Co­mis­são Arns cri­ti­ca pon­tos do pro­je­to

O Estado de S. Paulo - - Política - / FAUSTO MACEDO, LUIZ VASSALLO e PE­DRO PRA­TA

Uma no­ta téc­ni­ca da Co­mis­são Arns cri­ti­ca o pa­co­te an­ti­cri­me, a prin­ci­pal apos­ta do mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Sér­gio Mo­ro, pa­ra o com­ba­te à cor­rup­ção, vi­o­lên­cia e cri­me or­ga­ni­za­do. O do­cu­men­to, subs­cri­to pe­los cri­mi­na­lis­tas Jo­sé Car­los Di­as e Antô­nio Cláu­dio Ma­riz de Oliveira, analisa o tex­to do pro­je­to, pon­to a pon­to, e afir­ma que “a so­ci­e­da­de de­ve ser aler­ta­da de que é uma ilu­são entender-se que leis mais pu­ni­ti­vas, re­pres­são po­li­ci­al de mai­or in­ten­si­da­de e pri­sões in­dis­cri­mi­na­das são mo­dos e meio de se com­ba­ter o cri­me”.

“O cri­me se com­ba­te com o com­ba­te às su­as cau­sas e não agin­do nos seus efei­tos”, diz o tex­to, que se­rá en­ca­mi­nha­do à Câ­ma­ra e ao Se­na­do, on­de o pro­je­to é exa­mi­na­do. Os ad­vo­ga­dos ava­li­am que qua­se to­dos os dis­po­si­ti­vos do pa­co­te an­ti­cri­me são vol­ta­dos ex­clu­si­va­men­te pa­ra di­fi­cul­tar o exer­cí­cio, por par­te do acu­sa­do, de ins­ti­tu­tos usa­dos pe­la de­fe­sa.

Eles ques­ti­o­nam, por exem­plo, a pri­são em se­gun­do grau, de­fen­di­da por Mo­ro. “Ao de­cla­rar que a pre­sun­ção de ino­cên­cia vi­ge até o trân­si­to em jul­ga­do da de­ci­são con­de­na­tó­ria, o cons­ti­tuin­te ins­ti­tuiu uma cláu­su­la pé­trea. Por­tan­to, tor­nou im­pos­sí­vel, à luz da Cons­ti­tui­ção, a pri­são an­tes do trân­si­to em jul­ga­do.”

So­bre ou­tro pon­to cru­ci­al do pa­co­te, a co­mis­são afir­ma que “a ex­clu­den­te (de ili­ci­tu­de) am­pli­a­da in­cen­ti­va­rá ain­da mais a uti­li­za­ção de ar­mas, já es­ti­mu­la­da pe­lo de­cre­to que as li­be­rou”. Pa­ra a co­mis­são, o pa­co­te é “um ar­ca­bou­ço le­gis­la­ti­vo que, ao con­trá­rio de pro­te­ger a vi­da, es­ti­mu­la a sua des­trui­ção”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.