Cri­an­ça a bor­do

Aé­rea avi­sa quan­do há cri­an­ças no as­sen­to ao la­do. Po­de is­so?

O Estado de S. Paulo - - Viagem - MÔNICA NOBREGA

Na se­ma­na pas­sa­da a com­pa­nhia aé­rea Ja­pan Air­li­nes, a JAL, lan­çou um sis­te­ma de re­ser­va de as­sen­tos que mar­ca com um íco­ne de ca­ri­nha de be­bê os lu­ga­res se­le­ci­o­na­dos por pes­so­as com cri­an­ças de co­lo. Vo­cê com­pra sua pas­sa­gem. Vê no ma­pa de as­sen­tos em quais pol­tro­nas vo­a­rão os be­bês. Es­co­lhe a sua o mais lon­ge pos­sí­vel. E tor­ce pa­ra que ne­nhu­ma fa­mí­lia que che­gar de­pois re­ser­ve as­sen­tos ao seu re­dor.

É mais um ca­pí­tu­lo do des­gas­ta­do, mas atu­al de­ba­te so­bre um cer­to di­rei­to ao sos­se­go que muitos pas­sa­gei­ros de avião ju­ram que têm. Di­zem que be­bês cho­ram, cri­an­ças gri­tam, chu­tam pol­tro­nas, de­vo­ram cé­re­bros com co­lher­zi­nha. Tu­do is­so sob os olha­res de pais e mães in­com­pe­ten­tes, in­ca­pa­zes de con­ter a fú­ria de seus pe­que­nos sel­va­gens.

(En­quan­to is­so, adul­tos ti­ram os sa­pa­tos, es­pa­lham chu­lé, exa­ge­ram no per­fu­me, fa­lam al­to, ron­cam e nin­guém re­cla­ma. Mas es­se é ou­tro as­sun­to, so­bre o qual tam­bém já es­cre­vi.)

A JAL nem é a pri­mei­ra aé­rea a ten­tar acal­mar os po­bres vi­a­jan­tes es­tres­sa­dos pe­la pre­sen­ça de mi­nihu­ma­nos. Ao me­nos ou­tras qua­tro com­pa­nhi­as têm em seus vo­os fi­lei­ras de pol­tro­nas que não acei­tam me­no­res de 12 anos. As “zo­nas li­vres de cri­an­ças” exis­tem na Ma­lay­sia Air­li­nes, na AirA­sia, na Sco­ot Air­li­nes e na In­diGo. To­das asiá­ti­cas (e pou­co re­le­van­tes pa­ra a vi­da do pas­sa­gei­ro bra­si­lei­ro), co­mo a pró­pria JAL.

Eu sin­to mui­to por vo­cê que vai con­ti­nu­ar ten­do de su­por­tar es­sa con­vi­vên­cia. E, co­mo não adi­an­ta lem­brar que cri­an­ças são pes­so­as co­mo to­das as ou­tras, com os mes­mos di­rei­tos (in­clu­si­ve ao res­pei­to), vou enu­me­rar coi­sas que tal­vez aju­dem vo­cê a se acal­mar (ou não). Co­mo se diz: tra­go ver­da­des.

Não exis­te is­so de área si­len­ci­o­sa. As fi­lei­ras po­dem até re­jei­tar cri­an­ças. Mas não têm iso­la­men­to acús­ti­co. Se um be­bê cho­rar em al­gum lu­gar do avião, vo­cê vai es­cu­tar.

Vo­os sem cri­an­ças não vão ocor­rer tão ce­do. Ne­nhu­ma com­pa­nhia aé­rea vai en­ca­rar es­se des­gas­te de ima­gem. Po­de ano­tar aí. Os tais dis­cur­sos “con­tra o po­li­ti­ca­men­te cor­re­to” só en­con­tram adep­tos en­tre po­lí­ti­cos fa­las­trões e seus se­gui­do­res abo­ba­dos. O mer­ca­do não vai co­me­ter es­se er­ro es­tra­té­gi­co. As aé­re­as ame­ri­ca­nas e eu­ro­pei­as nem se­quer se ani­mam a im­plan­tar as “zo­nas li­vres de cri­an­ças”.

Sua reu­nião vai dar cer­to. No mun­do to­do, to­dos os di­as, pes­so­as vão tra­ba­lhar, fa­zem reu­niões e to­mam de­ci­sões mor­tas de can­sa­ço. Não vai ser uma noi­te mal dor­mi­da no avião que vai im­pe­dir vo­cê de fa­zer o que de­ve. Se a ques­tão é tra­ba­lhar a bor­do, são mui­tas as dis­tra­ções que não de­pen­dem da pre­sen­ça de cri­an­ças: o pe­ga e guar­da de gad­gets en­tre de­co­la­gem e pou­so, a re­fei­ção, o acen­de-apa­ga de lu­zes, os avi­sos da tri­pu­la­ção, o co­le­ga de pol­tro­na pe­din­do li­cen­ça pa­ra ir ao ba­nhei­ro. Apren­da a li­dar.

O so­no no avião é sem­pre ruim. De no­vo, não por cul­pa das cri­an­ças a bor­do. Mes­mo na exe­cu­ti­va ou na pri­mei­ra clas­se, em pol­tro­nas que vi­ram ca­ma, o ar é se­co, a sa­li­va en­gros­sa, o na­riz en­to­pe, as tur­bu­lên­ci­as des­per­tam.

Be­bês es­tão mais in­co­mo­da­dos que vo­cê. O mo­ti­vo mais fre­quen­te é a pres­são nos ou­vi­dos. Tam­bém cho­ram de me­do do am­bi­en­te es­tra­nho, de can­sa­ço pe­la imo­bi­li­da­de. São mo­ti­vos pe­los quais vo­cê tam­bém cho­ra­ria, se pu­des­se.

Ne­nhu­ma cri­an­ça cho­ra o voo in­tei­ro. Só se for um voo cur­ti­nho, 50 mi­nu­tos até Belo Ho­ri­zon­te, Rio de Ja­nei­ro, Cu­ri­ti­ba. Em tra­je­tos lon­gos, os pe­que­nos cho­ram e pa­ram, vol­tam a cho­rar, pa­ram de no­vo. Não é agra­dá­vel (nem pa­ra os pais), mas um pou­co de pa­ci­ên­cia, em­pa­tia e seus fo­nes de ou­vi­do re­sol­vem. Ca­ra feia e gros­se­ria, não.

Nin­guém é obri­ga­do. Sa­bia que, no li­mi­te, vo­cê po­de nun­ca pe­gar um avião? Po­de pro­cu­rar ou­tro em­pre­go, só vi­a­jar de car­ro. O que não po­de, nas de­mo­cra­ci­as, é que­rer mais di­rei­tos pa­ra vo­cê e me­nos pa­ra os ou­tros.

A ver­bor­ra­gia con­tra cri­an­ças é dis­cur­so de ódio. E a dis­cri­mi­na­ção, pa­ra os se­res hu­ma­nos de­cen­tes, é ina­cei­tá­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.