Tur­nê bra­si­lei­ra

Nes­ta ter­ça, 8, a pi­a­nis­ta Ma­ria João Pi­res faz re­ci­tal na Sa­la São Pau­lo

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - João Luiz Sampaio ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO

Uma vez por mês, Ma­ria João Pi­res pe­ga­va o trem em Mu­ni­que pa­ra en­con­trar-se com o len­dá­rio pi­a­nis­ta ale­mão Wi­lhelm Kempff. Ela se mu­da­ra de Por­tu­gal pa­ra a Ale­ma­nha pa­ra com­ple­tar seus es­tu­dos. “Kempff não era meu pro­fes­sor, mas eu to­ca­va pa­ra ele, eram mo­men­tos im­por­tan­tes, fo­ram fun­da­men­tais em mi­nha car­rei­ra.”

Se a con­ver­sa che­gou a Kempff é por­que co­me­çou um pou­co an­tes em Be­etho­ven. Ma­ria João Pi­res é uma das mai­o­res pi­a­nis­tas do mun­do – e sua vi­são so­bre a obra do com­po­si­tor é um dos mo­ti­vos pa­ra a fa­ma atin­gi­da em 70 anos de car­rei­ra (se con­tar­mos co­mo mar­co ini­ci­al o pri­mei­ro re­ci­tal pú­bli­co, da­do aos 5 anos).

“Be­etho­ven ga­nhou a im­por­tân­cia que te­ve em mi­nha vi­da de­pois da mu­dan­ça pa­ra a Ale­ma­nha. E a ba­se do apren­di­za­do foi o co­nhe­ci­men­to pro­fun­do que Kempff ti­nha de sua obra. Na­que­les en­con­tros, eu co­me­cei de fa­to a en­ten­der, res­pei­tar, sa­ber co­mo de­ci­frar uma par­ti­tu­ra do com­po­si­tor, a sua his­tó­ria”, ela ex­pli­ca.

Ma­ria João Pi­res che­gou on­tem ao Bra­sil, on­de fa­rá uma sé­rie de re­ci­tais. Nes­ta ter­ça, 8, se apre­sen­ta na Sa­la São Pau­lo em prol da re­cons­tru­ção do Te­a­tro Cul­tu­ra Ar­tís­ti­ca; dia 9, to­ca na sé­rie da Dell’Ar­te no Te­a­tro Mu­ni­ci­pal do Rio; se­gue, en­tão, pa­ra o Ins­ti­tu­to Baía dos Ver­me­lhos, na Ilha­be­la, pa­ra uma se­ma­na de re­si­dên­cia ar­tís­ti­ca; e, no dia 26, to­ca no Pa­lá­cio das Ar­tes, em Belo Ho­ri­zon­te. Be­etho­ven a acom­pa­nha du­ran­te a vi­a­gem. De­le, vai to­car as so­na­tas n.º 8 e n.º 13 – e o pro­gra­ma se com­ple­ta com Cho­pin, de quem in­ter­pre­ta uma se­le­ção de no­tur­nos.

As­sim co­mo Be­etho­ven, Cho­pin é um com­pa­nhei­ro de lon­go tem­po na car­rei­ra de Ma­ria João Pi­res. Os dois têm im­por­tân­cia in­dis­cu­tí­vel em sua dis­co­gra­fia, em uma lis­ta à qual se so­mam Mo­zart, Schu­mann e Schu­bert. Com os cin­co, ela fez ma­ra­vi­lhas.

Co­men­tan­do sua lei­tu­ra do

Con­cer­to n.º 2 de Be­etho­ven, um crí­ti­co do jor­nal The Gu­ar­di­an fa­lou em uma ma­nei­ra de to­car “in­ti­mis­ta e re­ple­ta de nu­an­ces”. In­ti­mis­mo é, de fa­to, uma pa­la­vra-cha­ve em su­as lei­tu­ras – seu CD com o vi­o­lon­ce­lis­ta An­to­nio Me­ne­ses é um tes­te­mu­nho bem-aca­ba­do do que a mú­si­ca de câ­ma­ra tem a ofe­re­cer.

Ao mes­mo tem­po, ela é sem­pre ca­paz de sur­pre­en­der. No

New York Ti­mes, o crí­ti­co Al­lan Ko­zinn con­ta ter ido ou­vir um re­ci­tal com no­tur­nos de Cho­pin à es­pe­ra jus­ta­men­te de de­li­ca­de­za e ter saí­do do te­a­tro es­pan­ta­do com as “tem­pes­ta­des” que saíam do pi­a­no, ofe­re­cen­do uma lei­tu­ra re­ple­ta de con­tras­tes de obras cé­le­bres.

Há mui­tas crí­ti­cas e ad­je­ti­vos. Mas, nas úl­ti­mas dé­ca­das, Ma­ria João can­sou-se do pal­co. Ao lon­go da car­rei­ra, su­as ra­ras en­tre­vis­tas fa­lam do des­con­for­to em es­tar no pal­co. E, mais re­cen­te­men­te, re­sol­veu fa­zer al­go a res­pei­to. To­ca, mas ca­da vez me­nos. E pre­fe­re se de­di­car ao ensino – e a uma no­va pro­pos­ta de re­la­ção com a mú­si­ca.

