Me­del­lín No­vos ares

Em bus­ca de dei­xar pa­ra trás a vi­o­lên­cia do pas­sa­do, ci­da­de exi­be ar­qui­te­tu­ra re­no­va­da e mu­seus con­vi­da­ti­vos

O Estado de S. Paulo - - Viagem -

Mal che­guei a Me­del­lín, dei­xei a ba­ga­gem no quar­to e fui co­nhe­cer o bair­ro El Po­bla­do, uma ver­são de Pi­nhei­ros ou Pa­ler­mo co­lom­bi­a­nas, pa­ra fi­car nos exem­plos pau­lis­ta­no e por­te­nho.

El Po­bla­do é um gran­de dis­tri­to de clas­se mé­dia, com im­por­tan­tes ave­ni­das, lo­jas, su­per­mer­ca­dos, es­cri­tó­ri­os, me­trô (es­ta­ção Po­bla­do). A com­pa­ra­ção tam­bém tem ou­tro mo­ti­vo: o nú­cleo jo­vem/des­co­la­do/hips­ter, que em vez de cir­cu­lar pe­lo ei­xo da Rua dos Pi­nhei­ros ou de Pa­ler­mo Soho, se es­pa­lha pe­la Par­que Lle­ras, abran­gen­do al­gu­mas qua­dras com gra­fi­tes, va­rais de lu­zi­nhas e pa­re­des ins­ta­gra­má­veis.

O mo­vi­men­to é fre­quen­te du­ran­te to­do o dia, mas as ru­as são to­ma­das de grin­gos e jo­vens lo­cais a par­tir das 18 ho­ras e se es­ten­de noi­te aden­tro. Es­sa at­mos­fe­ra faz par­te des­sa no­va Me­del­lín, que bus­ca re­cri­ar aque­la que já foi a ci­da­de mais vi­o­len­ta do mun­do. A ci­da­de é re­ple­ta de gran­des obras que pa­re­cem ter saí­do da pran­che­ta de al­gum ar­qui­te­to re­no­ma­do.

São muitos pro­je­tos re­cen­tes im­pres­si­o­nan­tes, mas ra­ras as cons­tru­ções an­ti­gas. En­tre as ex­ce­ções es­tá o Mu­seo de Ar­te Mo­der­no (el­mamm.or), cu­ja se­de une uma an­ti­ga usi­na si­de­rúr­gi­ca da dé­ca­da de 1938 a uma edi­fi­ca­ção inau­gu­ra­da em 2015, com es­té­ti­cas com­ple­ta­men­te dis­tin­tas. Além da ar­qui­te­tu­ra em si, as ex­po­si­ções do es­pa­ço tra­zem ar­tis­tas la­ti­nos e de fo­ra do con­ti­nen­te. In­gres­so a R$ 15 – grá­tis na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra do mês.

Bo­te­ros por to­da par­te. Mi­nha pa­ra­da se­guin­te já foi na re­gião central, mas não em um pon­to tu­rís­ti­co. A Pra­ça San An­to­nio não cha­ma a aten­ção de vi­a­jan­tes, mas é sim­bó­li­ca ao se pen­sar nas mu­dan­ças da Colôm­bia. Ali, em 1995, um aten­ta­do a bom­ba dei­xou 29 mor­tos e des­truiu par­ci­al­men­te a es­cul­tu­ra El Pá­ja­ro, de Fer­nan­do Bo­te­ro. Tem­pos de­pois, o ar­tis­ta, nas­ci­do em Me­del­lín, do­ou uma no­va ver­são da pe­ça, que foi co­lo­ca­da do la­do da an­ti­ga, co­mo uma for­ma de mos­trar o pas­sa­do e o fu­tu­ro do País.

Mais al­guns mi­nu­tos de ca­mi­nha­da e vol­tei a en­con­trar a obra de Bo­te­ro, des­sa vez na pra­ça que leva o no­me do ar­tis­ta e na qual es­tão dis­tri­buí­das mais de 20 pe­ças de bron­ze de al­guns me­tros de al­tu­ra, com as pro­por­ções vo­lu­mo­sas tí­pi­cas do au­tor.

