Pres­são ex­ces­si­va cau­sa trans­tor­nos

Pe­sa­da car­ga de es­tu­dos, me­do de não con­se­guir en­trar pa­ra a fa­cul­da­de e in­de­ci­são so­bre a car­rei­ra po­dem le­var a pro­ble­mas de saú­de. Pa­pel de pais e pro­fes­so­res é im­por­tan­te pa­ra di­mi­nuir co­bran­ças

O Estado de S. Paulo - - Edu -

Aro­ti­na de es­tu­dos, o me­do de não con­se­guir a va­ga de­se­ja­da e a in­cer­te­za na es­co­lha da pro­fis­são são fa­to­res que, se não fo­rem con­tro­la­dos pe­los es­tu­dan­tes, po­dem pro­vo­car trans­tor­nos e até do­en­ças. O sor­ri­so na fo­to não mos­tra, mas Iza­bel­la Nas­ci­men­to, de 19 anos, é uma das mui­tas es­tu­dan­tes que ho­je pas­sam por es­sa fa­se cheia de pres­sões. Com o ob­je­ti­vo de en­trar em Me­di­ci­na, ela de­di­ca a mai­or par­te do dia pa­ra es­tu­dar e fa­zer si­mu­la­dos do cur­si­nho, que, se­gun­do ela, é bem exi­gen­te com os alu­nos. “Há pou­co tem­po co­me­cei a de­sen­vol­ver an­si­e­da­de. Pas­sa­va noi­tes in­tei­ras sem dor­mir pen­san­do que mi­nha vi­da pro­fis­si­o­nal de­pen­de de qua­tro ou cin­co ho­ras de pro­va. Es­tu­do mui­to, mas e se eu não pas­sar? Se me der um bran­co na ho­ra?”

Ape­sar da co­bran­ça ex­te­ri­or, Iza­bel­la afir­ma que a pres­são mai­or, mui­tas ve­zes, não vem nem do cur­si­nho nem da fa­mí­lia. “Eu me co­bro de­mais. A mi­nha fa­mí­lia me apoia, eu me de­di­co no cur­si­nho, mas sem­pre acho que não es­tou fa­zen­do o su­fi­ci­en­te”, con­ta. Pa­ra ten­tar mu­dar es­se com­por­ta­men­to, Iza­bel­la bus­cou aju­da mé­di­ca. Em vez de usar me­di­ca­men­tos, pro­cu­rou um tra­ta­men­to com flo­rais. Es­sas es­sên­ci­as fun­ci­o­nam co­mo te­ra­pia com­ple­men­tar con­tra do­en­ças e de­se­qui­lí­bri­os emo­ci­o­nais e po­dem ser usa­das com a re­co­men­da­ção de um pro­fis­si­o­nal de Saú­de.

Pa­ra quem tem di­fi­cul­da­de em equi­li­brar a pre­pa­ra­ção pa­ra as pro­vas com su­as ne­ces­si­da­des fí­si­cas e men­tais, a ori­en­ta­ção é bus­car a aju­da de um pro­fis­si­o­nal, co­mo psi­có­lo­go ou psi­qui­a­tra “É mui­to im­por­tan­te ten­tar se or­ga­ni­zar com a ro­ti­na de es­tu­dos, não dei­xar mui­tas coi­sas acu­mu­la­das, fa­zer ati­vi­da­des fí­si­cas, cui­dar do so­no e da ali­men­ta­ção”, re­co­men­da Fer­nan­da Mar­ques Sa­rai­va, psi­qui­a­tra es­pe­ci­a­li­za­da em in­fân­cia e ado­les­cên­cia. Ou­tro re­cur­so im­por­tan­te pa­ra evi­tar pro­ble­mas po­de ser con­ver­sar: “ter um bom diá­lo­go com os pais, sa­ber ex­por su­as an­gús­ti­as e di­fi­cul­da­des, ou pro­cu­rar um psi­có­lo­go ou ou­tro pro­fis­si­o­nal se ne­ces­sá­rio”, diz Fer­nan­da.

A mé­di­ca con­ta que, nos úl­ti­mos anos, tem aten­di­do mais ado­les­cen­tes com an­si­e­da­de, sín­dro­me do pâ­ni­co e de­pres­são. “A fal­ta de so­no, que dá ori­gem a ou­tras de­sor­dens e ao es­tres­se, aca­ba le­van­do a to­das es­sas do­en­ças”, ex­pli­ca. “O jo­vem ho­je tem mui­to des­se ime­di­a­tis­mo, de que­rer tu­do pa­ra on­tem, e não é bem as­sim. Ele tem de pen­sar que não é por­que da pri­mei­ra vez deu er­ra­do que vai ser as­sim pa­ra sem­pre.”

Di­an­te dis­so, o in­cen­ti­vo de pais e pro­fes­so­res po­de aju­dar mui­to. Se­gun­do a mé­di­ca, é im­por­tan­te que a fa­mí­lia con­ver­se com o jo­vem pa­ra ti­rar o ex­ces­so de co­bran­ça e pa­ra cri­ar uma ro­ti­na equi­li­bra­da de es­tu­dos. Já os pro­fes­so­res po­dem aju­dar com ori­en­ta­ção vo­ca­ci­o­nal e fa­zen­do com que os alu­nos en­ten­dam que o pro­ces­so pre­ci­sa ser le­va­do do mo­do mais le­ve pos­sí­vel. “É im­por­tan­te cri­ar um es­pa­ço no qual o es­tu­dan­te pos­sa se ex­pres­sar, fa­lar de su­as an­gús­ti­as e di­fi­cul­da­des”, diz Fer­nan­da. / L.R.

Pas­sa­va noi­tes in­tei­ras sem dor­mir pen­san­do que mi­nha vi­da pro­fis­si­o­nal de­pen­de de qua­tro ou cin­co ho­ras de pro­va. Es­tu­do mui­to, mas e se eu não pas­sar? Iza­bel­la Nas­ci­men­to, que quer Me­di­ci­na e pas­sou a ter cri­ses de an­si­e­da­de

LA­RIS­SA MA­CHA­DO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.