MUITOS CAMINHOS NO ENSINO SUPERIOR

En­tre tan­tas pos­si­bi­li­da­des, alu­no que con­clui o ensino mé­dio tem pe­la fren­te a ár­dua mis­são de op­tar por uma car­rei­ra, ins­ti­tui­ção e mo­da­li­da­de de cur­so superior, que po­de ser pre­sen­ci­al ou a dis­tân­cia

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

• Fa­cul­da­de pú­bli­ca ou pri­va­da? Cur­so pre­sen­ci­al ou EAD? No Bra­sil ou no ex­te­ri­or? Guia mos­tra di­ver­sas por­tas e ru­mos a se­guir.

Se por um la­do o avan­ço da tec­no­lo­gia e a evo­lu­ção dos cur­sos de gra­du­a­ção trou­xe mais op­ções e fa­ci­li­da­des no aces­so ao ensino superior, por ou­tro to­das es­sas va­ri­e­da­des cau­sam ca­da vez mais con­fu­são na ca­be­ça dos jo­vens. Is­so por­que, com tan­tos for­ma­tos (pre­sen­ci­al ou a dis­tân­cia) e ins­ti­tui­ções dis­po­ní­veis (pú­bli­cas, pri­va­das, em ou­tras ci­da­des ou paí­ses), pa­re­ce uma mis­são – qua­se – im­pos­sí­vel es­co­lher um úni­co ca­mi­nho.

A fal­ta de ori­en­ta­ção vo­ca­ci­o­nal só­li­da ao lon­go do ensino mé­dio e do cur­si­nho tem le­va­do a uma eva­são al­ta nos pri­mei­ros anos de fa­cul­da­de. É o que apon­ta pes­qui­sa do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­tu­dos e Pes­qui­sas Edu­ca­ci­o­nais Aní­sio Teixeira (Inep). Se­gun­do os da­dos, 49% dos alu­nos de­sis­ti­ram do cur­so no pri­mei­ro ano em uma ins­ti­tui­ção pú­bli­ca e 53% em fa­cul­da­des particular­es. Os da­dos ana­li­sa­dos são de 2010 a 2015.

A con­fu­são no mo­men­to de de­ci­dir a futura car­rei­ra, em ge­ral no meio da ado­les­cên­cia, é co­mum. Lu­a­na Se­va­rol­li, de 16 anos, qua­se fez a es­co­lha er­ra­da. “Eu sem­pre fui mui­to bem em tu­do na es­co­la, e sem­pre quan­do vo­cê vai bem em tu­do te as­so­ci­am a uma pes­soa de Exa­tas.” A alu­na do Co­lé­gio CPV pen­sa­va em fa­zer vestibular pa­ra En­ge­nha­ria, mas no 2.º ano do ensino mé­dio se en­can­tou pe­lo te­a­tro e ago­ra es­tá de­ci­di­da a ten­tar uma va­ga em Ar­tes Cê­ni­cas.

“Quan­do eu es­ta­va no 2.º ano, en­trei em uma cri­se, de não sa­ber mais o que fa­zer por­que eu não gos­ta­va re­al­men­te das coi­sas que iria apren­der em En­ge­nha­ria”, con­ta. “Fi­quei ten­tan­do ne­gar mui­to que que­ria fa­zer te­a­tro. Mas che­gou um mo­men­to em que a úni­ca par­te fe­liz da mi­nha se­ma­na é quan­do eu es­ta­va fa­zen­do te­a­tro. Re­sol­vi mu­dar mes­mo.”

An­tes de to­mar es­sa de­ci­são, Lu­a­na bus­cou aju­da. “Fiz dois anos de ori­en­ta­ção vo­ca­ci­o­nal. Não é só um tes­te que vo­cê faz. São cer­ca de cin­co se­ma­nas de cur

Eu pen­so ‘Se­rá que eu vou me ar­re­pen­der de­pois?’ Vou ter o tra­ba­lho de sair e co­me­çar tu­do de no­vo Eli­e­zer de Paula, alu­no do Cur­si­nho da Po­li na dú­vi­da so­bre que car­rei­ra se­guir

In­se­gu­ran­ça. Eli­e­zer de Paula ain­da não con­se­guiu fa­zer uma es­co­lha se­gu­ra so­bre a car­rei­ra. Mes­mo de­pois de con­cluir o ensino téc­ni­co, o es­tu­dan­te de 20 anos não de­sis­tiu da sua ideia ini­ci­al de fa­zer Me­di­ci­na. Em 2018, ele de­ci­diu se ins­cre­ver no Cur­si­nho da Po­li. “Fui pa­ra lá com Me­di­ci­na na ca­be­ça. Só que ali co­nhe­ci ou­tras áre­as e pes­so­as, gen­te que tra­ba­lhou no mer­ca­do fi­nan­cei­ro, por exem­plo, e cri­ei in­te­res­se pe­la área. Co­me­cei a pen­sar em Economia, En­ge­nha­ria. Aca­bei fi­can­do na dú­vi­da en­tre es­ses três cur­sos.”

O es­tu­dan­te che­gou a pres­tar vestibular no ano pas­sa­do, mas não pas­sou. Em 2019, ain­da no cur­si­nho, a dú­vi­da so­bre que pro­fis­são se­guir per­ma­ne­ce. Ele re­ce­beu uma pro­pos­ta pa­ra es­tu­dar Me­di­ci­na na Ar­gen­ti­na, o que o fez fo­car um pou­co mais nes­sa área du­ran­te os es­tu­dos. Mas tem me­do de fa­zer a es­co­lha er­ra­da. “Eu pen­so ‘Se­rá que eu vou me ar­re­pen­der de­pois?’ Vou ter o tra­ba­lho de sair e co­me­çar tu­do de no­vo. Se eu for pa­ra ou­tro Es­ta­do, vou ter de lar­gar tu­do. O meu mai­or me­do é aban­do­nar a mi­nha fa­mí­lia”, afir­ma o alu­no.

Já Felipe Hi­de­ki, de 17 anos, tem cer­te­za do que quer es­tu­dar no ensino superior. “Sem­pre gos­tei de

JF DIORIO/ESTADÃO

so, em que uma ori­en­ta­do­ra vai te ana­li­san­do e aju­dan­do a che­gar à pro­fis­são”, ex­pli­ca.

No­va ro­ta. Lu­a­na pen­sa­va em En­ge­nha­ria, mas gos­ta­va de te­a­tro

De ca­ra. Felipe já sa­bia que que­ria es­tu­dar Ma­te­má­ti­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.