. “As re­des pul­ve­ri­za­ram o pro­tes­to, seu ti­po, origem e al­can­ce. E tem po­ten­ci­al de ocul­tar a mal­da­de”, diz. / L. S.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.