É pro­mo­ção pes­so­al, não pro­pa­gan­da elei­to­ral!

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - GERALDO AGOSTI FI­LHO ADVOGADO

No pró­xi­mo ano ha­ve­rá elei­ções pa­ra pre­fei­to e ve­re­a­dor em to­dos os mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros. As al­te­ra­ções re­cen­tes na le­gis­la­ção elei­to­ral não mu­da­ram as re­gras da pro­pa­gan­da elei­to­ral gra­tui­ta (rá­dio e TV).

As­sim, man­ti­das as atu­ais nor­mas de pro­pa­gan­da, nos 35 di­as an­te­ri­o­res à an­te­vés­pe­ra das elei­ções to­das as emis­so­ras de rá­dio e te­le­vi­são aber­tas do País são obri­ga­das a trans­mi­tir a pro­pa­gan­da elei­to­ral gra­tui­ta du­as ve­zes por dia, de se­gun­da­fei­ra a sá­ba­do, as trans­mis­sões em re­de e de se­gun­da-fei­ra a do­min­go as in­ser­ções.

O Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE) há pou­cos di­as di­vul­gou “as es­ti­ma­ti­vas da po­pu­la­ção dos mu­ni­cí­pi­os pa­ra 2019” (dis­po­ní­veis em https://agen­ci­a­de­no­ti­ci­as.ibge.gov.br/agen­cia-sa­la-de -im­pren­sa/2013-agen­cia-de-no­ti­ci­as/re­le­a­ses/25278-ibge-di­vul­ga-as-es­ti­ma­ti­vas-da-po­pu­la­cao -dos-mu­ni­ci­pi­os-pa­ra-2019). A pes­qui­sa es­ti­mou que o Bra­sil tem 210,1 mi­lhões de ha­bi­tan­tes. Os 17 mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros com po­pu­la­ção su­pe­ri­or a 1 mi­lhão de pes­so­as so­mam 46,1 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, ou 21,9% da po­pu­la­ção do País.

“Em 2019, pou­co mais da me­ta­de da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra (57,4% ou 120,7 mi­lhões de ha­bi­tan­tes) se con­cen­tra em ape­nas 5,8% dos mu­ni­cí­pi­os (324 mu­ni­cí­pi­os), que são aque­les com mais de 100 mil ha­bi­tan­tes. Já os 48 mu­ni­cí­pi­os com mais de 500 mil ha­bi­tan­tes con­cen­tram qua­se 1/3 da po­pu­la­ção (31,7% ou 66,5 mi­lhões de pes­so­as). Por ou­tro la­do, na mai­or par­te dos mu­ni­cí­pi­os (68,2% ou 3.670 mu­ni­cí­pi­os), com até 20 mil pes­so­as, re­si­dem ape­nas 15,2% da po­pu­la­ção do País (32 mi­lhões de pes­so­as)”, diz o IBGE.

Os nú­me­ros di­vul­ga­dos pe­lo IBGE dei­xam cla­ro que a mai­o­ria dos mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros tem po­pu­la­ção in­fe­ri­or a 20 mil ha­bi­tan­tes e, por­tan­to, nú­me­ro me­nor ain­da de elei­to­res.

A pro­pa­gan­da elei­to­ral gra­tui­ta pa­ra as te­le­vi­sões tem o si­nal trans­mi­ti­do por emis­so­ras clas­si­fi­ca­das co­mo ge­ra­do­ras e so­men­te es­sas po­dem ge­rar os pro­gra­mas de pro­pa­gan­da elei­to­ral gra­tui­ta. A mai­o­ria das emis­so­ras de te­le­vi­são é clas­si­fi­ca­da co­mo re­trans­mis­so­ra: elas sim­ples­men­te re­ce­bem o si­nal das emis­so­ras ge­ra­do­ras e o re­pe­tem pa­ra am­pli­ar a trans­mis­são.

No meu entender, a le­gis­la­ção que im­põe a trans­mis­são obri­ga­tó­ria da pro­pa­gan­da elei­to­ral nas elei­ções mu­ni­ci­pais pa­ra to­das as lo­ca­li­da­des fe­re o prin­cí­pio de igual­da­de de opor­tu­ni­da­des, na me­di­da em que o(s) can­di­da­to(s) ins­cri­to(s) em mu­ni­cí­pio que ge­ra a pro­pa­gan­da elei­to­ral tem (têm) vi­si­bi­li­da­de em seu mu­ni­cí­pio e em to­dos os ou­tros mu­ni­cí­pi­os on­de a trans­mis­são de te­le­vi­são al­can­ça. Uma evi­den­te pro­mo­ção pes­so­al, em de­tri­men­to do can­di­da­to do mu­ni­cí­pio que não ge­ra pro­pa­gan­da elei­to­ral.

Es­se re­gra­men­to de pro­pa­gan­da elei­to­ral gra­tui­ta nas elei­ções mu­ni­ci­pais acar­re­ta ain­da uma ques­tão de mai­or re­le­vân­cia: os elei­to­res, ao re­ce­be­rem a pro­pa­gan­da pe­la te­le­vi­são de can­di­da­tos que não po­dem ser vo­ta­dos na sua cir­cuns­cri­ção elei­to­ral, re­ce­bem pe­la te­le­vi­são in­for­ma­ção e pro­pa­gan­da de ou­tro mu­ni­cí­pio. E não re­ce­bem a in­for­ma­ção dos can­di­da­tos do seu mu­ni­cí­pio. En­fim, o elei­to­ra­do tem a sua aten­ção des­vi­a­da pa­ra ques­tões de ou­tro mu­ni­cí­pio, pa­ra ou­tros can­di­da­tos, e não os seus.

