Um mun­do de op­ções

Com o de­sen­vol­vi­men­to de tec­no­lo­gi­as, pro­fis­si­o­nais des­ta área têm cam­pos de atu­a­ção am­pli­a­dos. Tex­tos pa­ra mí­di­as di­gi­tais e con­teú­dos pa­ra si­tes são al­guns exem­plos de no­vos tra­ba­lhos pos­sí­veis

O Estado de S. Paulo - - Edu - / T.F.

Alin­gua­gem per­pas­sa to­das as ati­vi­da­des hu­ma­nas. Por is­so, além de for­mar pro­fes­so­res, os cur­sos da área bus­cam apri­mo­rar a co­mu­ni­ca­ção, do­mi­nar tec­no­lo­gi­as e es­ti­mu­lar o diá­lo­go en­tre cam­pos de atu­a­ção. Co­or­de­na­do­ra de Le­tras – In­glês e Por­tu­guês do Cen­tro Uni­ver­si­tá­rio FMU, Be­a­triz San­ta­na re­for­ça que o cur­so não for­ma o pro­fis­si­o­nal pa­ra atu­ar em uma úni­ca fren­te. “Le­tras é um cam­po bem am­plo, mui­to mais do que ima­gi­na o alu­no quan­do co­me­ça o cur­so. Ele po­de atu­ar em li­te­ra­tu­ra, no ensino, co­mo re­da­tor, es­cri­tor, re­vi­sor”, diz. “Mui­tas ve­zes o alu­no pro­cu­ra o cur­so com a ideia de ser pro­fes­sor, mas des­co­bre um uni­ver­so de pos­si­bi­li­da­des.” Com a evo­lu­ção da tec­no­lo­gia, es­tu­dan­tes en­fren­tam de­sa­fi­os, mas ga­nham es­pa­ço. “As mí­di­as di­gi­tais têm exi­gi­do bas­tan­te aná­li­se dis­cur­si­va, que aju­da a en­ten­der o com­por­ta­men­to das pes­so­as na re­de. O pro­fis­si­o­nal tam­bém tem a opor­tu­ni­da­de de tra­ba­lhar com mei­os ele­trô­ni­cos e ali­men­tar si­tes de em­pre­sas.”

Cri­a­do em 2018, o cur­so de Ci­ne­ma e Au­di­o­vi­su­al da Es­co­la Superior de Pro­pa­gan­da e Mar­ke­ting (ESPM) acom­pa­nha as no­vi­da­des tec­no­ló­gi­cas e pre­pa­ra o alu­no pa­ra os ne­gó­ci­os. “Ain­da há um juí­zo de va­lor mui­to for­te so­bre o ci­ne­as­ta co­mo aque­la pes­soa ex­cên­tri­ca, que cria his­tó­ri­as pa­ra o ci­ne­ma tra­di­ci­o­nal, mas o per­fil ho­je é ex­tre­ma­men­te va­ri­a­do”, afir­ma a co­or­de­na­do­ra do cur­so, Gi­se­le Jor­dão. “Te­mos alu­nos que se in­te­res­sam por de­se­nho e ci­ne­má­ti­ca de ga­mes, pla­ta­for­mas in­te­ra­ti­vas e re­a­li­da­de vir­tu­al.” Pa­ra ela, a fa­cul­da­de de­ve pre­pa­rar os alu­nos pa­ra áre­as e lin­gua­gens que ain­da nem fo­ram des­co­ber­tas. “O mer­ca­do au­di­o­vi­su­al tem cres­ci­do, ex­pan­di­do pa­ra di­ver­sas áre­as que pre­ci­sam de­le pa­ra cres­cer”, afir­ma. “Quan­do ima­gi­na­mos is­so a lon­go pra­zo, sa­be­mos que, em uma so­ci­e­da­de co­mo a que vi­ve­mos, me­di­a­da por ima­gens, a ten­dên­cia é que as opor­tu­ni­da­des con­ti­nu­em a apa­re­cer.”

Pe­da­go­gia tam­bém se trans­for­ma nes­te con­tex­to tec­no­ló­gi­co. Co­or­de­na­dor do cur­so da Uni­ver­si­da­de Pau­lis­ta (Unip), o pro­fes­sor No­na­to As­sis de Mi­ran­da afir­ma que ho­je é uma exi­gên­cia que os pro­fis­si­o­nais da área te­nham do­mí­nio de Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção (TI). “Os alu­nos che­gam à es­co­la já do­mi­nan­do es­sas tec­no­lo­gi­as. O pro­fes­sor tem de apren­der a usar e se apro­pri­ar de­las pa­ra o ensino”, diz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.