Car­ta­ge­na En­can­tos den­tro e fo­ra dos mu­ros

O Estado de S. Paulo - - Viagem -

Na mi­nha pri­mei­ra tar­de em Car­ta­ge­na, apro­vei­tei a chu­vi­nha pa­ra sair do in­te­ri­or da mu­ra­lha. A pri­mei­ra pa­ra­da foi o Cas­te­lo San Felipe de Ba­ra­jas, a pou­co mais de um quilô­me­tro da Tor­re do Re­ló­gio e, as­sim co­mo a ci­da­de amu­ra­lha­da, con­si­de­ra­do pa­trimô­nio da hu­ma­ni­da­de pe­la Unes­co.

O ca­mi­nho até lá pas­sa por uma re­gião mais ur­ba­ni­za­da de Car­ta­ge­na, com su­per­mer­ca­dos, co­mér­ci­os de mé­dio por­te e afins, que con­tras­tam com a for­ta­le­za de qua­se 400 anos de his­tó­ria que ocu­pa uma qua­dra in­tei­ra, cir­cun­da­da por mu­ros e ca­nhões.

O in­gres­so cus­ta 25 mil pe­sos co­lom­bi­a­nos (cer­ca de R$ 30) e dá aces­so a pra­ti­ca­men­te to­das as es­tru­tu­ras do for­te. A su­bi­da é por uma ram­pa que leva até um dos mi­ran­tes, mas há ou­tras tan­tas es­ca­das, por­ti­nhas e tú­neis es­cu­ros pa­ra co­nhe­cer, o que cos­tu­ma pro­lon­gar a vi­si­ta por uma ou du­as ho­ras.

Do for­te, avis­tei o que pa­re­cia uma pe­que­na igre­ja bran­ca no to­po de um mor­ro, mas que sa­bia se tra­tar do Con­ven­to San­ta Cruz de La Po­pa, que al­guns di­zem ser a vis­ta mais bo­ni­ta de Car­ta­ge­na. Pe­guei um tá­xi até o lo­cal com o com­bi­na­do de o mo­to­ris­ta me es­pe­rar pa­ra o re­tor­no (o que é de pra­xe por lá).

Pa­guei os cer­ca de R$ 15 de in­gres­so, su­bi as es­ca­das e me de­pa­rei com o mi­ran­te. In­fe­liz­men­te, o dia es­ta­va nu­bla­do e não pu­de avis­tar o fa­mo­so pôr do sol do con­ven­to. Ca­mi­nhei pe­lo en­tor­no da cons­tru­ção, en­trei no jar­dim, ob­ser­vei os que ora­vam di­an­te do al­tar. O nú­me­ro de vi­si­tan­tes não era tão gran­de quan­to o do Cas­te­lo.

On­de cur­tir a noi­te. Quan­do saí no­va­men­te pe­la ci­da­de amu­ra­lha­da, as ru­as es­ta­vam ain­da mais chei­as – as pes­so­as apro­vei­tam a tré­gua do ca­lo­rão pro­por­ci­o­na­da pe­la noi­te. Me en­ca­mi­nhei pa­ra Get­se­ma­ní, bair­ro boê­mio que en­trou no gos­to dos tu­ris­tas mais mo­der­ni­nhos. Ele fi­ca a cer­ca de 10 mi­nu­tos a pé da Tor­re do Re­ló­gio, com so­bra­dos an­ti­gos, ba­res e mui­ta gen­te na rua, en­tre lo­cais e vi­a­jan­tes, dan­do con­ti­nui­da­de à sa­la­da de idi­o­mas de Car­ta­ge­na.

A ou­tra op­ção no­tur­na são os ba­res e res­tau­ran­tes da ci­da­de amu­ra­lha­da, que reú­nem gas­tro­no­mia de ori­gens di­ver­sas, as­sim co­mo a mú­si­ca. Não quer gas­tar, co­mer ou be­ber? Ca­mi­nhe um pou­co, pas­se pe­las pra­ças e ou­ças as mú­si­cas que vêm de den­tro dos ba­res e dos ar­tis­tas de rua. Pres­te aten­ção na via pa­ra des­vi­ar das char­re­tes e cur­ta quan­do al­guém pas­sar can­tan­do Ro­bar­te un Be­so ou ou­tro su­ces­so do Car­los Vi­ves.

An­tes de par­tir. Re­ser­vei um dia pa­ra ir às prai­as (leia mais no tex­to ao la­do). Mas, an­tes de par­tir, de­di­quei a úl­ti­ma ma­nhã em Car­ta­ge­na a um dos lu­ga­res que mais gos­to de co­nhe­cer em vi­a­gens: te­a­tros – no ca­so, o Adol­fo Me­jía (tam­bém co­nhe­ci­do co­mo He­re­dia). In­fe­liz­men­te, não con­se­gui en­cai­xar o ro­tei­ro com al­gum even­to da (res­tri­ta) pro­gra­ma­ção, mas apro­vei­tei uma vi­si­ta gui­a­da par­ti­cu­lar. O cus­to é de cer­ca de R$ 15.

Inau­gu­ra­do em 1911 em es­ti­lo eu­ro­peu, o te­a­tro tem sa­ca­das de ce­dro e es­cul­tu­ras em már­mo­re ita­li­a­no. A vi­si­ta co­me­ça por uma en­tra­da la­te­ral. Su­bo uma es­ca­da, dou al­guns pas­sos e tcha­ram: es­tou so­bre o pal­co. Si­go so­bre a es­tru­tu­ra de ma­dei­ra e per­ce­bo es­tar de­bai­xo dos afres­cos de an­jos pin­ta­dos pe­lo pa­na­me­nho En­ri­que Grau. Ca­mi­nho en­tre os ban­cos e su­bo pa­ra os me­za­ni­nos, com de­ta­lhes em ma­dei­ra e ve­lu­do, en­quan­to ou­ço a guia con­tar so­bre os ca­sa­men­tos que fa­mí­li­as abas­ta­das fa­zem ali.

Após su­bir to­dos os ní­veis, des­ço e dou uma úl­ti­ma olha­da pa­ra o te­a­tro, em for­ma de fer­ra­du­ra. Si­go até a es­ca­da­ria prin­ci­pal e, por fim, guar­do al­guns mi­nu­tos pa­ra ob­ser­var a fa­cha­da, em ro­sa cla­ro e tons pas­téis, que se des­ta­ca pe­la so­bri­e­da­de em com­pa­ra­ção ao colorido car­ta­ge­no.

FO­TOS PRIS­CI­LA MEN­GUE/ESTADÃO

Ca­ma­ro­te. Pú­bli­co bus­ca o me­lhor lu­gar nas mu­ra­lhas pa­ra cur­tir o pôr do sol

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.