De­ci­são re­duz cre­di­bi­li­da­de dos Es­ta­dos Uni­dos

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - Ja­mes Hoh­mann / THE WASHINGTON POST / TRADUÇÃO DE RO­BER­TO MUNIZ É JORNALISTA

Aer­rá­ti­ca po­lí­ti­ca ex­ter­na do pre­si­den­te Do­nald Trump faz vá­ri­os ali­a­dos du­vi­da­rem, com ra­zão, de seu com­pro­me­ti­men­to com a se­gu­ran­ça de­les e da dis­po­si­ção de so­cor­rê-los em ho­ras de ne­ces­si­da­de. Tro­pas dos EUA co­me­ça­ram a se re­ti­rar da Sí­ria, abrin­do ca­mi­nho pa­ra os tur­cos ata­ca­rem as for­ças cur­das que fo­ram par­cei­ras fiéis dos ame­ri­ca­nos na lu­ta con­tra o Es­ta­do Is­lâ­mi­co.

A re­ti­ra­da (que os cur­dos cha­mam de trai­ção) co­me­çou ho­ras de­pois de Trump fa­lar no do­min­go pe­lo te­le­fo­ne com o pre­si­den­te tur­co, Re­cep Tayyip Er­do­gan. As For­ças De­mo­crá­ti­cas da Sí­ria (FDS) co­me­ça­ram re­cen­te­men­te a re­du­zir sua de­fe­sa con­tra uma in­cur­são tur­ca acre­di­tan­do que os ame­ri­ca­nos es­ta­ri­am ten­tan­do ne­go­ci­ar um acor­do en­tre as du­as par­tes. Ago­ra, as FDS se­rão dei­xa­das à pró­pria sor­te. Es­pe­ci­a­lis­tas em se­gu­ran­ça na­ci­o­nal ad­ver­tem que es­se aban­do­no dos cur­dos por par­te de Trump te­rá um efei­to as­sus­ta­dor não ape­nas nes­sa re­gião, mas em to­do o mun­do, so­la­pan­do a cre­di­bi­li­da­de dos EUA co­mo pro­te­ção con­tra uma Chi­na as­cen­den­te e uma Rús­sia re­van­chis­ta.

“Pe­lo me­nos o go­ver­no Trump é co­e­ren­te: es­ta­mos fer­ran­do nos­sos ali­a­dos, par­cei­ros e ami­gos”, dis­se John Sipher, que tra­ba­lhou du­ran­te 28 anos em ati­vi­da­des clan­des­ti­nas da CIA. “O re­ca­do que ago­ra man­da­mos é: ‘Não con­fi­em nos EUA, mes­mo que te­nham der­ra­ma­do san­gue em sua de­fe­sa. Se qui­se­rem fa­vo­res, er­gam uma Trump Tower’.” Em de­zem­bro, pou­co de­pois de ou­tra con­ver­sa ao te­le­fo­ne com Er­do­gan, Trump pe­gou to­do mun­do de sur­pre­sa ao tui­tar que os EUA re­ti­ra­ri­am su­as tro­pas da Sí­ria. Jim Mat­tis re­nun­ci­ou a seu car­go de se­cre­tá­rio de De­fe­sa e Brett McGurk dei­xou o pos­to de en­vi­a­do es­pe­ci­al de Trump à co­a­li­zão for­ma­da pa­ra der­ro­tar o EI.

McGurk, que ho­je le­ci­o­na na Uni­ver­si­da­de Stan­ford, con­si­de­ra a de­ci­são de Trump um “pre­sen­te pa­ra Rús­sia, Irã e EI”. Se­gun­do ele, “Trump to­ma de­ci­sões im­pul­si­vas, sem co­nhe­ci­men­to de cau­sa ou de­li­be­ra­ção. Ele ble­fa e dei­xa nos­sos ali­a­dos ex­pos­tos, en­quan­to os ad­ver­sá­ri­os pa­gam pa­ra ver. São ob­je­ti­vos mi­ni­ma­lis­tas de um pre­si­den­te mi­ni­ma­lis­ta, sem ba­se em fa­tos, sem es­tu­do de op­ções ou sem con­si­de­rar con­tin­gên­ci­as”, dis­se McGurk. A Tur­quia vê os cur­dos co­mo ter­ro­ris­tas, mas as for­ças dos EUA que tra­ba­lha­ram com as FDS pas­sa­ram a ad­mi­rar o es­pí­ri­to de união dos cur­dos e sua de­vo­ção em ma­tar com­ba­ten­tes do EI.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.