PSA in­ves­te pa­ra pro­du­zir no­va li­nha glo­bal no País.

Em cri­se no Bra­sil há pe­lo me­nos 8 anos, gru­po fran­cês PSA in­ves­te R$ 220 mi­lhões em no­va pla­ta­for­ma pro­du­ti­va na fá­bri­ca bra­si­lei­ra

O Estado de S. Paulo - - Economia negócios - Clei­de Sil­va

Na bus­ca que já du­ra mais de oi­to anos pe­la re­cu­pe­ra­ção de mer­ca­do e de ren­ta­bi­li­da­de no Bra­sil, o gru­po PSA Peu­ge­ot Ci­troën ini­cia em no­vem­bro no­vo ci­clo de in­ves­ti­men­tos na fá­bri­ca de Por­to Re­al (RJ) pa­ra pro­du­zir uma li­nha de veí­cu­los glo­bais em uma iné­di­ta pla­ta­for­ma (ba­se de pro­du­ção) re­cém-lan­ça­da na Eu­ro­pa.

O gru­po fran­cês anun­ci­ou on­tem in­ves­ti­men­to de R$ 220 mi­lhões na pla­ta­for­ma in­ter­na­ci­o­nal­men­te co­nhe­ci­da co­mo CMP, que foi in­tro­du­zi­da re­cen­te­men­te na fá­bri­ca da Es­pa­nha com a pro­du­ção do com­pac­to Peu­ge­ot 208.

No Bra­sil, o pri­mei­ro veí­cu­lo des­sa ba­se co­me­ça­rá a ser pro­du­zi­do em 2021. A PSA ain­da não re­ve­la os mo­de­los a se­rem fei­tos no Rio, mas as apos­tas do mer­ca­do vão pa­ra o no­vo uti­li­tá­rio-es­por­ti­vo Peu­ge­ot 2008, de pe­que­no por­te, e, na sequên­cia, o SUV sub­com­pac­to 1008 (no­me ain­da pro­vi­só­rio).

Com es­sa ofen­si­va, a PSA es­pe­ra que as du­as mar­cas fi­nal­men­te al­can­cem uma par­ti­ci­pa­ção de 5% no mer­ca­do bra­si­lei­ro em 2023. Ho­je, es­sa fa­tia é de 2% no seg­men­to de au­to­mó­veis e co­mer­ci­as le­ves.

Além do Bra­sil, a no­va ba­se pro­du­ti­va es­tá sen­do ins­ta­la­da na fi­li­al do gru­po na Ar­gen­ti­na, on­de tam­bém de­ve­rá ser pro­du­zi­do o no­vo 208, se­gun­do fon­tes do mer­ca­do.

Fa­bri­cio Bi­on­do, vi­ce-pre­si­den­te de Co­mu­ni­ca­ção, Re­la­ções Ex­ter­nas e Di­gi­tal da PSA na Amé­ri­ca La­ti­na, in­for­ma que “a no­va pla­ta­for­ma é to­tal­men­te mo­du­lar, o que per­mi­te a pro­du­ção de vá­ri­os pro­du­tos dos seg­men­tos com­pac­to e mé­dio, as­sim co­mo se­dãs, uti­li­tá­ri­os-es­por­ti­vos e até veí­cu­los elé­tri­cos”.

O exe­cu­ti­vo diz que os R$ 220 mi­lhões en­vol­vem me­lho­ri­as a se­rem fei­tas em vá­ri­as áre­as pro­du­ti­vas, in­cluin­do a ins­ta­la­ção de cer­ca de 30 no­vos robôs em adi­ção aos 245 já exis­ten­tes. “Ca­da no­vo pro­du­to a ser pro­du­zi­do re­ce­be­rá in­ves­ti­men­to es­pe­cí­fi­co”, res­sal­ta. “Es­sa é a pla­ta­for­ma mais mo­der­na e uma das

Pa­tri­ce Lu­cas

mais efi­ci­en­tes do gru­po”, diz Bi­on­do.

Pe­lo con­cei­to ado­ta­do, é pos­sí­vel re­a­pro­vei­tar vá­ri­os equi­pa­men­tos em uso na pla­ta­for­ma atu­al, a BVH1, so­ma­da às trans­for­ma­ções di­gi­tais que es­tão sen­do ado­ta­das e à atu­a­li­za­ção da ro­bo­ti­za­ção. “Há oi­to anos, o in­ves­ti­men­to ne­ces­sá­rio pa­ra es­se ti­po de pla­ta­for­ma se­ria três ve­zes mai­or.”

Fá­bri­ca pa­ra­da. Pa­ra pre­pa­rar as ins­ta­la­ções e re­ce­ber a no­va pla­ta­for­ma, que vai ope­rar na mes­ma li­nha pro­du­ti­va da atu­al – on­de são fei­tos os mo­de­los Ci­troën C3, C4 Cac­tos e Peu­ge­ot 208 –, a pro­du­ção se­rá to­tal­men­te pa­ra­li­sa­da em no­vem­bro e de­zem­bro e os cer­ca de 1,6 mil tra­ba­lha­do­res en­tra­rão em fé­ri­as co­le­ti­vas e fol­gas.

