Do fe­cha­men­to à aber­tu­ra

Da­ta es­te­lar: Sol e Sa­tur­no em qua­dra­tu­ra; Lua cres­ce em Aquário

O Estado de S. Paulo - - Caderno2 - OS­[email protected]

Nos­sa hu­ma­ni­da­de não te­me o des­co­nhe­ci­do, por­que aqui­lo que des­co­nhe­ce ela não per­ce­be, o ig­no­ra e, por isso, não lhe pro­vo­ca o me­do­nho sen­ti­men­to do te­mor. Nos­sa hu­ma­ni­da­de te­me o que per­ce­be, tem me­do das mu­dan­ças que se ope­ram no mun­do, se ape­gan­do a um pas­sa­do que ela re­pu­ta ter si­do me­lhor, mas que sob uma pes­qui­sa ob­je­ti­va e sin­ce­ra es­sa ar­gu­men­ta­ção não se sus­ten­ta de for­ma al­gu­ma. Nos­sa hu­ma­ni­da­de tem seus pés num ca­mi­nho sem vol­ta, a cons­tru­ção de um mun­do, de al­can­ce pla­ne­tá­rio, no qual os ide­ais de jus­ti­ça, igual­da­de de opor­tu­ni­da­des e res­pei­to às di­fe­ren­tes ver­sões da re­a­li­da­de hu­ma­na se­jam a no­ta do­mi­nan­te. Is­to nos­sa hu­ma­ni­da­de per­ce­be com cla­re­za e te­me es­te fu­tu­ro, por­que ame­a­ça o do­mí­nio dog­má­ti­co a que se acos­tu­mou. Nos­sa hu­ma­ni­da­de vi­veu fe­cha­da e te­rá de apren­der a viver aber­ta. ÁRI­ES 21-3 a 20-4

O in­gres­so de uma di­ver­si­da­de de pes­so­as em sua vi­da é uma si­tu­a­ção que veio pa­ra fi­car. Isso com­pli- ca bas­tan­te o ce­ná­rio, mas sua al­ma pre­ci­sa ter em men­te que o ca­mi­nho de gran­de­za se­ria im­pos­sí­vel sem isso.

TOURO 21-4 a 20-5

Gos­tan­do ou não, há coisas que pre­ci­sam ser fei­tas ho­je, sem mais de­lon­gas. Há mo­men­tos da vi­da, e pa­ra vo­cê es­te é um des­ses, em que nos­sos gos­tos ou des­gos­tos são ir­re­le­van­tes quan­do vis­tos sob a óti­ca da ne­ces­si­da­de.

GÊ­ME­OS 21-5 a 20-6 Com­pli­car-se não é al­go ruim em si mes­mo, de­pen­de do te­or das com­pli­ca­ções. Que­rer pro­gre­dir, an­si­ar por um fu­tu­ro me­lhor é o mes­mo que co­me­çar a se com­pli­car, por isso mes­mo é que nem to­das as com­pli­ca­ções são ruins. CÂN­CER 21-6 a 21-7

Fi­ca uma pul­ga atrás da ore­lha, a des­pei­to de quais­quer acor­dos e com­bi­na­dos que es­te­jam em an­da­men- to. É im­por­tan­te vo­cê cul­ti­var as de­vi­das sus­pei­tas, pa­ra ar­qui­te­tar as es­tra­té­gi­as per­ti­nen­tes a ca­da ca­so.

LEÃO 22-7 a 22-8

Não pa­re­ce, mas quan­do a ne­ces­si­da­de sur­ge, tam­bém apa­re­cem pes­so­as com boa von­ta­de su­fi­ci­en­te dis­pos­tas a es­ten­der uma mão ami­ga e co­la­bo­rar pa­ra que tu­do se­ja mais fácil. Guar­de es­sa ex­pe­ri­ên- cia na me­mó­ria, ela é re­al. VIRGEM 23-8 a 22-9

Pa­ra fa­zer tu­do de acor­do com sua vi­são, vo­cê te­rá de en­fren­tar bas­tan­te re­sis­tên­cia. Pa­ra mi­ni­mi­zar es­sas ati­tu­des e avan­çar em seus pla- nos, me­lhor vo­cê tra­çar es­tra­té- gi­as tan­gen­ci­ais, em vez de agir di­re­ta­men­te. LI­BRA 23-9 a 22-10

Ago­ra é pos­sí­vel dar um pon­to fi­nal a al­guns as­sun­tos que se es­ten­de­ram de­mais, um pou­co por­que nin­guém en­con­tra­va a so­lu­ção, ou­tro pou­co por­que não ha­via boa von­ta­de su­fi­ci­en­te. Olhe o fu­tu­ro, se li­vre de tu­do.

ESCORPIÃO 23-10 a 21-11

Nem tu­do é co­mo vo­cê gos­ta­ria que fos­se, po­rém, é o que es­tá dis­po­ní­vel por en­quan­to. Procure se adap- tar às cir­cuns­tân­ci­as, evi­tan­do fa­zer for­ça de­mais pa­ra as mu- dar, por­que es­sa se­ria uma ati- tu­de con­tra­pro­du­cen­te. SAGITÁRIO 22-11 a 21-12 Ape­sar de se apro­xi­mar de um mo­men­to definitivo, procure con­ti­nu­ar ne­go­ci­an­do, por­que a si­tu­a­ção atu­al é cheia de bi­fur­ca­ções. Es­te é um mo­men­to com­ple­xo, que pre­ci­sa ser tra­ta­do com aten­ção e cui­da­do. CAPRICÓRNI­O 22-12 a 20-1

Fa­ça tu­do de acor­do com seus in­te­res­ses, não im­por­tan­do que isso atraia a ira das pes­so­as pró­xi­mas, cri­ti­can­do sua atu­a­ção co­mo sen­do egoís­ta de­mais. Es­te é um mo­men­to em que sua al­ma de­fen­de seus in­te­res­ses.

AQUÁRIO 21-1 a 19-2

Um dia, que não é tão distante as­sim, vo­cê con­se­gui­rá co­lo­car to­das as pes­so­as e in­gre­di­en­tes de sua ex­pe­ri­ên­cia de vi­da no mes­mo ce­ná­rio, la­do a la­do, co­la­bo­ran­do umas com as ou­tras. Por en­quan­to, não é as­sim.

PEIXES 20-2 a 20-3

Nem sem­pre a ati­vi­da­de mais im­por­tan­te do dia é aque­la que vo­cê apre­cia ou a que te­ria von­ta­de de exe­cu­tar. Às ve­zes, é ne­ces­sá­ria uma do­se de sacrifício fei­ta em no­me do que re­al­men­te be­ne­fi­ci­a­ria a to­do mun­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.