Por mo­no­pó­lio do FGTS, Cai­xa po­de re­du­zir ta­ri­fa

Ho­je, banco co­bra ta­xa de 1% pa­ra ad­mi­nis­trar Fun­do; pro­pos­ta se­ria re­du­zir pa­ra 0,8%, mes­mo as­sim cus­to se­ria de R$ 4,08 bi por ano

O Estado de S. Paulo - - Economia - Adri­a­na Fer­nan­des / BRASÍLIA

Pa­ra man­ter o mo­no­pó­lio na ges­tão do FGTS, a Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral vai apre­sen­tar ao mi­nis­tro da Economia, Pau­lo Gu­e­des, uma pro­pos­ta de re­du­ção da sua ta­xa de ad­mi­nis­tra­ção.

Ho­je, a Cai­xa co­bra uma ta­xa de 1% pa­ra ad­mi­nis­trar os qua­se R$ 550 bi­lhões do Fun­do, que é usa­do pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to de pro­je­tos de in­fra­es­tru­tu­ra, sa­ne­a­men­to e ha­bi­ta­ção, co­mo o Mi­nha Ca­sa Mi­nha Vi­da. Se­gun­do apu­rou o Es­ta­do, uma das pro­pos­tas em aná­li­se é re­du­zir a ta­xa pa­ra 0,8%. Em 2018, o FGTS pa­gou R$ 5,1 bi­lhões ao banco do go­ver­no fe­de­ral de ta­xa de ad­mi­nis­tra­ção. Se fos­se com a no­va ta­xa, te­ria re­ce­bi­do R$ 4,08 bi­lhões.

O pa­co­te de re­du­ção da ta­xa e mo­der­ni­za­ção tec­no­ló­gi­ca do FGTS se­rá pri­mei­ro apre­sen­ta­do ao mi­nis­tro Gu­e­des pa­ra ser apro­va­do. A ideia é en­ca­mi­nhar a pro­pos­ta em no­vem­bro ao Con­se­lho Cu­ra­dor da FGTS, ór­gão que reú­ne re­pre­sen­tan­tes do go­ver­no, dos tra­ba­lha­do­res e de em­pre­ga­do­res.

O pre­si­den­te da Cai­xa, Pe­dro Gui­ma­rães, dis­cu­tiu on­tem o as­sun­to com o mi­nis­tro. Na con­ver­sa, Gui­ma­rães te­ve a ga­ran­tia de que Gu­e­des não pen­sa “em mu­dar na­da ago­ra” pa­ra que­brar o mo­no­pó­lio do FGTS.

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro tam­bém foi con­tun­den­te em apoio à ma­nu­ten­ção do mo­no­pó­lio da Cai­xa na ges­tão do FGTS. Bol­so­na­ro dis­se que, se par­tir al­gu­ma su­ges­tão do ti­po do Con­gres­so, ele pre­ten­de ve­tá-la. “Se o Con­gres­so de­ci­dir que­brar o mo­no­pó­lio da Cai­xa, eu a ve­ta­rei se­gun­do ori­en­ta­ção da pró­pria (ministério) Economia”, es­cre­veu o pre­si­den­te em seu Fa­ce­bo­ok.

O pre­si­den­te da Cai­xa bus­cou apoio pa­ra man­ter a ges­tão do FGTS com o ar­gu­men­to de que a que­bra do mo­no­pó­lio vai en­ca­re­cer os cus­tos pa­ra as Re­giões Nor­te, Nor­des­te e ou­tras lo­ca­li­da­des mais lon­gín­quas do in­te­ri­or, on­de nem to­dos os ban­cos pri­va­dos es­tão pre­sen­tes. Pe­lo le­van­ta­men­to da Cai­xa, ape­nas 700 mu­ni­cí­pi­os só têm o banco es­ta­tal ope­ran­do.

Na ava­li­a­ção da Cai­xa, os ou­tros ban­cos, com fim do mo­no­pó­lio, só te­rão in­te­res­se em fi­nan­ci­ar nas ci­da­des mais ren­tá­veis, do Sul e Su­des­te. Ho­je, o banco con­se­gue, com uma ta­xa úni­ca, equi­li­brar os cus­tos mais ele­va­dos pa­ra che­gar nos lo­cais de mais di­fí­cil aces­so. O dis­cur­so da Cai­xa tem si­do de que a ma­nu­ten­ção do mo­no­pó­lio é a ga­ran­tia de que Nor­te, Nor­des­te não vão pa­gar mais.

A ideia de aca­bar com o mo­no­pó­lio é de­fen­di­da por uma ala da equi­pe econô­mi­ca, co­mo mos­trou re­por­ta­gem do Es­ta­do no dia 10 de se­tem­bro. “Não dá pa­ra um país do ta­ma­nho do Bra­sil con­tar com um banco só”, dis­se ao Es­ta­do Igor Vi­las Bo­as de Frei­tas, di­re­tor do de­par­ta­men­to do FGTS do Ministério da Economia. Pa­ra os de­fen­so­res da ideia, ou­tros ban­cos po­de­ri­am co­brar me­nos pe­la ad­mi­nis­tra­ção e ofe­re­cer mai­or re­tor­no aos tra­ba­lha­do­res com ou­tros ti­pos de apli­ca­ção.

“Se o Con­gres­so de­ci­dir que­brar o mo­no­pó­lio da Cai­xa, eu a ve­ta­rei se­gun­do ori­en­ta­ção da pró­pria (ministério) Economia.”

Jair Bol­so­na­ro

PRE­SI­DEN­TE DA RE­PÚ­BLI­CA

MAR­CE­LO CA­MAR­GO/AGÊN­CIA BRA­SIL - 28/5/2019

De­ba­te. Gui­ma­rães bus­ca apoio pa­ra man­ter FGTS na Cai­xa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.