Na con­tra­mão dos gran­des ban­cos, Si­cre­di abri­rá 400 agên­ci­as até 2020

Com a mis­são de cres­cer na Re­gião Su­des­te, em­pre­sa vai na con­tra­mão dos ban­cos tra­di­ci­o­nais, que fe­cha­ram mais de 600 agên­ci­as de ja­nei­ro a se­tem­bro de 2019, se­gun­do o BC; Si­cre­di já é lí­der em re­de de aten­di­men­to em 4 Es­ta­dos bra­si­lei­ros

O Estado de S. Paulo - - Economia negócios - Fer­nan­do Schel­ler

Uma das co­o­pe­ra­ti­vas de cré­di­to lí­de­res no País, a Si­cre­di es­tá in­do na con­tra­mão dos gran­des ban­cos ao abrir agên­ci­as em vá­ri­os Es­ta­dos do País, em vez de fe­chá-las. De acor­do com o pre­si­den­te na­ci­o­nal do Si­cre­di, Man­fred Da­sen­brock, se­rão aber­tas 400 agên­ci­as en­tre 2019 e 2020. So­men­te nos pri­mei­ros no­ve me­ses do ano, de acor­do com o Ban­co Cen­tral, os cin­co gran­des ban­cos – Itaú, Ban­co do Bra­sil, Bra­des­co, Cai­xa e San­tan­der – fe­cha­ram 630 agên­ci­as no País.

As co­o­pe­ra­ti­vas, uni­das, são ho­je o sex­to mai­or ban­co do País. Se­gun­do es­tu­do de 2017 da con­sul­to­ria Roland Berger, o Si­cre­di dis­pu­ta a li­de­ran­ça de mer­ca­do do seg­men­to com o Si­co­ob. Com se­de no Rio Gran­de do Sul, o Si­cre­di tem 4,5 mi­lhões de cli­en­tes, ati­vos de qua­se R$ 100 bi­lhões e car­tei­ra de cré­di­to de R$ 60,8 bi­lhões. A com­pa­nhia es­tá pre­sen­te em 22 Es­ta­dos e no Dis­tri­to Fe­de­ral, com 1,7 mil agên­ci­as. Se cum­prir a me­ta es­ta­be­le­ci­da, fe­cha­rá 2020 com 2,1 mil.

Pa­ra Da­sen­brock, a op­ção pe­la con­ti­nui­da­de da ex­pan­são es­tá re­la­ci­o­na­da tan­to à de­man­da do cli­en­te da ins­ti­tui­ção quan­to à ne­ces­si­da­de do Si­cre­di de se­guir cres­cen­do em re­giões nas quais ain­da tem pou­ca re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de. Tra­di­ci­o­nal­men­te, diz ele, o ban­co se ex­pan­diu nos gran­des po­los de agro­ne­gó­cio, mas ago­ra quer se des­ven­ci­lhar des­sa associação, cres­cen­do em cen­tros ur­ba­nos.

Em­bo­ra na Re­gião Su­des­te a pre­sen­ça do Si­cre­di ain­da se­ja dis­cre­ta, Da­sen­brock diz que a co­o­pe­ra­ti­va já tem a mai­or re­de fí­si­ca de aten­di­men­to em qua­tro Es­ta­dos: Rio Gran­de do Sul, Pa­ra­ná, Ma­to Gros­so e Ma­to Gros­so do Sul. A co­o­pe­ra­ti­va é a se­gun­da co­lo­ca­da em con­ces­são de cré­di­to ru­ral no País, atrás do BB.

O pre­si­den­te da Roland Berger no Bra­sil, An­to­nio Ber­nar­do, afir­ma que a fa­tia dos ban­cos co­o­pe­ra­ti­vos no País ain­da é bai­xa, de cer­ca de 3% dos de­pó­si­tos. “Es­sa pro­por­ção é de 63% na Fran­ça, de 35% na Ho­lan­da e de 21% na Ale­ma­nha”, ex­pli­ca o exe­cu­ti­vo. En­tre as ins­ti­tui­ções que ti­ve­ram ori­gem nas co­o­pe­ra­ti­vas agrí­co­las es­tão Cre­dit Agri­co­le (Fran­ça) e Ra­bo­bank (Ho­lan­da).

