TRÊS PER­GUN­TAS PA­RA...

O Estado de S. Paulo - - Esportes - Mau­rí­cio Mu­rad, es­pe­ci­a­lis­ta em vi­o­lên­cia no fu­te­bol, com dou­to­ra­do em so­ci­o­lo­gia do es­por­te, e pro­fes­sor da UERJ

1. Quais ações a po­lí­cia de­ve ado­tar pa­ra com­ba­ter e evi­tar os atos vi­o­len­tos de tor­ci­das or­ga­ni­za­das? São dois ti­pos de ações com­bi­na­das. Uma re­pres­si­va, com au­men­to do po­li­ci­a­men­to nos es­tá­di­os e em vol­ta dos CTs, im­pe­din­do a en­tra­da des­ses gru­pos. E tam­bém uma ação pre­ven­ti­va, nas re­des so­ci­ais, on­de se com­bi­nam es­ses atos, e com as au­to­ri­da­des es­por­ti­vas. Não é pos­sí­vel que clu­bes abram CTs pa­ra es­sas pes­so­as. É pre­ci­so pre­ven­ção e pu­ni­ção es­por­ti­va e cri­mi­nal, a di­re­to­res e fun­ci­o­ná­ri­os que fa­zem isso, e a vân­da­los que ten­tam agre­dir e in­ti­mi­dar jo­ga­do­res mes­mo an­tes das par­ti­das. É pre­ci­so fa­zer uma de­vas­sa nes­ses gru­pos, uma au­di­to­ria po­li­ci­al pa­ra sa­ber co­mo e do que eles vi­vem. 2. Co­mo é pos­sí­vel com­ba­ter os tor­ce­do­res vi­o­len­tos den­tro das pró­pri­as or­ga­ni­za­das?

É pre­ci­so cri­ar um dis­que-de­nún­cia das tor­ci­das. Sob si­gi­lo e ano­ni­ma­to, as pes­so­as po­dem fa­zer de­nún­ci­as. É di­fí­cil um di­re­tor cor­re­to en­fren­tar es­ses ca­ras. Pro­te­gi­do, o tor­ce­dor cor­re­to, que é a mai­o­ria, po­de de­nun­ci­ar e per­mi­tir a ação rá­pi­da da PM.

3.

Exis­te uma re­la­ção en­tre a proi­bi­ção das or­ga­ni­za­das e a re­a­li­za­ção de atos vi­o­len­tos? Quan­do proí­bo, em­pur­ro a tor­ci­da pa­ra um la­do sombrio, da ile­ga­li­da­de. E aí não há mo­ni­to­ra­men­to, fis­ca­li­za­ção e acom­pa­nha­men­to. Trans­gres­so­res e cri­mi­no­sos con­ti­nu­am ati­vos e mu­dam de pal­co de ação.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.