‘Não po­de­mos fi­car es­pe­ran­do di­nhei­ro do go­ver­no’

Pa­ra Frei­re, do INB, País tem re­ser­vas e co­nhe­ci­men­to pa­ra pro­du­zir urâ­nio, mas pre­ci­sa bus­car par­ce­ri­as

O Estado de S. Paulo - - Economia - Car­los Frei­re, pre­si­den­te da In­dús­tri­as Nu­cle­a­res do Brasil (INB) An­ne Warth / BRA­SÍ­LIA

À fren­te da pre­si­dên­cia da In­dús­tri­as Nu­cle­a­res do Brasil (INB) des­de fe­ve­rei­ro, Car­los Frei­re diz que sua pri­o­ri­da­de é a bus­ca da au­tos­su­fi­ci­ên­cia na pro­du­ção de urâ­nio no País. “Não é na­tu­ral que não es­te­ja­mos pro­du­zin­do urâ­nio. Te­mos re­ser­vas e te­mos co­nhe­ci­men­to”, dis­se. A INB ho­je im­por­ta urâ­nio con­cen­tra­do e en­ri­que­ci­do e já com­prou os pro­du­tos de países co­mo Rús­sia, Ca­na­dá e Ca­sa­quis­tão. Tam­bém faz parte do pla­no de Frei­re que a es­ta­tal pos­sa fe­char par­ce­ri­as com em­pre­sas pri­va­das. A se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta.

Co­mo trans­for­mar a INB numa em­pre­sa in­de­pen­den­te do Te­sou­ro Na­ci­o­nal?

Pre­ci­sa­mos bus­car par­ce­ri­as. Não po­de­mos fi­car es­pe­ran­do di­nhei­ro do go­ver­no pa­ra am­pli­ar plan­ta, sí­ti­os de mi­ne­ra­ção. Te­mos feito um tra­ba­lho em re­la­ção ao mar­co le­gal de for­ma a ten­tar fle­xi­bi­li­zar o mo­no­pó­lio que ho­je exis­te. Es­ta­mos fa­zen­do um esforço pa­ra pro­por al­te­ra­ções na parte in­fra­le­gal, sem pre­ci­sar me­xer no mo­no­pó­lio, pa­ra dar mai­or li­ber­da­de à INB pa­ra fa­zer par­ce­ri­as.

Quais são as em­pre­sas in­te­res­sa­das em atu­ar no País em par­ce­ria com a INB?

Par­ti­ci­pei de um con­gres­so em Lon­dres, reu­nin­do em­pre­sas do se­tor, e con­ver­sei com di­ver­sas que po­dem vir a se tor­nar par­cei­ros na INB. Ti­ve­mos os pri­mei­ros con­ta­tos, com ex­ce­len­te re­tor­no, e te­mos agen­da­das até fim do ano reu­niões com em­pre­sas fran­ce­sas, ca­na­den­ses e ja­po­ne­sas. Já te­mos ho­je par­ce­ri­as no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal com com­pa­nhi­as co­re­a­nas e ame­ri­ca­nas. Va­mos sen­tar com es­ses par­cei­ros e con­ver­sar, ver co­mo po­de­mos de­sen­vol­ver no mer­ca­do brasileiro es­sa par­ce­ria.

Já há par­ce­ri­as da INB com o se­tor pri­va­do ho­je?

A INB já po­de es­ta­be­le­cer par­ce­ri­as, den­tro da es­tru­tu­ra le­gal, em qual­quer lo­cal em que o ele­men­to prin­ci­pal não se­ja urâ­nio. O exem­plo é San­ta Qui­té­ria (CE), uma mi­na de fos­fa­to com urâ­nio as­so­ci­a­do – a ca­da 1.000 par­tes mi­ne­rais, 900 são fos­fa­to e 100 são urâ­nio. Re­to­ma­mos es­se pro­je­to e es­ta­mos re­fa­zen­do to­da a parte da en­ge­nha­ria do pro­je­to com Fos­nor, do Gru­po Gal­va­ni. Se­rá mui­to bom, pois o Brasil ho­je é im­por­ta­dor de fos­fa­to.

O que po­de ser feito no âm­bi­to do Pro­gra­ma de Par­ce­ri­as de In­ves­ti­men­tos (PPI)?

É im­por­tan­te que te­nha­mos par­ce­ri­as na pros­pec­ção e mi­ne­ra­ção de urâ­nio. Ape­nas um ter­ço do território na­ci­o­nal foi pros­pec­ta­do. Exis­te uma gran­de di­fe­ren­ça em fa­lar de re­cur­so mi­ne­ral e re­ser­va. Re­cur­so é quan­do vo­cê sa­be que exis­te mi­né­rio. Re­ser­va é quan­do o po­ten­ci­al foi me­di­do, vo­cê diz quan­tos mi­lhões de to­ne­la­das de mi­né­rio exis­tem na área. Re­ser­vas têm vi­a­bi­li­da­de econô­mi­co-financeira e atra­em in­ves­ti­men­to.

A mi­ne­ra­ção de urâ­nio é se­gu­ra?

A Cnen (Comissão Na­ci­o­nal de Ener­gia Nu­cle­ar) e o Iba­ma acom­pa­nham isso. Tem nor­mas pa­ra isso, fis­cais mui­to ati­vos. O urâ­nio na­tu­ral, en­con­tra­do on­de a gen­te tra­ba­lha, tem por­cen­tu­al bai­xo de ra­di­o­a­ti­vi­da­de e não cau­sa pro­ble­ma. Em Ca­e­ti­té, a ra­di­a­ção não é da­no­sa ao ser hu­ma­no, es­tá den­tro de um ní­vel per­fei­ta­men­te acei­tá­vel.

Por que há cin­co anos não mi­ne­ra­mos urâ­nio?

É fácil di­zer que a cul­pa é dos ou­tros, mas va­mos ser prag­má­ti­cos. Quan­do te­mos uma plan­ta de mi­ne­ra­ção, pre­ci­sa­mos de três coisas: li­cen­ci­ar a mi­na, o lo­cal on­de fi­ca­rá o re­jei­to e a plan­ta quí­mi­ca. Em Ca­e­ti­té, hou­ve um de­sen­con­tro: às ve­zes, tí­nha­mos li­cen­ci­a­men­to da plan­ta quí­mi­ca, mas não da mi­na ou do de­pó­si­to de re­jei­tos. Ago­ra, es­ta­mos trabalhand­o nes­sas três ver­ten­tes pa­ra pôr to­das no mes­mo pa­ta­mar de tra­ba­lho. Acredito for­te­men­te que va­mos vol­tar a pro­du­zir urâ­nio até o fim do ano.

O sr. apoia o fim do mo­no­pó­lio cons­ti­tu­ci­o­nal da União sobre o urâ­nio?

Va­mos fa­zer as coisas com a de­vi­da cau­te­la. Pa­ra me­xer no mar­co le­gal, pre­ci­sa de Pro­pos­ta de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal (PEC), e isso pas­sa pe­lo Con­gres­so. Es­sa op­ção de fle­xi­bi­li­zar é pa­ra agi­li­zar o pro­ces­so em um pri­mei­ro mo­men­to. Mas a nos­sa per­cep­ção é que es­sa ma­té­ria, em ter­mos de Con­gres­so, não te­ria to­da a di­fi­cul­da­de que se ima­gi­na.

SAULO CRUZ/MME-6/2/2019

Se­gu­ran­ça. ‘O urâ­nio on­de a tra­ba­lha­mos tem bai­xo por­cen­tu­al de ra­di­o­a­ti­vi­da­de’, diz Frei­re

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.