UMA AULA COM O PRO­FES­SOR GIL­MAR MEN­DES

Co­nhe­ci­do por po­lê­mi­cas e em­ba­tes no STF, mi­nis­tro mos­tra la­do ‘afá­vel’ com seus alu­nos

O Estado de S. Paulo - - Política - BRA­SÍ­LIA / R.M.M.

Se no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral ele pro­vo­ca re­a­ções vis­ce­rais – um co­le­ga já su­ge­riu um “du­e­lo” de ar­ma de fo­go, ou­tro o de­fi­niu co­mo “a mis­tu­ra do mal com o atra­so e pi­ta­das de psi­co­pa­tia” –, na sa­la de aula Gil­mar Men­des tem fa­ma de pro­fes­sor afá­vel, que já deu aula pa­ra mi­nis­tro de Es­ta­do, de­pu­ta­do e até um con­de­na­do no men­sa­lão. A úl­ti­ma ame­a­ça ao ma­gis­tra­do veio do ex-pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca Rodrigo Ja­not, que afir­mou ao Es­ta­do ter pla­ne­ja­do as­sas­si­nar o mi­nis­tro a ti­ros den­tro do STF.

No tri­bu­nal, Gil­mar dá vo­tos con­tun­den­tes, ele­va o tom da voz, ata­ca pro­cu­ra­do­res da “Re­pú­bli­ca de Cu­ri­ti­ba”, se ir­ri­ta com “gângs­ter no co­man­do” de in­ves­ti­ga­ções da Re­cei­ta, cha­ma o ex­juiz e ho­je mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Sér­gio Mo­ro, de “co­a­ching da acu­sa­ção” e, vol­ta e meia, se me­te em dis­cus­são com al­gum co­le­ga de ple­ná­rio. Es­se é um la­do de Gil­mar. Ele, po­rém, tem o “la­do B”, quan­do ti­ra a to­ga e vi­ra pro­fes­sor.

Ao en­trar na sa­la de aula do Ins­ti­tu­to Bra­si­li­en­se de Direito Pú­bli­co (IDP), do qual é só­cio, Gil­mar fa­la man­so, pau­sa­do. Na “es­co­li­nha do pro­fes­sor Gil­mar” não há vo­tos, po­lê­mi­cas ou di­ver­gên­ci­as, mui­to me­nos em­ba­tes co­mo aque­les pro­ta­go­ni­za­dos com o mi­nis­tro Luís Roberto Bar­ro­so em ses­sões trans­mi­ti­das ao vi­vo pe­la TV Jus­ti­ça.

“Bom dia”, diz Gil­mar, ao ini­ci­ar a aula, acom­pa­nha­da pe­lo Es­ta­do, da dis­ci­pli­na Ju­ris­di­ção Cons­ti­tu­ci­o­nal, às 8h06 de uma ma­nhã de quar­ta-fei­ra. Ho­ras de­pois, o Su­pre­mo re­to­ma­ria a po­lê­mi­ca aná­li­se so­bre réus de­la­ta­dos te­rem o direito à úl­ti­ma pa­la­vra nas ale­ga­ções fi­nais, em um jul­ga­men­to que abre bre­cha pa­ra anu­lar con­de­na­ções da La­va Ja­to. Na sa­la de aula, a pau­ta é mais light – “con­tro­le de cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de”.

A se­gu­ran­ça no IDP já ha­via si­do re­for­ça­da com a ins­ta­la­ção de ca­tra­cas ele­trô­ni­cas an­tes mes­mo do re­la­to de Ja­not. Gil­mar con­si­de­ra sua ro­ti­na “mui­to con­ti­da” – vai a even­tos, co­mo lan­ça­men­tos de li­vros, mas evi­ta es­tá­di­os, ape­sar da pai­xão pe­lo San­tos, emol­du­ra­da em ca­mi­sas au­to­gra­fa­das co­lo­ca­das em des­ta­que na sa­la do IDP e no ga­bi­ne­te do Su­pre­mo.

