Colôm­bia ca­li­en­te

Car­ta­ge­na tem ca­lor, ca­sa­rio his­tó­ri­co e ri­ca iden­ti­da­de cul­tu­ral.

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Pris­ci­la Men­gue CAR­TA­GE­NA DAS ÍNDIAS

Já era noi­te quan­do, ao des­cer do avião, veio a con­fir­ma­ção do que to­dos ou­vem an­tes de por lá che­gar: o ca­lor ca­ri­be­nho. Pe­go a ba­ga­gem, fa­ço um câm­bio rá­pi­do, en­tro no tá­xi. Mas nem dá tem­po de se am­bi­en­tar ao es­pa­nhol do mo­to­ris­ta, pois em mi­nu­tos já es­ta­mos di­an­te da mu­ra­lha e, a par­tir daí, já me sin­to qua­se uma per­so­na­gem ter­ciá­ria de al­gum ro­man­ce de Ga­bri­el Gar­cía Már­quez.

Le­vei 28 anos pa­ra co­nhe­cer Car­ta­ge­na das Índias. Os mo­ti­vos en­vol­vem di­nhei­ro, tem­po e um re­ceio do “hy­pe” que to­mou a ci­da­de (e a Colôm­bia) nos úl­ti­mos anos. Não es­ta­va to­tal­men­te er­ra­da: tu­ris­tas es­tão aos mon­tes e, jun­to de­les, muitos ven­de­do­res. Tu­do is­so de­bai­xo de um sol for­te e umi­da­de in­ten­sa, que tor­nam su­ar um ato oni­pre­sen­te e ine­vi­tá­vel – mes­mo no in­ver­no. E sa­be do que mais? Va­le mui­to a pe­na.

Car­ta­ge­na ex­põe três das fa­ce­tas que mais me fo­ram evi­den­tes no ter­ri­tó­rio co­lom­bi­a­no: a his­tó­ria, a cul­tu­ra e a na­tu­re­za. A quar­ta é a re­no­va­ção ur­ba­na, ele­men­to central do bre­ve pe­río­do em que es­ti­ve em Me­del­lín – o se­gun­do des­ti­no des­sa vi­a­gem de 15 di­as, que ain­da pas­sou pe­la ca­pi­tal Bo­go­tá.

Gar­cía Már­quez é a pri­mei­ra re­fe­rên­cia que sem­pre ti­ve de Car­ta­ge­na, em­bo­ra não me de­bru­ce so­bre um li­vro seu há uns 10 anos. Ima­gi­nei que a pre­sen­ça de­le fos­se evi­den­te ao me­nos na par­te his­tó­ri­ca da ci­da­de, mas não: as re­fe­rên­ci­as são su­tis e en­con­trá-las re­quer até cer­to es­for­ço (que já adi­an­to ser re­com­pen­sa­do).

Es­se es­tra­nha­men­to se tor­na ain­da mais im­pres­si­o­nan­te por­que Car­ta­ge­na tem mui­tas op­ções de pas­sei­os gui­a­dos. A te­má­ti­ca até va­ria pou­co, en­tre his­tó­ri­ca, fo­to­grá­fi­ca e gas­tronô­mi­ca, mas os mei­os de lo­co­mo­ção vão do an­dar a pé a de char­re­te, sco­o­ter, bi­ci­cle­ta ou mes­mo segway (aque­le di­ci­clo uti­li­za­do por se­gu­ran­ças de shopping).

Qua­se to­dos os tours sa­em das pro­xi­mi­da­des da Tor­re do Re­ló­gio, prin­ci­pal pon­to de re­fe­rên­cia da ci­da­de amu­ra­lha­da, no cen­tro his­tó­ri­co e tu­rís­ti­co de Car­ta­ge­na. Op­tei por um wal­king tour, aque­les tra­di­ci­o­nais tours a pé das gran­des ci­da­des. Mas o ro­tei­ro fez ques­tão de gi­rar por pon­tos man­ja­dos e não lá tão in­te­res­san­tes pa­ra não grin­gos, co­mo uma cal­ça­da com fo­tos de mis­ses e uma lo­ja de es­me­ral­das. Acon­te­ce.

O pas­seio de ver­da­de co­me­çou de­pois do tour, ao en­trar nas igre­jas e me per­der pro­po­si­tal­men­te pe­las tan­tas ru­as de ca­sa­rões co­lo­ri­dos. Na­que­le mo­men­to eu ain­da não sa­bia, mas di­as de­pois ti­ve de me con­for­mar: não, eu não con­se­gui­ria per­cor­rer to­das aque­las qua­dras, em­bo­ra te­nha pas­sa­do de­ze­nas de ve­zes pe­la Tor­re do Re­ló­gio.

