‘Há um pú­bli­co que quer es­sas his­tó­ri­as’

O Estado de S. Paulo - - Caderno2 - DI­RE­TOR Ar­man­do Pra­ça / L.C.M.

Ce­a­ren­se (de Ara­ca­ti), com ex­ten­so cur­rí­cu­lo co­mo di­re­tor de cur­tas e as­sis­ten­te, Ar­man­do Pra­ça de­mo­rou dez anos pa­ra con­cre­ti­zar sua es­treia no lon­ga. Em fe­ve­rei­ro, ele mos­trou Gre­ta no Pa­no­ra­ma, em Ber­lim. Em se­tem­bro, venceu o Ci­ne Ce­a­rá – me­lhor fil­me, di­re­ção e ator, pa­ra Mar­co Na­ni­ni.

Por que a pe­ça de Fer­nan­do Mel­lo?

Pro­cu­rei du­ran­te mui­to tem­po o que se­ria meu pri­mei­ro lon­ga. Além de ci­ne­ma, es­tu­dei dra­ma­tur­gia e co­nhe­cia a pe­ça, que é con­si­de­ra­da pre­cur­so­ra do bes­tei­rol e de au­to­res co­mo Mau­ro Ra­si. Mas is­so foi há mais de dez anos. As­sis­ti a uma mon­ta­gem, que foi um su­ces­so de pú­bli­co, mas abor­da­va a so­li­dão des­se universo gay e mar­gi­nal com pre­con­cei­to, co­mo mo­ti­vo de cha­co­ta e pa­ra rir do ‘vi­a­do’. Quan­do en­ca­rei se­ri­a­men­te a adap­ta­ção, dei-me con­ta de que se­ria ne­ces­sá­rio to­do um tra­ba­lho de res­ga­te da es­sên­cia des­ses per­so­na­gens. Sem for­çar o hu­mor, o que res­sal­ta é o dra­ma e eu pau­tei mi­nha adap­ta­ção pe­la cha­ve do me­lo­dra­ma à ma­nei­ra do ale­mão Rai­ner Wer­ner Fas­s­bin­der, que é um gran­de di­re­tor, a qu­em ad­mi­ro mui­to.

Na­ni­ni?

Con­fes­so que eu pre­ci­sa­va de um pla­no B, ca­so ele não acei­tas­se, mas des­de o iní­cio ele era a mi­nha op­ção nú­me­ro um. Pa­ra mim, era ab­so­lu­ta­men­te ne­ces­sá­rio evi­tar a ca­ri­ca­tu­ra e eu ti­nha cer­te­za de que com Na­ni­ni con­se­gui­ria. Ti­ve a sor­te de con­se­guir mon­tar es­se gran­de elen­co. Além do Na­ni­ni, que qu­e­ria es­se per­so­na­gem e foi de uma en­tre­ga, de uma ver­da­de mui­to gran­de, a De­ni­se (Wein­berg), o Dé­mick (Lo­pes), a Gret­ta Starr, que foi ma­ra­vi­lho­sa.

Se vo­cê co­me­çou a tra­ba­lhar no pro­je­to há dez anos, era ou­tro mun­do, ou­tro Bra­sil. Co­mo foi che­gar até aqui?

Foi so­fri­do. Há dez anos o Bra­sil era um, quan­do fil­mei era ou­tro e ago­ra, na es­treia, um mui­to pi­or. Ape­sar do ran­ço mo­ra­lis­ta e do con­ser­va­do­ris­mo, o que sin­to é que há um pú­bli­co que quer es­sas his­tó­ri­as, e nós va­mos con­tá-las.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.