As des­ven­tu­ras de uma im­pren­sa sem po­vo

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - FERNÃO LARA MESQUITA JORNALISTA, ESCREVE EM WWW.VESPEIRO.COM

Écla­ro que ca­da um tem a sua pró­pria me­di­da de to­le­rân­cia. Mas se não pe­lo co­le­ti­vo, ele mes­mo, que é uma en­ti­da­de autô­no­ma com com­por­ta­men­to in­de­pen­den­te dos in­di­ví­du­os que o com­põem, cer­ta­men­te pa­ra os in­ter­lo­cu­to­res da mul­ti­dão que vi­vem de vo­to ain­da é a im­pren­sa, mais que qual­quer ou­tra for­ça, que pau­ta to­das as ins­tân­ci­as do “Sis­te­ma”, do ve­re­a­dor ao mi­nis­tro do STF, so­bre quais os as­sun­tos que ele es­tá ou não obri­ga­do a tra­tar com pri­o­ri­da­de e den­tro de quais li­mi­tes.

A que­bra do pa­ra­dig­ma tec­no­ló­gi­co re­du­ziu subs­tan­ci­al­men­te a bar­rei­ra de aces­so a es­se po­der. A de­mo­cra­ti­za­ção da dis­po­ni­bi­li­za­ção de re­cur­sos grá­fi­cos e au­di­o­vi­su­ais de qua­li­da­de pa­ra a pro­du­ção de con­teú­dos com al­can­ce pla­ne­tá­rio nas re­des so­ci­ais mul­ti­pli­cou ex­po­nen­ci­al­men­te a quan­ti­da­de de gen­te ca­paz de fa­zer ba­ru­lho à pri­mei­ra vis­ta apa­ren­ta­do com jor­na­lis­mo. Mas mais ce­do do que tar­de o me­ro fa­ze­dor de ba­ru­lho te­rá a sua mi­li­tân­cia iden­ti­fi­ca­da co­mo o que é.

As con­di­ções mí­ni­mas pa­ra ser aca­ta­do co­mo uma ins­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca – o “4.º Po­der” sem o qual não exis­te de­mo­cra­cia – con­ti­nu­am as mes­mas de sem­pre: es­tar equi­pa­do pa­ra co­brir em pri­mei­ra mão os as­sun­tos que se­rão a ma­té­ria-pri­ma do de­ba­te po­lí­ti­co na­ci­o­nal res­pei­tan­do um có­di­go de éti­ca pa­ra o tra­ta­men­to das con­tro­vér­si­as de to­dos co­nhe­ci­do, e ser “elei­to” por um gru­po nu­mé­ri­ca ou so­ci­o­lo­gi­ca­men­te sig­ni­fi­ca­ti­vo da so­ci­e­da­de em que atua, o que não se con­se­gue sem ter cla­re­za bas­tan­te no seu tão ine­vi­tá­vel quan­to de­se­já­vel po­si­ci­o­na­men­to ide­o­ló­gi­co pa­ra que to­do lei­tor/es­pec­ta­dor sai­ba co­mo se po­si­ci­o­nar em re­la­ção a ele pa­ra amá-lo ou pa­ra odiá-lo. A “isen­ção”, ex­ten­sa­men­te

mar­ke­ti­za­da no Bra­sil do sé­cu­lo pas­sa­do, não sen­do hu­ma­na, é sem­pre fa­ke. O re­gis­tro bu­ro­crá­ti­co do “ou­tro la­do” é na­da me­nos que uma fal­si­fi­ca­ção quan­do, co­mo qua­se sem­pre, há des­pro­por­ção na ex­po­si­ção de ca­da um. E jus­ta­por opi­niões “con­tra” e “a fa­vor”, mais fre­quen­te­men­te do que não, ou é um ar­ti­fí­cio si­lo­gís­ti­co pa­ra fu­rar o viés edi­to­ri­al ofi­ci­al­men­te ado­ta­do por um veí­cu­lo “com do­no jornalista”, coi­sa ra­rís­si­ma no Bra­sil de ho­je em dia, ou um meio pa­ra pôr al­gu­ma coi­sa sob sus­pei­ta sem as­su­mir es­sa ati­tu­de. Ne­nhum des­ses ex­pe­di­en­tes tem qual­quer coi­sa a ver com um es­for­ço ge­nui­na­men­te jor­na­lís­ti­co de apu­ra­ção e bus­ca da ver­da­de, que é coi­sa que não se afe­re pe­lo re­sul­ta­do que pos­sa dar, mas pe­la tra­je­tó­ria per­cor­ri­da pe­la re­por­ta­gem, que de­ve ser re­la­ta­da com mi­nú­cia su­fi­ci­en­te pa­ra con­ven­cer o lei­tor/es­pec­ta­dor de que de fa­to foi fei­to.

As re­gras que ba­li­zam o 4.º Po­der es­tão en­tre aque­las não es­cri­tas do jo­go de­mo­crá­ti­co re­co­nhe­ci­das tan­to por quem sa­be quan­to por quem não sa­be des­cre­vê-las ver­bal­men­te, e que por is­so mes­mo têm in­fi­ni­ta­men­te mais for­ça que to­das as que são es­cre­vi­nha­das ou gri­ta­das por aí pa­ra ten­tar anu­lá-las. E é exa­ta­men­te pe­la for­ça que tem o “4.º Po­der” que há tan­ta gen­te em­pe­nha­da em fal­si­fi­cá­lo e até ma­nu­ais de con­quis­ta do po­der atra­vés da sis­te­ma­ti­za­ção ci­en­ti­fi­ca­men­te ori­en­ta­da des­sa fal­si­fi­ca­ção co­mo são o de An­to­nio Grams­ci e as no­vas téc­ni­cas de al­go­ri­ti­mi­za­ção do en­de­re­ça­men­to da men­ti­ra.