“Es­tar em tur­nê é sem­pre um pou­co can­sa­ti­vo”, ela diz ao Es­ta­do em uma con­ver­sa na ma­nhã de do­min­go, por te­le­fo­ne, di­re­to de Bo­go­tá, on­de na noi­te de sá­ba­do fez o pri­mei­ro re­ci­tal des­sa vi­a­gem pe­la Amé­ri­ca La­ti­na. “Aqui, es­tou um pou­co ain­da afe­ta­da pe­la al­ti­tu­de, o que tor­na as coi­sas mais di­fí­ceis. Mas es­tou mui­to fe­liz de vol­tar ao Bra­sil, es­ta­va já com sau­da­de.” No iní­cio dos anos 2000, Ma­ria João Pi­res vi­veu nos ar­re­do­res de Sal­va­dor, na Bahia, an­tes de se ins­ta­lar na Suí­ça.

De vol­ta à Eu­ro­pa, fo­cou sua tra­je­tó­ria no ensino, for­man­do tur­mas das quais sa­em ar­tis­tas no­tá­veis, en­tre eles al­guns bra­si­lei­ros, co­mo Syl­via The­re­za e Le­o­nar­do Hils­dorf. E, nos úl­ti­mos dois anos, re­vi­veu o pro­je­to do Cen­tro de Mú­si­ca de Bel­gais, em Por­tu­gal, on­de a con­vi­vên­cia en­tre ar­tis­tas e o cam­po é o pon­to de par­ti­da pa­ra uma per­cep­ção di­fe­ren­te da ar­te e da mú­si­ca, com­par­ti­lha­da com o pú­bli­co.

É es­se es­pí­ri­to que ela pre­ten­de re­pro­du­zir em Ilha­be­la, no com­ple­xo cri­a­do há cin­co anos pa­ra apre­sen­ta­ções e tam­bém pa­ra re­si­dên­ci­as ar­tís­ti­cas. E, se não gos­ta par­ti­cu­lar­men­te de dar en­tre­vis­ta, so­bre o con­ta­to com jo­vens ela não pou­pa pa­la­vras.

“Trans­mi­tir co­nhe­ci­men­to é o me­lhor que há na vi­da. Mas não se tra­ta do pro­fes­sor que en­si­na o alu­no. O que bus­co é abrir um es­pa­ço na­tu­ral pa­ra que o diá­lo­go acon­te­ça. To­do mun­do apren­de. Não é uma au­la, é um en­con­tro, em que to­dos são li­vres.” Pa­ra a pi­a­nis­ta, o alu­no mui­tas ve­zes é to­ma­do por me­dos, do pi­a­no, do es­tu­do, da car­rei­ra, do fu­tu­ro. “Com me­do, no en­tan­to, não há pro­ces­so cri­a­ti­vo. E, sem pro­ces­so cri­a­ti­vo, não há ar­te”, ela ex­pli­ca.

O ob­je­ti­vo, en­tão, é cri­ar um es­pa­ço no qual “não há pen­sa­men­to fe­liz ou in­fe­liz”, um lo­cal “va­zio, que pos­sa ser pre­en­chi­do com nos­sa ver­da­dei­ra cri­a­ti­vi­da­de, por meio da con­vi­vên­cia e da acei­ta­ção e con­ta­to de ca­da um com sua ca­pa­ci­da­de”. “Não há hi­e­rar­qui­as, não há am­bi­ção, há ape­nas a ten­ta­ti­va de en­trar em con­ta­to com o as­pec­to mis­te­ri­o­so da ar­te, de es­ta­be­le­cer um ou­tro ti­po de con­ta­to com o nos­so uni­ver­so.”

Em Ilha­be­la, após uma se­ma­na de re­si­dên­cia, ela fa­rá um re­ci­tal ao la­do de seus alu­nos e de seu as­sis­ten­te na Cha­pel­le Mu­si­cal de Bru­xe­las, o pi­a­nis­ta sér­vio Mi­los Po­po­vic. E a con­ver­sa, en­tão, vol­ta a Be­etho­ven. Tal­vez por­que, na sua ma­nei­ra de ver a re­la­ção com a mú­si­ca, a ideia de uma jor­na­da pes­so­al é im­por­tan­te – e o mes­mo po­de-se pen­sar so­bre Be­etho­ven. Um exem­plo: su­as 32 so­na­tas pa­ra pi­a­no mos­tram jus­ta­men­te es­sa trans­for­ma­ção pes­so­al pe­la qual pas­sa o au­tor em sua vi­da.

“Não foi de pro­pó­si­to, mas to­car a oi­ta­va e a úl­ti­ma so­na­tas no re­ci­tal mos­tra exa­ta­men­te is­so”, ela afir­ma. Em se­gui­da, ques­ti­o­na­da so­bre o que a fas­ci­na no com­po­si­tor, ela faz uma pau­sa. “É tão di­fí­cil co­lo­car em pa­la­vras. Be­etho­ven é quem li­ga a ma­té­ria ao es­pí­ri­to. É quem nos mos­tra que po­de­mos vi­ver uma vi­da ma­te­ri­al e, ao mes­mo tem­po, vi­ver ide­ais mui­to for­tes. Há nis­so uma vi­são pro­fun­da do nos­so uni­ver­so, que não se ex­pli­ca, mas se sen­te. É aí que en­tra o gê­nio.”

‘Be­etho­ven é quem li­ga a ma­té­ria ao es­pí­ri­to e nos mos­tra que po­de­mos vi­ver uma vi­da ma­te­ri­al e, ao mes­mo tem­po, vi­ver ide­ais for­tes. Há nis­so uma vi­são pro­fun­da do nos­so uni­ver­so, que não se ex­pli­ca. Mas se sen­te. É aí que en­tra o gê­nio’

FELIX BROEDE/DG

Ma­ria João. ‘Com me­do, não há pro­ces­so cri­a­ti­vo’, diz a ar­tis­ta que, can­sa­da do pal­co, se de­di­ca ca­da vez mais ao ensino

MAR­COS D’PAULA/ESTADÃO - 13/3/2009

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.