‘Do­min­go’ trans­for­ma bru­ta­li­da­de das relações de clas­ses em hu­mor

Fil­me de Fel­li­pe Barbosa e Cla­ra Li­nhart faz da pos­se de Lu­la na Pre­si­dên­cia um te­ma de co­mé­dia

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Luiz Car­los Mer­ten

Fel­li­pe Barbosa acha gra­ça na dis­po­si­ção das pes­so­as em apon­tar o ‘er­ro’. O ano-no­vo de 2003 foi nu­ma quar­ta, não num do­min­go! “Agem co­mo se es­ti­ves­sem me pe­gan­do no pu­lo, co­mo se dis­ses­sem – ‘Viu? Ele não fez pes­qui­sa ne­nhu­ma’. O fil­me pas­sa-se no sá­ba­do, na ex­pec­ta­ti­va do do­min­go.” Do­min­go es­tre­ou na quin­ta, 3. O sá­ba­do é es­pe­ci­al. Mar­ca o en­con­tro de uma gran­de fa­mí­lia que se reú­ne na fa­zen­da da ma­tri­ar­ca pa­ra fes­te­jar o ano- no­vo. No ar, o me­do pro­du­zi­do pe­la pos­se de Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va co­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca (e que foi nu­ma quar­ta). Que con­fu­são de da­tas é es­sa? Tem a ver com uma su­til pro­pos­ta de in­ter­sec­ção tem­po­ral que dá o tom do fil­me to­do. “Foi uma coi­sa que per­ce­be­mos que ha­via no ro­tei­ro do Lucas (Pa­rai­zo) e que res­sal­ta­mos na ro­da­gem, Cla­ra e eu.” Fel­li­pe Barbosa re­fe­re-se à co­di­re­to­ra Cla­ra Li­nhart.

Um exem­plo – a que­da da for­ça, a fal­ta de luz. É uma só, mas com pe­que­nos lap­sos de tem­po, o ato e o fa­to são vis­tos de di­fe­ren­tes pon­tos de vis­ta. Es­sa in­ter­sec­ção tem­po­ral, trans­for­ma­da em con­cei­to, é o pró­prio te­ma. A bur­gue­sia te­me o que es­tá por vir, com a pos­se de Lu­la. A ma­tri­ar­ca guar­da di­nhei­ro nu­ma con­ta no ex­te­ri­or. A no­ra ob­ser­va que a ter­ra é im­pro­du­ti­va e que a fa­zen­da tem mais é de ser in­va­di­da. Mais uma vez, de­pois de Ca­sa Gran­de e Ga­bri­el e a Mon­ta­nha, Fel­li­pe Barbosa co­lo­ca em ce­na a es­tru­tu­ra so­ci­al bra­si­lei­ra. Ca­sa gran­de e sen­za­la, pa­trões e em­pre­ga­dos. Ca­sa Gran­de era so­bre ga­ro­to cri­a­do nu­ma re­do­ma que des­co­bria a exis­tên­cia do mun­do além dos li­mi­tes da sua ca­sa. Ga­bri­el e a Mon­ta­nha, em ho­me­na­gem ao ami­go Ga­bri­el Bu­ch­mann, era so­bre ga­ro­to que in­ves­ti­ga a po­bre­za na Áfri­ca e en­con­tra a mor­te no al­to de uma mon­ta­nha mí­ti­ca.

O ci­ne­ma de Fel­li­pe Barbosa não exa­la má cons­ci­ên­cia, mas car­re­ga a cul­pa de uma clas­se mé­dia al­ta que tem su­fi­ci­en­te cla­re­za pa­ra sa­ber que a con­cen­tra­ção de ren­da é um pro­ble­ma mui­to sé­rio do Bra­sil. Em cli­ma de fes­ta, Do­min­go ex­põe a bru­ta­li­da­de das relações de clas­ses. É uma co­mé­dia áci­da de cos­tu­mes. “Pe­dro So­te­ro (o gran­de fo­tó­gra­fo) viu e fez uma ob­ser­va­ção mui­to in­te­res­san­te”, con­ta Barbosa. “Dis­se que é um fil­me so­bre o cor­po do ator. Co­mo a gen­te fil­ma em pla­no-sequên­cia, os ato­res têm tem­po de ela­bo­rar o hu­mor com seu cor­po.” Íta­la Nan­di e Camila Mor­ga­do são mes­tras. “Camila é um mons­tro em ce­na e a Íta­la tem to­da uma his­tó­ria. Foi a me­lhor ami­ga da mãe da Cla­ra, que di­ri­ge co­mi­go. A mãe de­la, Ana Ma­ria Ga­la­no, foi a úl­ti­ma mu­lher do Jo­a­quim Pe­dro, que di­ri­giu a Íta­la, e o filho do Jo­a­quim pro­du­ziu meu pri­mei­ro cur­ta. Tu­do se en­cai­xa.”

Co­mo pro­je­to, Do­min­go é mui­to an­te­ri­or a Ca­sa Gran­de. “O ro­tei­ro tem mais de dez anos, mas as cir­cuns­tân­ci­as fi­ze­ram com que os ou­tros fil­mes saís­sem an­tes. Tan­to que, às ve­zes, no set, o ro­tei­ro pa­re­cia da­ta­do e era um pri­vi­lé­gio a gen­te ter o Lucas jun­to pa­ra atu­a­li­zar ce­nas e diá­lo­gos.” Do­min­go já ex­pres­sa al­go que só se acen­tu­ou de­pois, com o tem­po. O ódio re­pre­sen­ta­do pe­lo an­ti­pe­tis­mo. “Não foi ou­tra coi­sa que nos trou­xe ao atu­al es­ta­do do Bra­sil. Fi­quei um tem­po sem re­ver o fil­me, por­que não aguen­ta­va mais, mas o re­vi ou­tro dia e me dei con­ta de que já es­ta­mos con­se­guin­do rir des­sa m... to­da. Tal­vez a pró­xi­ma eta­pa se­ja fa­zer o lu­to pa­ra ze­rar e ten­tar co­me­çar de no­vo.”

Barbosa fil­mou nu­ma char­que­a­da em Pe­lo­tas, no Rio Gran­de do Sul. “Era co­mo se o lo­cal fos­se ha­bi­ta­do por fan­tas­mas e eles as­som­bras­sem nos­sos per­so­na­gens. Is­so aju­dou mui­to no cli­ma.” Barbosa gra­va atu­al­men­te ce­nas da pró­xi­ma no­ve­la das 9, Amor de Mãe. O nú­cleo é de José Luiz Vil­la­ma­rim, a au­to­ra é Ma­nu­e­la Di­as. “Te­nho gra­va­do mui­to com as três mães da tra­ma – Re­gi­na Ca­sé, Adri­a­na Es­te­ves e Taís Araú­jo.” E a Isis Val­ver­de, que tam­bém es­tá na no­ve­la? “Isis é fan­tás­ti­ca, e ano­ta o que eu di­go. A per­so­na­gem vai cres­cer quan­do a no­ve­la for ao ar.”

‘Já con­se­gui­mos rir dis­so tu­do. Tal­vez a pró­xi­ma eta­pa se­ja fa­zer o lu­to pa­ra ze­rar e ten­tar co­me­çar de no­vo’ Fel­li­pe Barbosa DI­RE­TOR

ARTHOUSE

Reu­nião. Fa­mí­lia se jun­ta pa­ra fes­te­jar o ano-no­vo de 2003

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.