Na noi­te an­te­ri­or à aula, Gil­mar ha­via de­ter­mi­na­do a pa­ra­li­sa­ção das in­ves­ti­ga­ções en­vol­ven­do o se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-RJ) no ca­so Qu­ei­roz. Na clas­se, nin­guém ou­sa in­da­gá-lo so­bre o te­ma con­tro­ver­so.

Es­tu­dan­tes. Os 28 es­tu­dan­tes acom­pa­nham a fa­la do pro­fes­sor-mi­nis­tro so­bre o pa­pel da Su­pre­ma Cor­te em in­va­li­dar leis ou pre­en­cher o vá­cuo dei­xa­do pe­lo Exe­cu­ti­vo e pe­lo Le­gis­la­ti­vo. A jor­na­da du­pla faz par­te da ro­ti­na de Gil­mar, que deu au­las pa­ra mais de 2 mil alu­nos des­de a cri­a­ção do IDP, em 1998.

Um de­les foi o ex-de­pu­ta­do pe­tis­ta João Pau­lo Cu­nha, con­de­na­do no men­sa­lão, in­clu­si­ve com o vo­to de Gil­mar. Pro­cu­ra­do, Cu­nha não co­men­tou.

Os de­pu­ta­dos Do­min­gos Ne­to (PSD-CE) e Mar­cos Pe­rei­ra (Re­pu­bli­ca­nos-SP) e o ex-mi­nis­tro Mar­cos Jor­ge tam­bém fo­ram alu­nos do mi­nis­tro. “Era uma clas­se bem eclé­ti­ca, mas na­da de ques­tões po­lí­ti­cas no am­bi­en­te de sa­la de aula. Ele é um ex­ce­len­te pro­fes­sor, com uma pro­fun­di­da­de de co­nhe­ci­men­to to­tal­men­te fo­ra da cur­va”, afir­mou Do­min­gos. “Ele é mais tran­qui­lo em sa­la de aula, que re­quer um pou­co mais de ma­le­a­bi­li­da­de, afi­nal é a tro­ca de apren­di­za­do en­tre pro­fes­sor e alu­no”, dis­se Mar­cos Pe­rei­ra.

“O Gil­mar pro­fes­sor traz os as­pec­tos his­tó­ri­cos pa­ra a gen­te entender a ju­ris­di­ção cons­ti­tu­ci­o­nal, en­quan­to o Gil­mar mi­nis­tro ten­ta entender a re­a­li­da­de atu­al e aplicar o direito em ci­ma da­qui­lo, mes­mo que as de­ci­sões às ve­zes se­jam con­tro­ver­sas”, afir­mou o alu­no João Mar­cos Pe­dra.

Gil­mar cos­tu­ma apro­vei­tar o contato com os es­tu­dan­tes pa­ra re­cru­tar “ta­len­tos”. Mui­tos dos seus as­ses­so­res no Su­pre­mo,

in­clu­si­ve o atu­al che­fe de ga­bi­ne­te, fo­ram seus alu­nos no IDP ou na Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (UnB), on­de tam­bém le­ci­o­nou o mi­nis­tro.

Du­ran­te a aula, al­guns alu­nos sa­em da sa­la, to­mam um ca­fe­zi­nho pa­ra des­per­tar, ou­tros vão ao ba­nhei­ro. To­dos vol­tam. “O nos­so so­nho de consumo se­ria se o tex­to ti­ves­se um úni­co sig­ni­fi­ca­do. In­fe­liz­men­te, as coi­sas não ocor­rem as­sim. Um mes­mo tex­to po­de ter múl­ti­plos sig­ni­fi­ca­dos”, en­si­na o pro­fes­sor Gil­mar na aula, ao des­ta­car as nu­an­ces quan­do se in­ter­pre­ta a re­da­ção de nor­mas le­gais.

RA­FA­EL MORAES MOURA/ESTADAO

Mi­nis­tro-pro­fes­sor. Gil­mar Men­des, du­ran­te aula no Ins­ti­tu­to Bra­si­li­en­se de Direito Pú­bli­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.