No Bra­sil de ho­je é fá­cil iden­ti­fi­car, en­tre os prin­ci­pais veí­cu­los de im­pren­sa es­cri­ta, fa­la­da, te­le­vi­si­va ou de in­ter­net, 1) os que olham o País, se­ja com os olhos da es­quer­da, se­ja com os olhos da di­rei­ta da “pri­vi­le­gi­a­tu­ra”, en­ten­di­da co­mo o res­tri­to gru­po le­gal e cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te cre­den­ci­a­do pa­ra dis­pu­tar o po­der e o pe­que­no exér­ci­to que, uma vez “lá”, ele un­ge com a dis­pen­sa de se­gu­rar o em­pre­go e dis­pu­tar a as­cen­são nas car­rei­ras com a en­tre­ga de re­sul­ta­dos e com o “di­rei­to ad­qui­ri­do” de se apro­pri­ar de me­ta­de da ren­da na­ci­o­nal sem dar na­da em tro­ca pa­ra a co­le­ti­vi­da­de; 2) os que, no es­for­ço pa­ra per­ma­ne­cer “no meio”, atre­lam o seu olhar às ins­ti­tui­ções... que cri­a­ram a “pri­vi­le­gi­a­tu­ra”, que con­ti­nu­a­rá on­de es­tá en­quan­to elas “es­ti­ve­rem fun­ci­o­nan­do”; 3) os que tu­do re­fe­rem a uma abor­da­gem po­li­ci­a­les­ca fo­ca­da ex­clu­si­va­men­te nos efei­tos, e não nas cau­sas dos alei­jões ins­ti­tu­ci­o­nais bra­si­lei­ros; e 4) quem fa­ça tu­do is­so no to­do ou em par­te nu­ma lin­gua­gem mais cul­ta ou va­za­da em tons va­ri­a­dos de um “po­pu­lis­mo jor­na­lís­ti­co” que ecoa, con­tra ou a fa­vor, os po­pu­lis­mos que se al­ter­nam no po­der.

As­sim, a im­pren­sa aca­ba, ine­vi­ta­vel­men­te, fi­can­do cí­ni­ca co­mo os “la­dos” a que se atre­la, ou ali­e­na­da, quan­do não in­su­por­ta­vel­men­te in­jus­ta co­mo são as “ins­ti­tui­ções que fun­ci­o­nam”, ou ain­da su­per­fi­ci­al e pe­ri­go­sa­men­te ja­co­bi­na co­mo po­de­rá ser tam­bém qual­quer dos la­dos que “apro­pri­ar-se” do Po­der Ju­di­ciá­rio. É por is­so que a im­pren­sa in­tei­ra es­tá ho­je na mes­ma ces­ta do res­to do País Ofi­ci­al on­de o País Re­al, com o jus­to ran­cor dos traí­dos, a vê.

O an­ti-in­te­lec­tu­a­lis­mo que, com um sé­cu­lo de atra­so co­mo tu­do o mais, tem a sua ver­são bra­si­lei­ra, não é, co­mo al­guns que­rem fa­zer crer, uma ati­tu­de gra­tui­ta de ini­mi­gos de nas­cen­ça da cul­tu­ra, é uma res­pos­ta ao eli­tis­mo eu­ro­peu; mais pre­ci­sa­men­te a re­jei­ção da ten­ta­ti­va de des­clas­si­fi­ca­ção do sen­so co­mum co­mo fer­ra­men­ta com­pe­ten­te de so­lu­ção de pro­ble­mas da co­mu­ni­da­de. Ou, em ou­tra for­mu­la­ção mais chã, uma reação à ex­clu­são da co­mu­ni­da­de da so­lu­ção dos pro­ble­mas da co­mu­ni­da­de; um bas­ta à bus­ca a es­ta al­tu­ra na­da me­nos que hi­pó­cri­ta de uma eli­te ali­e­na­da por res­pos­tas ex­clu­si­va­men­te on­de há cin­co sé­cu­los, 19 anos e 10 me­ses o País Re­al mais a tor­ci­da do Co­rinthi­ans es­tão ca­re­cas de sa­ber que elas não es­tão.

É pre­ci­so co­me­çar tu­do de no­vo. No Bra­sil tu­do es­tá em aber­to. As ins­ti­tui­ções es­ta­rem fun­ci­o­nan­do não é a so­lu­ção, é o pro­ble­ma. Ain­da es­tá por ocor­rer o ato fun­da­dor da so­ci­e­da­de de­mo­crá­ti­ca bra­si­lei­ra. E a im­pren­sa só en­con­tra­rá um tom dig­no do pa­pel do jor­na­lis­mo nu­ma de­mo­cra­cia; a im­pren­sa só se tor­na­rá in­te­li­gí­vel pa­ra o Bra­sil Re­al – a úni­ca con­di­ção da sua so­bre­vi­vên­cia – se e quan­do par­tir do ele­men­to es­sen­ci­al do dra­ma bra­si­lei­ro que é, em ple­no 3.º Mi­lê­nio, ser­mos ain­da uma so­ci­e­da­de feu­dal on­de as li­nhas di­vi­só­ri­as não são de clas­se, na ho­ri­zon­tal, são de cas­ta, na ver­ti­cal.

Ela es­tá na mes­ma ces­ta do País Ofi­ci­al on­de o País Re­al, com o jus­to ran­cor dos traí­dos, a vê

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.