En­tre mu­ros. A ci­da­de amu­ra­lha­da não só é mai­or do que eu es­pe­ra­va, mas tam­bém me­lhor con­ser­va­da. Cons­truí­das ao lon­go de dois sé­cu­los e con­cluí­da em 1796, as mu­ra­lhas se es­ten­dem ao lon­go de 11 quilô­me­tros. Não pre­ci­sa pro­cu­rar um lu­gar bo­ni­to pa­ra ad­mi­rar ou ti­rar uma fo­to: pra­ti­ca­men­te to­dos os can­tos nes­sa re­gião são as­sim.

E, aqui, va­le o aler­ta: use fil­tro so­lar. E tam­bém use cha­péu, be­ba mui­ta água e, acre­di­te em mim, es­co­lha uma hos­pe­da­gem den­tro da ci­da­de amu­ra­lha­da. Além de to­do o en­can­ta­men­to de es­tar per­to de tu­do o tem­po to­do, tem ou­tra van­ta­gem: é um re­fú­gio pa­ra fa­zer pe­que­nos in­ter­va­los do ca­lo­rão (e tam­bém uma for­ma de evi­tar pe­gar muitos tá­xis).

Che­guei a Bo­go­tá no iní­cio da ma­nhã de um do­min­go. Con­for­me nos apro­xi­má­va­mos do cen­tro, sur­gi­am cons­tru­ções an­ti­gas e mu­seus, es­pe­ci­al­men­te na par­ce­la mais boê­mia e gas­tronô­mi­ca: La Can­de­la­ria.

O mo­vi­men­to na ci­da­de ain­da era si­len­ci­o­so quan­do dei­xei a ba­ga­gem e fui em di­re­ção ao Cer­ro de Mon­ser­ra­te. Ca­mi­nhei al­gu­mas qua­dras até o pé do mor­ro ain­da ce­di­nho, na in­ten­ção de evi­tar fi­las, mas me en­ga­nei: de­ze­nas e de­ze­nas de pes­so­as se alon­ga­vam pa­ra en­ca­rar a su­bi­da a pé às 7 ho­ras da ma­nhã, en­quan­to ou­tras tan­tas aguar­da­vam o fu­ni­cu­lar (o te­le­fé­ri­co não fun­ci­o­nou na­que­le dia). Pe­guei a fi­la, pa­guei pou­co mais de R$ 15 pe­lo tra­je­to ida e vol­ta (nos de­mais di­as cus­ta R$ 25) e, uns 30 mi­nu­tos de­pois, su­bi.

Se Bo­go­tá fi­ca a 2.600 me­tros aci­ma do nível do mar, Mon­ser­ra­te adi­ci­o­na mais 550 me­tros a es­sa con­ta. No to­po, um san­tuá­rio ca­tó­li­co di­vi­de a aten­ção dos vi­si­tan­tes, que es­tão atrás tam­bém das op­ções gas­tronô­mi­cas da fei­ri­nha e da vis­ta.

Pe­lo cen­tro. Vi­si­ta­do Mon­ser­ra­te, che­gou a vez do cen­tro. Aliás, se vo­cê ti­ver pou­cos di­as na ci­da­de, te­nho três con­se­lhos: vá à Can­de­la­ria, ca­mi­nhe pe­la Can­de­la­ria e se hos­pe­de na Can­de­la­ria. Co­mo to­da me­tró­po­le, Bo­go­tá tem vá­ri­as ca­ras e lu­ga­res pa­ra se co­nhe­cer. Mas é nes­se bair­ro que es­tão reu­ni­dos os prin­ci­pais ele­men­tos que de­fi­nem a ci­da­de: a his­tó­ria, a cul­tu­ra, as ma­ni­fes­ta­ções po­lí­ti­cas, a gas­tro­no­mia, as pes­so­as.

A Can­de­la­ria tam­bém é a par­te mais tu­rís­ti­ca e boê­mia do cen­tro, jun­to de Cha­pi­ne­ro (a Pi­nhei­ros dos bo­go­te­nhos). Di­to is­so, não es­que­ça das ou­tras par­tes do cen­tro, co­mo San­ta Fe. Uma das coi­sas que mais me mar­ca­ram em Bo­go­tá é que os mo­ra­do­res tam­bém vi­vem o cen­tro. As ru­as são chei­as de ar­tis­tas, es­pe­ci­al­men­te na Car­re­ra Sép­ti­ma, uma ver­são co­lom­bi­a­na do que é a Pau­lis­ta Aber­ta em São Pau­lo. É per­to da via que es­tão as se­des do le­gis­la­ti­vo e ju­di­ciá­rio, além de al­gu­mas das igre­jas mais bo­ni­tas. Pa­ra vi­si­tar a se­de do go­ver­no, a Ca­sa Na­riño, é pre­ci­so agen­dar com al­gu­mas se­ma­nas de an­te­ce­dên­cia.