Es­sa é uma in­ter­fe­rên­cia in­de­vi­da no pro­ces­so elei­to­ral que se ve­ri­fi­ca na mai­o­ria dos mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros e que po­de ter com­pro­me­ti­do no pas­sa­do, e po­de­rá com­pro­me­ter nas pró­xi­mas elei­ções, o pro­ces­so de de­li­be­ra­ção co­le­ti­va, afe­tan­do o re­sul­ta­do do plei­to e fe­rin­do, as­sim, o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal es­tam­pa­do no ca­put do ar­ti­go 14 da Cons­ti­tui­ção fe­de­ral.

A Lei Elei­to­ral (Lei n.º 9.504, de 30 de se­tem­bro de 1997) tem os seus efei­tos dis­tor­ci­dos quan­do de­ter­mi­na a pro­pa­gan­da elei­to­ral obri­ga­tó­ria na elei­ção mu­ni­ci­pal, uma vez que aca­ba im­pon­do a mi­lhões de elei­to­res as­sis­tir à pro­pa­gan­da de can­di­da­tos de ou­tra cir­cuns­cri­ção elei­to­ral que não a sua. Sob o olhar da Car­ta da Re­pú­bli­ca, a elei­ção mu­ni­ci­pal de Ara­guai­nha (MT), com 954 elei­to­res, e a elei­ção mu­ni­ci­pal de São Pau­lo, com 8.886.324 elei­to­res, têm a mes­ma re­le­vân­cia, não há di­fe­ren­ça.

No Bra­sil há me­nos de mil emis­so­ras de te­le­vi­são clas­si­fi­ca­das co­mo ge­ra­do­ras. Ima­gi­ne­mos que ca­da uma de­las es­ti­ves­se se­di­a­da num mu­ni­cí­pio, quan­do, na re­a­li­da­de, o nú­me­ro de mu­ni­cí­pi­os com emis­so­ras ge­ra­do­ras é mui­to in­fe­ri­or. Mas pa­ra efei­to de de­mons­tra­ção da gra­vi­da­de do pro­ble­ma, te­ría­mos mil mu­ni­cí­pi­os ge­ran­do pro­pa­gan­da elei­to­ral que se­ria re­ce­bi­da nos 5.570 mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros. Em re­su­mo, a imen­sa mai­o­ria dos mu­ni­cí­pi­os do Bra­sil re­ce­be a trans­mis­são da pro­pa­gan­da elei­to­ral de can­di­da­tos nos quais os te­les­pec­ta­do­res/elei­to­res não po­dem vo­tar.

Des­sa for­ma, a di­ta pro­pa­gan­da elei­to­ral obri­ga­tó­ria que exi­be can­di­da­tos im­pos­sí­veis de se­rem vo­ta­dos na mai­or par­te das cir­cuns­cri­ções elei­to­rais não é pro­pa­gan­da elei­to­ral, de­fi­ni­ti­va­men­te. Os ha­bi­tan­tes da mai­o­ria dos mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros, 68,2% de­les, as­sis­tem à pro­pa­gan­da elei­to­ral de de­ter­mi­na­dos can­di­da­tos em qu­em, na con­di­ção de elei­to­res, não po­dem vo­tar. En­fim, es­sa pro­pa­gan­da não é pro­pa­gan­da elei­to­ral por­que pro­pa­gan­da elei­to­ral pres­su­põe o binô­mio can­di­da­to-elei­tor. Se não hou­ver o binô­mio can­di­da­to-elei­tor, não é pro­pa­gan­da elei­to­ral, é pro­mo­ção pes­so­al, é pro­se­li­tis­mo po­lí­ti­co, etc.

A mu­dan­ça na le­gis­la­ção elei­to­ral ne­ces­sá­ria pa­ra eli­mi­nar es­sa dis­tor­ção so­men­te po­de ser re­a­li­za­da pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal. No en­tan­to, seus mem­bros são os re­da­to­res da nor­ma elei­to­ral e seus pró­pri­os des­ti­na­tá­ri­os ou seus can­di­da­tos nas elei­ções mu­ni­ci­pais. São eles to­dos vi­to­ri­o­sos em su­as elei­ções com es­sas re­gras. Es­pe­rar que es­ses mes­mos par­la­men­ta­res al­te­rem as nor­mas por li­vre e es­pon­tâ­nea von­ta­de é des­co­nhe­cer o Par­la­men­to bra­si­lei­ro.

Ca­be aos elei­to­res exi­gir de seus par­la­men­ta­res no­va re­gra de pro­pa­gan­da elei­to­ral pa­ra, se não cor­ri­gir a dis­tor­ção apon­ta­da, ao me­nos ame­ni­zar os seus efei­tos.

Elei­to­res de 68,2% dos mu­ni­cí­pi­os as­sis­tem à cam­pa­nha de can­di­da­tos em que não po­dem vo­tar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.