Pei­xe fo­ra do car­du­me

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - HUMBERTO WERNECK ESCREVE ÀS TERÇAS-FEIRAS

Ou mui­to me en­ga­no (não, não me en­ga­no) ou já fa­lei aqui do frei Be­nig­no, car­me­li­ta que de be­nig­no não ti­nha na­da, ao con­trá­rio, até me­re­ce­ria ser cha­ma­do frei Ma­lig­no. Se vo­cê me leu, e se leu e se lem­bra (al­go ain­da mais im­pro­vá­vel, ca­paz de dei­xar qual­quer au­tor de ego rí­gi­do), te­rá al­gu­ma fa­mi­li­a­ri­da­de com o con­fes­sor em cu­jos ou­vi­dos, pe­lu­dos co­mo ni­nho de bei­ja-flor, um fu­tu­ro cro­nis­ta, en­tão ado­les­cen­te, ia des­pe­jar, se­ma­na sim ou­tra tam­bém, seu ca­mi­nhão­zi­nho de pe­ca­dos, a mai­o­ria de­les “mor­tais”, des­ses que, a crer no que lhe apli­ca­ram no ca­te­cis­mo, têm o po­der de en­car­dir a fun­do a al­ma de quem os co­me­te. Coi­sa do pas­sa­do, in­for­ma uma que­ri­da ami­ga, e con­ta que ho­je, quan­do se tra­ta de ze­rar as con­tas com o Cri­a­dor, bas­ta par­ti­ci­par de uma “con­fis­são co­mu­ni­tá­ria”, sem ne­ces­si­da­de de vo­ca­li­zar seus po­dres.

As­sim não era, in­fe­liz­men­te, no tem­po em que, no au­ge da cre­pi­ta­ção de meus hormô­ni­os, e sob pe­na de não po­der co­mun­gar, eu pre­ci­sa­va ou­vir a voz ma­ci­len­ta do Be­nig­no­com-as­pas, co­a­da pe­la tre­li­ça fi­na do con­fes­si­o­ná­rio, a me per­gun­tar, su­po­nho que de­sin­te­res­sa­da­men­te, se eu ti­nha pe­ca­do con­tra a cas­ti­da­de, quan­tas ve­zes, e, pa­ra hu­mi­lha­ção mai­or, se o fi­ze­ra so­zi­nho ou se acom­pa­nha­do. Ca­da pa­la­vra mi­nha era por ele re­ce­bi­da com um ge­mi­do, no in­te­ri­or da­que­la so­tur­na cai­xa de ma­dei­ra, co­mo se es­ti­ves­se, o ím­pio, a lhe es­pe­tar es­pi­nhos no al­vo co­ra­ção.

Na­da mais ten­do eu a con­fes­sar, vi­nha de lá, ago­ra em tom far­pa­do, a pres­cri­ção de uma pe­ni­tên­cia que a ca­da se­ma­na se tor­na­va mais pe­sa­da – em­bo­ra, cu­ri­o­sa­men­te, os pe­ca­dos se­guis­sem sen­do os mes­mos. Dez ave-ma­ri­as, de­pois um ter­ço in­tei­ro, mais adi­an­te os três ter­ços de um ro­sá­rio, a se­rem re­za­dos, não no au­to­má­ti­co, mas “com mui­to fer­vor” – que nem ma­car­ro­na­das, com­pa­ra­va eu, que só po­dem vir à me­sa se re­ga­das com su­fi­ci­en­te mo­lho.

O in­cre­men­to da pe­na era pro­ble­ma adi­ci­o­nal pa­ra quem op­ta­ra por se con­fes­sar du­ran­te a missa, na es­pe­ran­ça de se ha­bi­li­tar à co­mu­nhão lo­go em se­gui­da. O tem­po en­tre o vai-com-Deus com que o Ma­lig­no me des­pa­cha­va, e a re­cep­ção da hós­tia sa­gra­da das mãos do ce­le­bran­te, foi fi­can­do ca­da vez mais in­su­fi­ci­en­te pa­ra tan­ta re­za, a não ser que eu a agi­li­zas­se o pro­ces­so – o que não che­guei a fa­zer – re­cor­ren­do às as­pas, ao idem e ao et­cé­te­ra.

Ti­ve que re­nun­ci­ar, tam­bém, ao per­fec­ci­o­nis­mo de quem, no co­me­ço, mal ten­do aban­do­na­do o con­fes­si­o­ná­rio, a ele re­tor­na­va pa­ra des­pe­jar mal­fei­tos es­que­ci­dos na pri­mei­ra ro­da­da, ou sim­ples­men­te pa­ra bu­ri­lar re­la­tos, acres­cen­tan­do-lhe por­me­no­res pe­ca­mi­no­sos – co­mo faz um ca­ma­ra­da de mi­nhas relações, da­do a ator­men­tar a ro­ti­na de seus edi­to­res ao lhes en­vi­ar, com o avi­so “va­le es­ta!”, ver­sões re­to­ca­das de es­cri­tos en­tre­gues mi­nu­tos an­tes.