Ou­ro e ar­te nos mu­seus. Tam­bém é por ali que es­tão al­guns dos prin­ci­pais mu­seus da ci­da­de. Um dos mais fa­mo­sos é o Mu­seo del Oro, que tem en­tra­da gra­tui­ta aos domingos (nos ou­tros di­as, R$ 5). Ali es­tão cen­te­nas de pe­ças em ou­ro fei­tas por po­vos pré-co­lom­bi­a­nos, além de ou­tros ti­pos de ar­te­sa­na­tos, in­cluin­do es­tá­tu­as de San Agus­tín (con­si­de­ra­das pa­trimô­nio da hu­ma­ni­da­de pe­la Unes­co).

Quer mais mu­seu? Vá ao com­ple­xo de an­ti­gos ca­sa­rões que reú­ne os Mu­seus Bo­te­ro e de Ar­te Mi­guel Ur­ru­tia, que fi­cam jun­to da Ca­sa da Mo­e­da. São mi­lha­res de obras ex­pos­tas si­mul­ta­ne­a­men­te em um pas­seio que leva, no mí­ni­mo, um tur­no – e tu­do de gra­ça, com pos­si­bi­li­da­de de fa­zer vi­si­tas gui­a­das . O mais tra­di­ci­o­nal te­a­tro da ci­da­de (o Co­lón) fi­ca na fren­te, mas tem pou­cos ho­rá­ri­os de vi­si­ta (quar­tas e quin­tas, 15h, e nos sá­ba­dos).

Mais Bo­te­ro. Dos três mu­seus, o mais pro­cu­ra­do é o Bo­te­ro, que reú­ne 123 obras pró­pri­as do ar­tis­ta co­lom­bi­a­no, en­tre pin­tu­ras, de­se­nhos e es­cul­tu­ras, in­cluin­do sua fa­mo­sa ver­são da

Mo­na­li­sa. E aqui va­le uma bre­ve ex­pli­ca­ção: o ar­tis­ta brin­ca com as di­men­sões e vo­lu­mes nas pin­tu­ras, mis­tu­ran­do ob­je­tos e pes­so­as com ta­ma­nhos va­ri­a­dos, cri­an­do um con­tras­te en­tre as for­mas. O es­pa­ço reú­ne ain­da 85 obras de ar­tis­tas di­ver­sos que in­te­gra­vam a co­le­ção pes­so­al de Bo­te­ro, de au­to­res co­mo Sal­va­dor Da­lí.

Sua ar­te tam­bém es­tá no Mu­seu Mi­guel Ur­ru­tia, que traz o que se­ria a pri­mei­ra obra em que Bo­te­ro ex­plo­rou a téc­ni­ca de vo­lu­mes (na pin­tu­ra de um vi­o­lão). A gran­de atra­ção da ins­ti­tui­ção é, con­tu­do, La Le­chu­ga, um os­ten­só­rio ca­tó­li­co re­ple­to de es­me­ral­das e pe­dras pre­ci­o­sas.

Ou­tro mu­seu in­te­res­san­te é o Na­ci­o­nal. Cri­a­do em 1823, tem um acer­vo et­no­grá­fi­co, his­tó­ri­co, ar­que­o­ló­gi­co e ar­tís­ti­co com cer­ca de 2.500 pe­ças de mo­men­tos va­ri­a­dos da tra­je­tó­ria do país, des­de o pe­río­do pré-co­lom­bi­a­no até (olha ele de no­vo) Fer­nan­do Bo­te­ro. Um aden­do, po­rém: par­te das obras de Bo­te­ro ali pre­sen­tes é an­te­ri­or ao es­ti­lo que lhe fi­cou ca­rac­te­rís­ti­co. In­gres­so R$ 5.

Ain­da pe­lo cen­tro, há uma sé­rie de tours gui­a­dos com te­má­ti­ca his­tó­ri­ca ou es­pe­ci­a­li­za­dos em gra­fi­te (que se mul­ti­pli­cam na par­te al­ta da Can­de­la­ria). Op­tei pe­lo re­a­li­za­do pe­la Pre­fei­tu­ra de Bo­go­tá, re­al­men­te gra­tui­to (não adi­an­ta ten­tar, os gui­as não po­dem re­ce­ber gor­je­ta) e cir­cu­la por gran­de par­te da área central. As saí­das são da pra­ça prin­ci­pal às 10h, 12h, 14h e 16h. Quem pre­fe­rir an­dar por con­ta, não es­que­ça de en­trar nas mui­tas (mui­tas mes­mo) be­las igre­jas.

PRIS­CI­LA MEN­GUE/ESTADÃO

Sol a pino. Con­tem­plar o ca­sa­rio no cen­tro exi­ge pa­ra­das pa­ra se re­fres­car

Oni­pre­sen­te. Ver­são de ‘Mo­na­li­sa’, íco­ne do Mu­seu Bo­te­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.