“Res­tri­ção ur­ba­nís­ti­ca ge­ra fa­ve­li­za­ção”

O Estado de S. Paulo - - Economia -

Ocli­ma não po­de­ria ser ou­tro. Co­mo vol­tar pa­ra ca­sa e re­en­con­trar pes­so­as que­ri­das. Gran­de von­ta­de de fi­car, mas já sa­ben­do ser ine­vi­tá­vel par­tir, pois mai­o­res são a res­pon­sa­bi­li­da­de e o en­tu­si­as­mo de tra­ba­lhar pa­ra re­du­zir o so­fri­men­to de mi­lha­res de fa­mí­li­as sem ha­bi­ta­ção dig­na, e tan­tas ou­tras à es­pe­ra da re­gu­la­ri­za­ção fun­diá­ria e ter um lar pa­ra cha­mar de seu.

Foi nes­sa at­mos­fe­ra que Fla­vio Amary, se­cre­tá­rio es­ta­du­al da Ha­bi­ta­ção e pre­si­den­te li­cen­ci­a­do do Se­co­vi-SP, vol­tou à en­ti­da­de pa­ra apre­sen­tar su­as pro­pos­tas pa­ra com­ba­ter o dé­fi­cit de mo­ra­di­as em São Pau­lo, as quais têm por ba­se al­gu­mas pre­mis­sas bá­si­cas, co­mo sim­pli­fi­car, des­bu­ro­cra­ti­zar, ino­var e, prin­ci­pal­men­te, for­ta­le­cer as par­ce­ri­as en­tre os se­to­res pú­bli­co e pri­va­do.

“Hou­ve tem­pos em que era gran­de o pre­con­cei­to da ini­ci­a­ti­va pri­va­da em re­la­ção ao se­tor pú­bli­co. A vi­são era de que es­te úl­ti­mo exis­tia mais pa­ra di­fi­cul­tar do que aju­dar o ato de em­pre­en­der. Tam­bém ha­via pre­con­cei­to por par­te da área pú­bli­ca, pa­ra qu­em as em­pre­sas só pen­sa­vam em si mes­mas, e que to­do em­pre­sá­rio era vo­raz”, con­si­de­rou o pre­si­den­te do Se­co­vi-SP, Ba­si­lio Ja­fet.

“Fe­liz­men­te, es­sas vi­sões es­tão mu­dan­do. Em­pre­sas bus­cam lu­cra­ti­vi­da­de, evi­den­te­men­te, mas tam­bém pro­por­ci­o­nar be­ne­fí­ci­os aos seus sta­kehol­ders e à co­le­ti­vi­da­de. O se­tor pú­bli­co en­ten­de ca­da vez mais seu pa­pel de ca­ta­li­sa­dor do de­sen­vol­vi­men­to, pro­por­ci­o­nan­do con­di­ções pa­ra que a ini­ci­a­ti­va pri­va­da pro­mo­va o cres­ci­men­to. E am­bos re­co­nhe­cem que é de mãos da­das que con­se­gui­rão aten­der aos an­sei­os da so­ci­e­da­de. As­sim é o go­ver­no João Do­ria, pau­ta­do na si­ner­gia en­tre pú­bli­co e pri­va­do. É as­sim que atua seu se­cre­ta­ri­a­do, um ti­ma­ço no qual, pa­ra nós, da in­dús­tria imo­bi­liá­ria, Fla­vio Amary se des­ta­ca”, adu­ziu Ja­fet, pa­ra qu­em, gra­ças a es­se mo­do de ver, Amary não te­ve di­fi­cul­da­des em dei­xar o em­pre­sá­rio de la­do e as­su­mir a con­di­ção de ho­mem pú­bli­co.

O se­cre­tá­rio da Ha­bi­ta­ção fez um re­la­to emo­ci­o­na­do so­bre as con­di­ções de mo­ra­dia por par­te dos ci­da­dãos mais vul­ne­rá­veis. “É uma re­a­li­da­de pa­ra ser sen­ti­da. Quan­do se co­nhe­ce in lo­co a si­tu­a­ção de vi­da de mi­lha­res de fa­mí­li­as tem-se a re­al no­ção do quan­to é pre­ci­so fa­zer pa­ra mu­dar es­sa con­di­ção. Não tem sen­ti­do dis­cu­tir ci­da­des in­te­li­gen­tes quan­do pes­so­as mo­ram em fa­ve­las”, dis­se.

Amary apre­sen­tou de­ta­lhes do re­cém-lan­ça­do Nos­sa Ca­sa, pro­gra­ma go­ver­na­men­tal que ob­je­ti­va ofe­re­cer pe­lo me­nos 60 mil mo­ra­di­as até 2022. “É um mo­de­lo ino­va­dor e atra­ti­vo ao em­pre­en­de­dor. En­vol­ve di­re­ta­men­te os pre­fei­tos, na iden­ti­fi­ca­ção de áre­as e, prin­ci­pal­men­te, apri­mo­ra­men­tos nas res­pec­ti­vas le­gis­la­ções ur­ba­nas. Ofe­re­ce às em­pre­sas do mer­ca­do de imó­veis opor­tu­ni­da­de pa­ra exe­cu­ção de no­vos pro­je­tos, ali­an­do a lu­cra­ti­vi­da­de ao aten­di­men­to das ne­ces­si­da­des imo­bi­liá­ri­as da po­pu­la­ção.”

De acor­do com Fla­vio Amary, a ade­qua­ção de leis ur­ba­nas e ou­tras nor­mas é fun­da­men­tal pa­ra que mais e mais ter­re­nos pos­sam dar es­pa­ço à pro­du­ção de ha­bi­ta­ções de in­te­res­se so­ci­al. “Quan­to mai­o­res as res­tri­ções ur­ba­nís­ti­cas, mai­or é a fa­ve­li­za­ção, ou a ex­pul­são das pes­so­as pa­ra ci­da­des vi­zi­nhas. O aden­sa­men­to in­te­li­gen­te é a so­lu­ção”, sen­ten­ci­ou.

“Não tem sen­ti­do dis­cu­tir ci­da­des in­te­li­gen­tes quan­do pes­so­as mo­ram em fa­ve­las”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.