Abor­da­gem ho­lís­ti­ca

Pro­fis­si­o­nal de Saú­de li­da com de­sa­fio de in­te­grar no­vas tec­no­lo­gi­as ao tra­ba­lho, sem dei­xar de la­do o aten­di­men­to hu­ma­no. Aces­so à in­for­ma­ção po­de aju­dar po­pu­la­ção a en­ten­der im­por­tân­cia de se cui­dar

O Estado de S. Paulo - - Edu -

Ho­je con­si­de­ra­do es­sen­ci­al nos cur­sos de Saú­de, o aten­di­men­to in­te­gral e hu­ma­ni­za­do ga­nha um im­pul­so com no­vas tec­no­lo­gi­as. Pa­ra que am­bos se com­ple­men­tem, ao in­vés de se ex­cluir, as fa­cul­da­des pre­ci­sam pre­pa­rar alu­nos com ba­se em prin­cí­pi­os éti­cos, ca­pa­ci­da­de de di­fe­ren­ci­ar in­for­ma­ções ver­da­dei­ras e fal­sas e mui­to co­nhe­ci­men­to da re­a­li­da­de em que vão atu­ar.

Se­gun­do o co­or­de­na­dor do cur­so de Me­di­ci­na da Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as Mé­di­cas da San­ta Ca­sa de São Pau­lo, José Edu­ar­do Lu­taif Dol­ci, o mé­di­co atu­al ten­de a ser ge­ne­ra­lis­ta. “O pro­fis­si­o­nal de­ve ter uma vi­são am­pla da Me­di­ci­na, até por­que tran­si­ta em vá­ri­os am­bi­en­tes”, ex­pli­ca. “De­ve es­tar ap­to pa­ra atu­ar em si­tu­a­ções de com­ple­xi­da­des di­ver­sas, sem­pre ten­do uma vi­são pró­xi­ma ao pa­ci­en­te, sen­do ca­paz de trans­mi­tir a se­gu­ran­ça de um tra­ta­men­to hu­ma­nís­ti­co e tec­ni­ca­men­te im­pe­cá­vel.” O pro­fes­sor des­ta­ca que o alu­no de­ve ser ca­paz de li­dar com as in­for­ma­ções dis­po­ní­veis na in­ter­net. “A de­mo­cra­ti­za­ção das in­for­ma­ções é cla­ra, e o pa­pel da fa­cul­da­de e do egres­so é fa­zer uma in­ter­me­di­a­ção en­tre o que é cer­to e er­ra­do”, afir­ma.

A área de Bi­o­me­di­ci­na é uma das mais im­pac­ta­das pe­lo de­sen­vol­vi­men­to da tec­no­lo­gia. Co­or­de­na­dor do cur­so da Anhem­bi Mo­rum­bi, Ra­mon Bos­sar­di Ra­mos afir­ma que o pro­fis­si­o­nal da área pre­ci­sa es­tar sem­pre na pon­ta da ino­va­ção. Atu­al­men­te, uma das tendências mais for­tes é o es­tu­do da bi­o­lo­gia mo­le­cu­lar. “É on­de a aná­li­se do DNA, por exem­plo, vai in­flu­en­ci­ar em um di­ag­nós­ti­co mais pre­ci­so e, por­tan­to, de uma me­di­ci­na mais per­so­na­li­za­da”, afir­ma Ra­mon. Es­tar em cons­tan­te atu­a­li­za­ção, no en­tan­to, não sig­ni­fi­ca dei­xar de la­do a em­pa­tia. “Em Saú­de te­mos de pen­sar sem­pre no pa­ci­en­te, ou se­ja, em co­mo es­se exa­me mais de­sen­vol­vi­do po­de me­lho­rar a sua vi­da”, diz.

A re­cen­te po­pu­la­ri­za­ção de blogs, si­tes e in­flu­en­cers que dão di­cas so­bre ati­vi­da­des fí­si­cas não fez a for­ma­ção em Edu­ca­ção Fí­si­ca per­der im­por­tân­cia – pe­lo con­trá­rio. “Quan­to mais in­for­ma­ção a po­pu­la­ção tem, mais per­ce­be a im­por­tân­cia de ter ao seu la­do um pro­fis­si­o­nal ca­pa­ci­ta­do”, afir­ma o co­or­de­na­dor do cur­so da Uni­no­ve, Ales­san­dro Frei­tas. Pa­ra ele, o aces­so aos fa­tos e às no­vas tec­no­lo­gi­as be­ne­fi­cia o pro­fis­si­o­nal da área, mas exi­ge que se man­te­nha atu­a­li­za­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.