Li­ções da im­pro­bi­da­de

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Ex­pe­ri­ên­cia re­co­men­da apri­mo­ra­men­to do tex­to da Lei de Im­pro­bi­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va, san­ci­o­na­da em 1992.

San­ci­o­na­da em 1992, a Lei de Im­pro­bi­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va (Lei 8.429/92) nas­ceu com a pro­mes­sa de ins­tau­rar um no­vo pa­drão de mo­ra­li­da­de na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca. Não ha­via no tex­to ne­nhu­ma pas­sa­gem que pu­des­se ser in­ter­pre­ta­da co­mo co­ni­vên­cia com o ilí­ci­to. O Con­gres­so apro­vou uma lei ri­go­ro­sa, que am­pli­a­va as pos­si­bi­li­da­des de pu­ni­ção, com o ob­je­ti­vo de que ne­nhum mal­fei­to pra­ti­ca­do na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca fi­cas­se im­pu­ne.

A apro­va­ção da Lei 8.429/92 foi con­si­de­ra­da um ato his­tó­ri­co. Su­pe­ran­do a pe­re­ne fal­ta de von­ta­de po­lí­ti­ca pa­ra com­ba­ter a cor­rup­ção, o Po­der Le­gis­la­ti­vo fi­nal­men­te for­ne­cia ao País caminhos ju­rí­di­cos pa­ra a re­a­li­za­ção de uma lim­pe­za tan­to na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca co­mo na po­lí­ti­ca. Um dos ele­men­tos mais des­ta­ca­dos da no­va lei era a pos­si­bi­li­da­de de cas­sar os di­rei­tos po­lí­ti­cos de quem atu­as­se de for­ma ím­pro­ba.

De­pois de qua­se 30 anos de vi­gên­cia, vê-se que as ex­pec­ta­ti­vas em re­la­ção à Lei 8.429/92 não se cum­pri­ram. E é in­te­res­san­te no­tar que elas não se cum­pri­ram não por­que a lei não foi apli­ca­da. Ao con­trá­rio, a Lei de Im­pro­bi­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va foi mui­to apli­ca­da e, mes­mo as­sim, não ge­rou um pa­ta­mar superior de mo­ra­li­da­de pú­bli­ca.

Ao ten­tar re­di­gir um tex­to ca­paz de abar­car tu­do o que fos­se con­trá­rio à ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, o Con­gres­so aca­bou por apro­var uma lei ex­ces­si­va­men­te va­ga, su­jei­ta a mui­tas in­ter­pre­ta­ções. O art. 11 é exem­plo des­sa am­pli­dão. “Cons­ti­tui ato de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va que aten­ta con­tra os prin­cí­pi­os da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca qual­quer ação ou omis­são que vi­o­le os de­ve­res de ho­nes­ti­da­de, im­par­ci­a­li­da­de, le­ga­li­da­de, e le­al­da­de às ins­ti­tui­ções”, diz o tex­to le­gal. Na prá­ti­ca, a Lei 8.429/92 per­mi­te que o Ministério Pú­bli­co con­si­de­re ato de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, por exem­plo, qual­quer de­ci­são de um pre­fei­to do qual dis­cor­de.

E a pe­na pre­vis­ta pa­ra os ca­sos en­qua­dra­dos no art. 11 não é pe­que­na: “res­sar­ci­men­to in­te­gral do da­no, se hou­ver, per­da da fun­ção pú­bli­ca, sus­pen­são dos di­rei­tos po­lí­ti­cos de três a cin­co anos, pa­ga­men­to de mul­ta ci­vil de até cem ve­zes o va­lor da re­mu­ne­ra­ção per­ce­bi­da pe­lo agen­te e proi­bi­ção de con­tra­tar com o Po­der Pú­bli­co ou re­ce­ber be­ne­fí­ci­os ou in­cen­ti­vos fis­cais ou cre­di­tí­ci­os, di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te, ain­da que por in­ter­mé­dio de pes­soa ju­rí­di­ca da qual se­ja só­cio ma­jo­ri­tá­rio, pe­lo pra­zo de três anos”.

Em vez de ex­cluir da vi­da pú­bli­ca os ad­mi­nis­tra­do­res cor­rup­tos, a re­da­ção am­pla da Lei de Im­pro­bi­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va de­ses­ti­mu­lou mui­ta gen­te ho­nes­ta a atu­ar nos ór­gãos pú­bli­cos. Não há co­mo ne­gar: a pos­si­bi­li­da­de de ser en­qua­dra­do em al­gu­ma hi­pó­te­se da lei é um enor­me ônus pa­ra quem se dis­põe a atu­ar na vi­da pú­bli­ca. A pas­sa­gem por um car­go pú­bli­co po­de sig­ni­fi­car de­pois anos de ba­ta­lhas ju­di­ci­ais in­ter­mi­ná­veis. “Ho­je, é mui­to di­fí­cil um agen­te pú­bli­co, es­pe­ci­al­men­te aque­le elei­to, pas­sar por um man­da­to sem res­pon­der por al­gum pon­to da lei”, dis­se o de­pu­ta­do Ro­ber­to de Lu­ce­na (Po­de­mos-SP), re­la­tor de um pro­je­to de lei so­bre o te­ma.

Em es­tu­do por uma co­mis­são es­pe­ci­al, o pro­je­to ba­sei­a­se na pro­pos­ta de uma co­mis­são de ju­ris­tas, cri­a­da pe­lo pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), e co­or­de­na­da pe­lo mi­nis­tro Mau­ro Camp­bell, do Superior Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ). Além de pre­ver pos­si­bi­li­da­de de acor­do en­tre as par­tes – que ho­je não é per­mi­ti­da –, a pro­pos­ta bus­ca tra­zer mai­or se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca, exi­gin­do a com­pro­va­ção de do­lo pa­ra a con­fi­gu­ra­ção da im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va. Há atu­al­men­te uma si­tu­a­ção de cri­mi­na­li­za­ção da ati­vi­da­de po­lí­ti­co-ad­mi­nis­tra­ti­va. Em 1992, o Con­gres­so não te­ve o mes­mo cui­da­do que ago­ra te­ve com a Lei do Abu­so de Au­to­ri­da­de, ao pre­ver do­lo es­pe­cí­fi­co.

Além de re­co­men­dar um apri­mo­ra­men­to do tex­to, a ex­pe­ri­ên­cia da Lei de Im­pro­bi­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va traz li­ções im­por­tan­tes pa­ra ou­tras áre­as. Não se avan­ça no com­ba­te à cor­rup­ção com le­gis­la­ções dra­co­ni­a­nas de­se­qui­li­bra­das. Em vez de me­lho­ra­rem o am­bi­en­te pú­bli­co, de­se­qui­lí­bri­os ge­ram mais de­se­qui­lí­bri­os. A pu­ni­ção de quem atua cor­re­ta­men­te é tão ou mais per­ni­ci­o­sa que a im­pu­ni­da­de de quem atua mal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.