Em da­do mo­men­to, pas­sei a co­mun­gar por con­ta, dei­xan­do pa­ra de­pois a pe­ni­tên­cia. Mas es­se de­pois, lá fo­ra, era qua­se sem­pre um im­pe­ri­o­so do­min­go de sol, a me so­li­ci­tar com su­as ten­ta­ções ter­re­ais. Co­mo re­sis­tir? Pa­ra não cair nas ma­lhas de al­gum Se­ra­sa da al­ma, ti­ve en­tão a ideia de ano­tar num ca­der­ni­nho as pe­ni­tên­ci­as, com­pro­me­ten­do-me a pa­gá-las tão lo­go me fos­se pos­sí­vel. Sen­tia-me as­sim par­ci­al­men­te ab­sol­vi­do, co­mo se le­vas­se na ca­ne­la uma mo­da­li­da­de es­pi­ri­tu­al de tor­no­ze­lei­ra ele­trô­ni­ca. Mas a tal mon­ta su­biu meu dé­bi­to com os Céus, que, um dia, por cer­to co­me­ten­do pe­ca­do adi­ci­o­nal, re­sol­vi de­cla­rar mo­ra­tó­ria.

Con­ser­vei por al­gum tem­po ain­da, inu­ma­do nas pro­fun­das do guar­da-rou­pa, o ca­der­ni­nho do meu de­ve-e-ha­ver, ou me­lhor, de meu de­ve-e-de­ve, até me dar con­ta de que, mes­mo den­tro de uma cai­xa de sa­pa­tos, ele se­guia afer­ro­an­do mi­nha cons­ci­ên­cia de ina­dim­plen­te. Um dia, por fim, to­quei fo­go ne­le, de­pois de me dar con­ta de que a far­tu­ra de ora­ções que meus pais e avós vi­nham re­zan­do por mim, des­de o nas­ci­men­to, in­vi­a­bi­li­za­va por com­ple­to qual­quer pos­si­bi­li­da­de de vir a ar­der nos cal­dei­rões do In­fer­no. Per­di a fé re­li­gi­o­sa, mas nis­to si­go acre­di­tan­do.

* A que vêm es­tas em­po­ei­ra­das lem­bran­ças? Sua su­bi­da à to­na tem a ver com a cons­ci­ên­cia plúm­bea de quem já se jul­ga­va imu­ni­za­do con­tra ve­lhos sen­ti­men­tos de cul­pa, su­pos­ta­men­te dis­sol­vi­dos em so­fri­das ses­sões de te­ra­pia e aná­li­se – e que, no en­tan­to, ho­je se vê em fal­ta com um car­du­me de pa­ren­tes, ami­gos e até des­co­nhe­ci­dos, aos quais, nem sem­pre por von­ta­de pró­pria, aca­bou ema­ra­nha­do nas re­des so­ci­ais. Pa­ra dar con­ta da alu­vião de men­sa­gens que por ali me che­gam no es­pa­ço de um dia, pre­ci­sa­ria dis­por de ou­tras 24 ho­ras.

De to­dos es­ses re­me­ten­tes me sin­to de­ve­dor de al­gu­ma coi­sa – uma fra­se, uma pa­la­vra, um emo­ji que se­ja. Ani­ver­sá­ri­os que pas­sa­ram sem meus pa­ra­béns, agra­dos que dei­xei sem agra­de­ci­men­to, ope­ra­ções de amíg­da­las ou va­ri­zes que não te­ri­am en­con­tra­do em mim um eco so­li­dá­rio, até mes­mo far­pas ou de­sa­fo­ros que não ar­ran­ca­ram aqui o es­pe­ra­do tro­co.

É exas­pe­ra­dor o plim do ce­lu­lar, ou­vi­do a qual­quer mo­men­to do dia e da noi­te, ao sa­bor das mais va­ri­a­das insô­ni­as alhei­as, dos mais dis­pa­ra­ta­dos fu­sos ho­rá­ri­os, as­sim co­mo a te­la que se acen­de a ca­da men­sa­gem que che­ga – eis aí uma ava­lan­che de ma­ni­fes­ta­ções que em bre­ve aca­ba­rá por me pre­ci­pi­tar em no­va mo­ra­tó­ria.

Em bre­ve, não: já. Apro­vei­to a mu­dan­ça de pa­rá­gra­fo pa­ra jo­gar a to­a­lha, não sem dei­xar pe­di­do de des­cul­pas a tan­tas e tan­tos com quem, no re­al ou na ima­gi­na­ção cul­pa­da, me sin­to em fal­ta. Pei­xe pou­co à von­ta­de nas re­des em que me dei­xei cap­tu­rar, po­nho-me de jo­e­lhos no mi­lho ele­trô­ni­co, e fa­ço sa­ber, a quem por­ven­tu­ra se dê con­ta de­le, que meu si­lên­cio vir­tu­al não é omis­são nem pou­co ca­so.

É que an­do, co­mo se diz em Mi­nas, aper­ta­do de cos­tu­ra – ex­pres­são que ja­mais ou­vi pro­nun­ci­a­da em São Pau­lo, no qua­se meio sé­cu­lo em que vi­vo aqui. Ten­to mais uma vez: vo­cê vai à cos­tu­rei­ra, pe­dir bar­ra no ves­ti­do ou cal­ça, e ela faz sa­ber que nes­se pra­zo não vai dar, pois es­tá – ges­to abran­gen­do as pra­te­lei­ras api­nha­das – aper­ta­da de cos­tu­ra. Fa­zer o quê? De­vo, não ne­go, pa­ga­rei um dia, as­sim que es­ti­ver mais le­ve a bar­ra, aque­la que não é da cal­ça ou do ves­ti­do.

De­sa­fio: não dei­xar sem res­pos­ta a ava­lan­che que nos che­ga pe­las re­des so­ci­ais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.