A fle­xi­bi­li­za­ção do te­to de gas­tos

O Estado de S. Paulo - - Economia - CLAU­DIO ADILSON GONÇALEZ

Are­gra do te­to de gas­tos te­ve re­sul­ta­dos po­si­ti­vos ex­pres­si­vos até o mo­men­to. Sem ela, o ris­co país não te­ria caí­do tan­to e, por­tan­to, não te­ria si­do pos­sí­vel re­du­zir sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te a Se­lic. Além de con­ter a es­ca­la­da do cres­ci­men­to da re­la­ção dí­vi­da/PIB, pro­vo­cou mai­or re­a­lis­mo na ela­bo­ra­ção do Or­ça­men­to da União e no con­tro­le de gas­tos durante a exe­cu­ção or­ça­men­tá­ria.

Por isso so­ou co­mo pre­ci­pi­ta­da e ino­por­tu­na a gri­ta­ria con­tra o te­to de gas­tos, de­sen­ca­de­a­da no mês pas­sa­do por al­guns mi­nis­tros e ini­ci­al­men­te apoi­a­da pe­lo pre­si­den­te Bol­so­na­ro, que de­pois re­cu­ou. Da for­ma co­mo foi co­lo­ca­da, pa­re­cia ser ape­nas uma li­cen­ça pa­ra gas­tar mais.

Mas isso não sig­ni­fi­ca que não se pos­sa pen­sar com cal­ma, após am­plo debate téc­ni­co e po­lí­ti­co, em al­guns aper­fei­ço­a­men­tos nes­ta regra. Nes­se sen­ti­do, re­ce­bi com mui­ta sim­pa­tia o tex­to ela­bo­ra­do pe­los eco­no­mis­tas Fá­bio Gi­am­bi­a­gi e Gui­lher­me Ti­no­co, di­vul­ga­do no dia 2 do mês pas­sa­do, de­no­mi­na­do O te­to de gas­to pú­bli­co – mu­dar pa­ra pre­ser­var, que veio ao en­con­tro de pre­o­cu­pa­ções que ve­nho ten­do há tem­po e que po­dem ser re­su­mi­das em três pon­tos.

O pri­mei­ro é que a di­nâ­mi­ca dos gas­tos pú­bli­cos tornará, em bre­ve, im­pos­sí­vel cum­prir o te­to. Os cres­ci­men­tos das des­pe­sas com a Pre­vi­dên­cia So­ci­al (ape­sar da re­for­ma) e de ou­tros gas­tos obri­ga­tó­ri­os con­ti­nu­a­rão ocor­ren­do a ta­xas anu­ais su­pe­ri­o­res à in­fla­ção. O cum­pri­men­to do te­to, até aqui, foi aju­da­do por dois fa­to­res. Da for­ma co­mo foi ins­ti­tuí­do, com ba­se no gas­to efe­ti­vo de 2016 e com su­pe­res­ti­ma­ti­va da in­fla­ção de 2017, o te­to lar­gou com certa fol­ga. Isso, jun­to com di­fe­ren­ças en­tre as in­fla­ções es­ti­ma­das e as efe­ti­va­men­te ob­ser­va­das nos anos se­guin­tes, pos­si­bi­li­tou que as des­pe­sas su­jei­tas ao te­to cres­ces­sem em ter­mos re­ais, no bi­ê­nio 2017-2018, cer­ca de 1,8%. Queimada es­sa gor­du­ra, fi­ca­rá ca­da vez mais di­fí­cil cum­prir o te­to.

O segundo é que a regra do te­to tem le­va­do a uma que­da dra­má­ti­ca nos in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos da União, si­tu­a­ção que se agra­va­rá nos pró­xi­mos anos. Em 2014 os in­ves­ti­men­tos fe­de­rais cor­res­pon­de­ram a 1,34% do PIB, e de­vem fi­car em 0,6% do PIB em 2019. O go­ver­no apos­ta to­das as su­as fi­chas no cres­ci­men­to da par­ti­ci­pa­ção dos in­ves­ti­men­tos pri­va­dos em áre­as an­tes to­ca­das pe­lo go­ver­no, com o que con­cor­do. Mas em ne­nhum país do mun­do o go­ver­no po­de se abs­ter to­tal­men­te de fa­zer in­ves­ti­men­tos.

O ter­cei­ro pon­to é que qual­quer regra fis­cal pre­ci­sa ser fac­tí­vel, sem o que per­de­rá sua cre­di­bi­li­da­de en­tre os agen­tes econô­mi­cos.

A pro­pos­ta pa­ra dis­cus­são, dos eco­no­mis­tas ci­ta­dos, no­tó­ri­os co­nhe­ce­do­res de con­tas pú­bli­cas, ob­je­ti­va resolver es­sas ques­tões. Em sín­te­se, eles pro­põem: 1) que o te­to pa­ra a des­pe­sa pri­má­ria to­tal (em ter­mos re­ais) su­ba 1% ao ano, de 2023 a 2026; 1,5% ao ano de 2027 a 2030; e 2,0% ao ano de 2031 a 2036. Pa­ra a des­pe­sa cor­ren­te (que não in­clui in­ves­ti­men­tos), es­sas ta­xas se­ri­am sem­pre 0,5 pon­to por­cen­tu­al me­no­res. Isso pos­si­bi­li­ta­ria a cri­a­ção do que os au­to­res cha­mam de “cor­re­dor de in­ves­ti­men­to”; 2) que a fle­xi­bi­li­za­ção só co­me­ce a vi­go­rar em 2023; e 3) an­tes dis­so, o go­ver­no e o Le­gis­la­ti­vo de­vem dar pri­o­ri­da­de a

So­ou co­mo pre­ci­pi­ta­da e ino­por­tu­na a gri­ta­ria de­sen­ca­de­a­da por al­guns mi­nis­tros no mês pas­sa­do

me­di­das que con­cor­re­rão pa­ra o con­tro­le do gas­to pú­bli­co, co­mo, por exem­plo, a re­es­tru­tu­ra­ção das car­rei­ras do fun­ci­o­na­lis­mo e uma regra, sem au­men­to re­al obri­ga­tó­rio, pa­ra o sa­lá­rio mí­ni­mo. Es­sa ideia é me­lhor do que sim­ples­men­te ex­cluir os in­ves­ti­men­tos do te­to, pois, com o li­mi­te pa­ra o gas­to to­tal, não ha­ve­rá es­tí­mu­lo pa­ra dis­far­çar gas­to cor­ren­te em in­ves­ti­men­to. No­te-se que o in­ves­ti­men­to po­de­rá ser mai­or do que o es­pa­ço dei­xa­do pe­lo “cor­re­dor”, se a des­pe­sa cor­ren­te fi­car abai­xo do te­to.

A não ser num ce­ná­rio de­sas­tro­so pa­ra o cres­ci­men­to re­al do PIB, com ta­xa mé­dia anu­al in­fe­ri­or a 1,0%, a des­pe­sa pri­má­ria con­ti­nu­a­ria cain­do em re­la­ção ao PIB, pe­lo me­nos até 2030.

É uma pro­pos­ta sen­sa­ta, que vale a pe­na ser de­ba­ti­da.

ECO­NO­MIS­TA, DI­RE­TOR-PRE­SI­DEN­TE DA MCM CONSULTORE­S, FOI CON­SUL­TOR DO BAN­CO MUN­DI­AL, SUB­SE­CRE­TÁ­RIO DO TE­SOU­RO NA­CI­O­NAL E CHE­FE DA AS­SES­SO­RIA ECONÔ­MI­CA DO MI­NIS­TÉ­RIO DA FA­ZEN­DA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.