Ode­bre­cht man­tém ver­são so­bre pro­pi­na a Lu­la por An­go­la

Em de­poi­men­to à Jus­ti­ça, em­pre­sá­rio ra­ti­fi­ca pa­ga­men­to co­mo ‘con­tra­par­ti­da’ a fi­nan­ci­a­men­to do BNDES

O Estado de S. Paulo - - Política - Ricardo Brandt Faus­to Ma­ce­do Pe­dro Pra­ta

Ou­vi­do on­tem na con­di­ção de de­la­tor pe­lo juiz fe­de­ral Val­lis­ney Oliveira, da 10.ª Va­ra Fe­de­ral de Brasília, o em­pre­sá­rio Mar­ce­lo Ode­bre­cht ra­ti­fi­cou ver­são an­te­ri­or so­bre o pa­ga­men­to de pro­pi­na em fa­vor do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, co­mo re­sul­ta­do da li­be­ra­ção de fi­nan­ci­a­men­to do BNDES pa­ra pro­je­tos da em­pre­sa em An­go­la, na Áfri­ca. Lu­la é réu em dois pro­ces­sos pe­nais aber­tos na Jus­ti­ça de Brasília.

O prin­ci­pal, que tra­ta do su­pos­to acer­to de US$ 40 mi­lhões de pro­pi­nas ao PT pe­la li­be­ra­ção da li­nha de cré­di­to do BNDES em 2010, tem tam­bém co­mo al­vo o ex-mi­nis­tro Pau­lo Ber­nar­do. O ou­tro pro­ces­so apu­ra cor­rup­ção, la­va­gem de di­nhei­ro e trá­fi­co de in­fluên­cia en­vol­ven­do o ex-pre­si­den­te e Tai­gua­ra Ro­dri­gues dos San­tos, co­nhe­ci­do co­mo “so­bri­nho de Lu­la”. A in­ves­ti­ga­ção de­ri­va da Ope­ra­ção Ja­nus, de­fla­gra­da em 2016 co­mo des­do­bra­men­to da La­va Ja­to.

“Na­que­la épo­ca, eu ti­nha uma con­ta cor­ren­te que eu e (An­to­nio) Pa­loc­ci (ex-mi­nis­tro) ad­mi­nis­trá­va­mos, e que per­ten­cia ao PT, Lu­la e que, na ver­da­de, era fru­to de um com­bi­na­do de Lu­la com meu pai (Emí­lio Ode­bre­cht). Quan­do ha­via pe­di­dos de va­lo­res pa­ra aju­dar o PT, saia des­sa con­ta cor­ren­te”, dis­se Mar­ce­lo.

Ain­da em seu de­poi­men­to, o em­pre­sá­rio vol­tou a men­ci­o­nar a exis­tên­cia de uma “Pla­ni­lha Ita­li­a­no”, na qual eram in­di­ca­das du­as “con­tra­par­ti­das” (que se­ri­am os ne­gó­ci­os on­de hou­ve co­bran­ça con­di­ci­o­nal de pro­pi­nas). Um de­les en­vol­veu jus­ta­men­te a ope­ra­ção da em­prei­tei­ra em An­go­la. “Fo­ram, de fa­to, con­tra­par­ti­das so­li­ci­ta­das, e que ge­ra­ram cré­di­tos.”

Em qua­se uma ho­ra e meia de de­poi­men­to, Mar­ce­lo tam­bém acu­sou o pai e o ex-exe­cu­ti­vo da Ode­bre­cht Ale­xan­dri­no Alen­car de “con­tra­di­ções” ao fa­la­rem à Jus­ti­ça so­bre a par­ti­ci­pa­ção do ex-pre­si­den­te e o acer­to de va­lo­res. “Co­mo a re­la­ção de Lu­la per­ten­cia ao meu pai, eu ti­nha de re­fe­ren­dar es­ses va­lo­res com ele, bus­car a au­to­ri­za­ção de­le. Só que ago­ra ele es­tá di­zen­do em de­poi­men­to que nun­ca con­ver­sou com Lu­la so­bre va­lo­res.”

Co­mo de­la­tor, ele afir­mou que não te­ve par­ti­ci­pa­ção di­re­ta nos su­pos­tos acer­tos com o ex-pre­si­den­te, mas que tan­to o pai co­mo Pa­loc­ci e ou­tros exe­cu­ti­vos te­ri­am re­la­ta­do pe­di­dos fei­tos por Lu­la. Afir­mou ain­da que man­te­ve o te­or de sua co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da – ho­mo­lo­ga­da em 2017 pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). Após de­poi­men­to pres­ta­do na sex­ta-fei­ra pas­sa­da, no pro­ces­so prin­ci­pal, de­fe­sas dos réus che­ga­ram a apon­tar o que se­ria um “re­cuo” do em­pre­sá­rio.

Mar­ce­lo foi pre­si­den­te do gru­po de 2009 até 2015, quan­do foi pre­so pe­la La­va Ja­to. Cum­priu dois anos de pri­são e ho­je es­tá ago­ra em re­gi­me do­mi­ci­li­ar, mo­ni­to­ra­do por tor­no­ze­lei­ra ele­trô­ni­ca. No de­poi­men­to, fri­sou que a “re­la­ção de Lu­la per­ten­cia” ao pai, Emí­lio, mas que re­fe­ren­da­va va­lo­res com ele.

“Res­pon­do pe­la mi­nha co­la­bo­ra­ção e pe­lo o que fa­lei. Se pes­so­as acer­ta­ram pro­pi­nas e dis­se­ram que não acer­ta­ram, elas que têm de res­pon­der. Pos­so res­pon­der pe­la mi­nha co­la­bo­ra­ção.”

So­bre Tai­gua­ra, o de­la­tor vol­tou a con­tar que o en­tão di­re­tor da Ode­bre­cht em An­go­la Er­nes­to Bayard o co­mu­ni­cou que ha­via a so­li­ci­ta­ção de “apoio”. “O que eu sou­be foi que, por vol­ta de 2011, que hou­ve pe­di­do de Lu­la, não sei se a meu pai ou a Ale­xan­dri­no, pa­ra que pu­dés­se­mos sub­con­tra­tar o so­bri­nho de­le em An­go­la.”

De­fe­sa. Ain­da na sex­ta-fei­ra, o ad­vo­ga­do de de­fe­sa de Lu­la, Cris­ti­a­no Za­nin Mar­tins, dis­se que os de­poi­men­tos de Mar­ce­lo e de Emí­lio, so­ma­dos, dei­xa­ri­am cla­ro que “o ex-pre­si­den­te não pra­ti­cou ne­nhum ato ilí­ci­to que foi im­pu­ta­do a ele nes­sa ação.” Pro­cu­ra­do no­va­men­te on­tem pe­lo Es­ta­do, o ad­vo­ga­do não ha­via res­pon­di­do até a con­clu­são des­ta edi­ção.

NA WEB Áu­dio. Ou­ça o de­poi­men­to de Ode­bre­cht es­ta­dao.com.br/e/au­di­o­mar­ce­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.