A pra­ça fi­ca en­tre ou­tras du­as atra­ções da re­gião: o Pa­lá­cio da Cul­tu­ra Ra­fa­el Uri­be Uri­be e o Mu­seu de An­ti­o­quia. O pri­mei­ro é um gran­de pré­dio qua­se cen­te­ná­rio de es­ti­lo gó­ti­co e cha­ma­ti­vo pe­la com­bi­na­ção de du­as co­res. Com en­tra­da gra­tui­ta, ele dá aces­so a mi­ran­tes pa­ra a re­gião central, dos quais se des­ta­ca um jun­to às cú­pu­las e com vis­ta pa­ra um gra­fi­te na em­pe­na de um pré­dio fei­to a par­tir de uma pin­tu­ra de… Bo­te­ro. Fi­que de olho na pro­gra­ma­ção do Pa­lá­cio, que cos­tu­ma re­ce­ber ex­po­si­ções, ofi­ci­nas e mos­tras de ci­ne­ma.

Já no Mu­seu de An­ti­o­quia as­sis­ti a um con­cer­to gra­tui­to com a or­ques­tra sinfô­ni­ca lo­cal no fim da tar­de. An­tes, fiz a vi­si­ta gui­a­da (sem­pre às 14h), que per­cor­re uma par­te das sa­las de ex­po­si­ção. Ao fim do pas­seio, o vi­si­tan­te po­de ex­plo­rar o res­tan­te do lo­cal, tu­do pe­lo va­lor do in­gres­so (cer­ca de R$ 22).

O mu­seu leva o no­me de An­ti­o­quia, de­par­ta­men­to em que es­tá Me­del­lín, mas tem ares de “mu­seu Bo­te­ro” pe­las de­ze­nas de obras que o au­tor do­ou pa­ra a ins­ti­tui­ção e que ocu­pam uma sa­la in­tei­ra. O acer­vo traz, ain­da, obras de ar­te con­tem­po­râ­nea e dos sé­cu­los pas­sa­dos, além de ar­te­fa­tos ar­que­o­ló­gi­cos e ar­te­sa­nais co­lom­bi­a­nos.

Jar­dim Bo­tâ­ni­co e ar­re­do­res.

No dia se­guin­te, par­ti pa­ra o Jar­dim Bo­tâ­ni­co. Com en­tra­da franca, o es­pa­ço é uma es­pé­cie de par­que de la­zer e ati­vi­da­des es­por­ti­vas. A par­te mais esperada pa­ra mim era o or­qui­dá­rio, cu­jo pro­je­to ar­qui­tetô­ni­co pa­re­ce flu­tu­ar, lem­bran­do gran­des ba­lões qua­dra­dos ou uma col­meia. En­quan­to ten­ta­va uma sel­fie, de­ze­nas de pes­so­as fa­zi­am io­ga.

Ali per­to es­tão ou­tras das gran­des atra­ções de Me­del­lín: o Par­que Ex­plo­ra, um mu­seu na­tu­ral in­te­ra­ti­vo e tec­no­ló­gi­co que abri­ga tam­bém um aquário. A en­tra­da cus­ta cer­ca de R$ 35, mas che­ga a R$ 50 se com­bi­na­da com o pla­ne­tá­rio, do ou­tro la­do da rua, on­de tam­bém fi­ca o Par­que de Los De­se­os.

Par­ti, en­tão, pa­ra o Mu­seo Ca­sa de la Me­mo­ria, ou­tro dos pro­je­tos ar­qui­tetô­ni­cos re­cen­tes, vol­ta­do à memória dos que mor­re­ram ou se opu­se­ram aos con­fli­tos ar­ma­dos na re­gião. O es­pa­ço reú­ne uma sé­rie de tec­no­lo­gi­as in­te­ra­ti­vas pa­ra aces­sar o acer­vo de de­poi­men­tos, notícias e re­gis­tros, dan­do ros­to e voz a quem tes­te­mu­nhou cen­te­nas de mor­tes. Pa­ra a ex­pe­ri­ên­cia ser mais com­ple­ta (e to­can­te), re­co­men­do bai­xar o apli­ca­ti­vo, que, as­sim co­mo o in­gres­so, é gra­tui­to.

En­cer­rei a tar­de na Pla­za de los Pi­es Des­cal­zos, on­de os vi­si­tan­tes são con­vi­da­dos a an­dar sem cal­ça­dos. Na prá­ti­ca, a mai­o­ria dos adep­tos são cri­an­ças, mas o es­pa­ço é tran­qui­lo e pró­xi­mo a ca­fés e res­tau­ran­tes.

FO­TOS PRIS­CI­LA MEN­GUE/ESTADÃO

Con­tras­tes. O fu­tu­ris­ta Jar­dim Bo­tâ­ni­co, no al­to; 700 de­graus pa­ra che­gar ao to­po da Pi­e­dral del Peñol; e os zó­ca­los de Gu­a­ta­pé

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.