Atu­al­men­te, eles tra­ba­lham com jor­na­da e sa­lá­ri­os re­du­zi­dos em 25% prin­ci­pal­men­te em ra­zão da que­da das ex­por­ta­ções pa­ra a Ar­gen­ti­na, que an­tes da cri­se econô­mi­ca fi­ca­va com qua­se me­ta­de da pro­du­ção da fá­bri­ca. O cor­te foi uma so­lu­ção ne­go­ci­a­da com os tra­ba­lha­do­res pa­ra evi­tar de­mis­sões.

A fá­bri­ca tem ca­pa­ci­da­de pa­ra pro­du­zir 150 mil veí­cu­los anu­al­men­te em dois tur­nos e, nes­te ano, de­ve pro­du­zir en­tre 55 mil e 60 mil uni­da­des. Em 2018, fo­ram 80 mil. “Com a que­da das ex­por­ta­ções pa­ra a Ar­gen­ti­na, va­mos pro­du­zir cer­ca de 20% a me­nos do que pre­vía­mos”, in­for­ma Bi­on­do.

No mer­ca­do in­ter­no, a Peu­ge­ot e a Ci­troën ven­de­ram de ja­nei­ro a se­tem­bro 36 mil veí­cu­los, 11,8% a mais que em igual pe­río­do do ano pas­sa­do. O mer­ca­do to­tal de au­to­mó­veis e co­mer­ci­ais le­ves cres­ceu 8,9% no pe­río­do, pa­ra 1,64 mi­lhão de uni­da­des. Es­se vo­lu­me de ven­das co­lo­ca o gru­po na 11.ª po­si­ção no ran­king na­ci­o­nal do mer­ca­do bra­si­lei­ro. “O C4 Cac­tus tem si­do nos­sa re­den­ção”, afir­ma o exe­cu­ti­vo. Só as ven­das da Ci­troën cres­ce­ram 42%, pu­xa­das pe­lo SUV lan­ça­do há um ano.

Em no­ta, o pre­si­den­te da PSA no Bra­sil e Amé­ri­ca La­ti­na, Pa­tri­ce Lu­cas, in­for­ma que a in­ten­ção do gru­po “é de lan­çar um no­vo pro­du­to por ano, por mar­ca,

“Es­ses no­vos in­ves­ti­men­tos con­fir­mam nos­so com­pro­mis­so com o cli­en­te latino-ame­ri­ca­no que, em um fu­tu­ro pró­xi­mo, te­rá à sua dis­po­si­ção di­ver­sos mo­de­los de pro­du­tos glo­bais fei­tos lo­cal­men­te.”

PRE­SI­DEN­TE DA PSA NO BRA­SIL E

AMÉ­RI­CA LA­TI­NA

na re­gião, em li­nha com nos­so pla­no es­tra­té­gi­co glo­bal”. “Es­ses no­vos in­ves­ti­men­tos con­fir­mam o nos­so com­pro­mis­so com o cli­en­te latino-ame­ri­ca­no que, em um fu­tu­ro pró­xi­mo, te­rá à sua dis­po­si­ção di­ver­sos ou­tros mo­de­los de pro­du­tos glo­bais pro­du­zi­dos lo­cal­men­te pe­la PSA”, afir­ma Lu­cas.

Lu­cra­ti­vi­da­de. No Bra­sil, a PSA Peu­ge­ot Ci­troën ope­ra com pre­juí­zos des­de 2012. No con­jun­to da Amé­ri­ca La­ti­na, con­tu­do, o re­sul­ta­do fi­nan­cei­ro do ano pas­sa­do foi de equi­lí­brio, após qua­tro anos se­gui­dos de lu­cra­ti­vi­da­de. São os ga­nhos da re­gião que vão ban­car os in­ves­ti­men­tos no País, diz Bi­on­do.

Glo­bal­men­te, a PSA, se­gun­da mai­or fa­bri­can­te de car­ros na Eu­ro­pa, atrás da Volkswa­gen, pas­sa por mo­men­to po­si­ti­vo, com ven­das de 3,88 mi­lhões de veí­cu­los em 2018 (6,8% a mais que no ano an­te­ri­or) e au­men­to de 40% no lu­cro, que so­mou ¤ 3,3 bi­lhões.

Boa par­te des­se de­sem­pe­nho foi cre­di­ta­da aos resultados da Opel, a ope­ra­ção eu­ro­peia da Ge­ne­ral Mo­tors ad­qui­ri­da em me­a­dos de 2017 e que te­ve lu­cro de ¤ 859 mi­lhões no pri­mei­ro ano com­ple­to nas mãos da com­pa­nhia fran­ce­sa. Quan­do per­ten­cia à GM, a en­tão sub­si­diá­ria te­ve pre­juí­zos por 20 anos con­se­cu­ti­vos.

A PSA não des­car­ta pro­du­zir no Bra­sil mo­de­los com a mar­ca Opel. Na Eu­ro­pa, a no­va pla­ta­for­ma em que é fei­to o 208 que co­me­ça a ser ven­di­do no con­ti­nen­te nes­ta semana – ini­ci­al­men­te em Por­tu­gal – tam­bém fa­rá o no­vo Opel Cor­sa, por exem­plo.

PSA

Ob­je­ti­vo. Com no­vo in­ves­ti­men­to, em­pre­sa quer pu­lar de 2% pa­ra 5% do se­tor no Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.