Mi­nis­tro do TCU ve­ta cam­pa­nha do pa­co­te an­ti­cri­me

Pa­ra Vi­tal do Rê­go, pro­pos­tas po­dem ser al­te­ra­das no Con­gres­so e, por is­so, o in­ves­ti­men­to em pro­pa­gan­da ho­je cau­sa­ria pre­juí­zo

O Estado de S. Paulo - - Política - Bre­no Pi­res / BRA­SÍ­LIA

O mi­nis­tro Vi­tal do Rê­go, do Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU), sus­pen­deu on­tem a vei­cu­la­ção de pu­bli­ci­da­de so­bre o pa­co­te an­ti­cri­me, que abri­ga os pro­je­tos de lei apre­sen­ta­dos ao Con­gres­so pe­lo mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Sér­gio Mo­ro. Vi­tal do Rê­go ar­gu­men­tou que os pro­je­tos do pa­co­te ain­da es­tão tra­mi­tan­do no Con­gres­so e, des­sa for­ma, po­de­rão so­frer “drás­ti­cas al­te­ra­ções” – ra­zão pe­la qual o in­ves­ti­men­to de re­cur­sos nes­te mo­men­to po­de pro­vo­car des­per­dí­cio de di­nhei­ro pú­bli­co.

“Não vis­lum­bro co­mo ali­nhar a di­vul­ga­ção de um pro­je­to de lei que ain­da se­rá dis­cu­ti­do pe­lo Par­la­men­to com o ob­je­ti­vo de in­for­mar, edu­car, ori­en­tar, mo­bi­li­zar, pre­ve­nir ou aler­tar a po­pu­la­ção pa­ra a ado­ção de com­por­ta­men­tos que ge­rem be­ne­fí­ci­os in­di­vi­du­ais e/ou co­le­ti­vos”, afir­mou o mi­nis­tro em seu des­pa­cho. A de­ci­são tem va­li­da­de até que o ple­ná­rio do TCU se ma­ni­fes­te so­bre o te­ma, o que de­ve ocor­rer ho­je, em ses­são ple­ná­ria.

Com o slo­gan “A lei tem que es­tar aci­ma da im­pu­ni­da­de”, a cam­pa­nha foi lan­ça­da no dia 3, em ce­rimô­nia no Pa­lá­cio do Pla­nal­to. O cus­to es­ti­ma­do da pro­pa­gan­da é de R$ 10 mi­lhões. As pe­ças pu­bli­ci­tá­ri­as es­tão sen­do vei­cu­la­das em TV, rá­dio, in­ter­net, ci­ne­ma e até em fa­cha­das de pré­di­os pú­bli­cos, co­mo na Es­pla­na­da dos Mi­nis­té­ri­os.

Os ques­ti­o­na­men­tos à pu­bli­ci­da­de par­ti­ram de du­as fren­tes. De um la­do, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Con­tas e, de ou­tro, par­la­men­ta­res da opo­si­ção, en­tre eles de­pu­ta­dos in­te­gran­tes do gru­po de tra­ba­lho que dis­cu­tiu du­ran­te me­ses o pro­je­to na Câ­ma­ra, co­mo Orlando Sil­va (PC­doB-SP), Pau­lo Tei­xei­ra (PT-SP) e Marcelo Frei­xo (PSOL-RJ).

O pro­cu­ra­dor Lu­cas Fur­ta­do, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Con­tas, pe­diu que a Cor­te ana­li­se o em­pre­go dos re­cur­sos na cam­pa­nha, con­si­de­ran­do que a es­tra­té­gia po­de não aten­der aos “prin­cí­pi­os do in­te­res­se pú­bli­co e da trans­pa­rên­cia”, mas, sim, ser­vir “ao fa­vo­re­ci­men­to de in­te­res­ses pes­so­ais, com ofen­sa aos prin­cí­pi­os da im­pes­so­a­li­da­de e da su­pre­ma­cia do in­te­res­se pú­bli­co”.

Na ava­li­a­ção dos par­la­men­ta­res, a pu­bli­ci­da­de con­tra­ria a Cons­ti­tui­ção e “é le­si­va à mo­ra­li­da­de e às fi­nan­ças da União”. Os con­gres­sis­tas des­ta­ca­ram, ain­da, que a cam­pa­nha se ca­rac­te­ri­za “úni­ca e ex­clu­si­va­men­te por seu ca­rá­ter po­lí­ti­co e en­vol­ve gran­des des­pe­sas pa­ra os co­fres da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca fe­de­ral”.

Ao aco­lher os ques­ti­o­na­men­tos, Vi­tal do Rê­go dis­se ha­ver “for­tes in­dí­ci­os” de que a con­tra­ta­ção da cam­pa­nha não se en­qua­dra na ação or­ça­men­tá­ria “Pu­bli­ci­da­de de Uti­li­da­de Pú­bli­ca”. Com is­so, jus­ti­fi­cou a ado­ção de me­di­da cau­te­lar com vis­tas a sus­pen­der a exe­cu­ção do con­tra­to até que o ple­ná­rio da Cor­te se pro­nun­cie.

No sá­ba­do, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro já ha­via co­men­ta­do so­bre a pos­si­bi­li­da­de de sus­pen­são da pu­bli­ci­da­de. “Es­tá vin­do um pro­ces­so que es­tá che­gan­do a mi­nha me­sa que eu vou ter que sus­pen­der com o Sér­gio Mo­ro a pro­pa­gan­da da Lei An­ti­cri­me. Va­mos ver quais são os ar­gu­men­tos, mas, che­gan­do a li­mi­nar, ime­di­a­ta­men­te vai sus­pen­der is­so aí”, dis­se ele, ao par­ti­ci­par, por vi­de­o­con­fe­rên­cia, do 3.º Sim­pó­sio Con­ser­va­dor.

Em no­ta, o mi­nis­tro da Jus­ti­ça dis­se que, “em­bo­ra res­pei­te, la­men­ta a de­ci­são do mi­nis­tro do Tri­bu­nal de Con­tas da União”. “A cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria do pa­co­te an­ti­cri­me é im­por­tan­te pa­ra es­cla­re­cer à po­pu­la­ção o al­can­ce das me­di­das pro­pos­tas, co­mo foi fei­to na Pre­vi­dên­cia”, dis­se Mo­ro.

Con­gres­so. O pa­co­te an­ti­cri­me tem so­fri­do su­ces­si­vos re­ve­ses no Con­gres­so. O gru­po de tra­ba­lho cri­a­do pa­ra ana­li­sar as pro­pos­tas já se po­si­ci­o­nou pe­la su­pres­são de vá­ri­os itens. En­tre eles, foi re­ti­ra­da do tex­to a pri­são de con­de­na­dos na se­gun­da ins­tân­cia, e foi re­jei­ta­da a pro­pos­ta de am­pli­ar as hi­pó­te­ses da cha­ma­da ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de – a au­sên­cia de pu­ni­ção ao po­li­ci­al que ma­ta uma pes­soa sob “es­cu­sá­vel me­do, sur­pre­sa ou vi­o­len­ta emo­ção”.

Pa­ra crí­ti­cos do pro­je­to, as mu­dan­ças pro­pos­tas en­du­re­cem as leis, mas não fa­vo­re­cem o com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de.

DIDA SAMPAIO/ES­TA­DÃO-3/10/2019

Pu­bli­ci­da­de. Pro­pa­gan­da do pa­co­te an­ti­cri­me nos pré­di­os na Es­pla­na­da dos Mi­nis­té­ri­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.