Na Ale­ma­nha, os dois mai­o­res ban­cos co­o­pe­ra­ti­vas pas­sa­ram

An­to­nio Ber­nar­do

por uma fu­são em 2016, cri­an­do o DZ Bank. É al­go que Ber­nar­do afir­ma que po­de­ria ocor­rer no Bra­sil, com a união de Si­cre­di e Si­co­ob. “A eco­no­mia com es­se mo­vi­men­to po­de­ria ge­rar uma si­ner­gia de 25%”, diz.

Jun­tos, os ban­cos co­o­pe­ra­ti­vas tam­bém po­de­ri­am ten­tar re­du­zir as des­van­ta­gens que têm em re­la­ção aos con­cor­ren­tes tra­di­ci­o­nais. Ho­je, se­gun­do a Roland Berger, Si­cre­di e Si­co­ob têm cer­ca de 2,3 mil cor­ren­tis­tas por agên­cia, en­quan­to ban­cos co­muns têm en­tre 5 mil e 6 mil. O vo­lu­me de ven­das tam­bém re­pre­sen­ta cer­ca da me­ta­de do to­tal das ins­ti­tui­ções tra­di­ci­o­nais.

Úni­co ban­co. En­quan­to o BB li­de­rou o fe­cha­men­to de agên­ci­as no País nos pri­mei­ros no­ve me­ses de 2019, com cer­ca de 50% dos en­cer­ra­men­tos de pon­tos de aten­di­men­to, o Si­cre­di vem cres­cen­do de olho nas pe­que­nas e mé­di­as ci­da­des, de acor­do com Da­sen­brock. “Em mais de 200 mu­ni­cí­pi­os, so­mos a úni­ca op­ção de ser­vi­ços fi­nan­cei­ros”, diz o exe­cu­ti­vo.

As co­o­pe­ra­ti­vas es­tão su­jei­tas a re­gu­la­ções do Ban­co Cen­tral. Es­se ti­po de ins­ti­tui­ção é pro­te­gi­da pe­lo Fun­do Ga­ran­ti­dor das Co­o­pe­ra­ti­vas, que ga­ran­te a mes­ma pro­te­ção da pou­pan­ça de até R$ 250 mil aos cli­en­tes. “Di­ria que os ban­cos de co­o­pe­ra­ti­vas ten­dem a ser até mais con­ser­va­do­res do que os di­gi­tais”, diz Ber­nar­do, da Roland Berger.

O Si­cre­di tam­bém en­trou na on­da dos ban­cos di­gi­tais, com a pla­ta­for­ma Wo­op, que ofe­re­ce con­ta cor­ren­te, car­tão de cré­di­to e pa­ga­men­tos. Por en­quan­to, tra­ta-se de um pro­je­to in­ci­pi­en­te. En­quan­to ban­cos di­gi­tais co­mo o Nu­bank já pas­sa­ram da mar­ca de 10 mi­lhões de cli­en­tes, o Wo­op, por en­quan­to, tem me­nos de 100 mil cor­ren­tis­tas.

“No Bra­sil, os ban­cos co­o­pe­ra­ti­vas re­pre­sen­tam 3% do to­tal de de­pó­si­tos. Na Fran­ça, es­sa pro­por­ção é de 63%.”

PRE­SI­DEN­TE DA ROLAND BERGER

ALEX SIL­VA/ES­TA­DÃO

Ex­pan­são. Si­cre­di tem uma uni­da­de na Ave­ni­da Pau­lis­ta e bus­ca cres­cer no Es­ta­do de SP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.