Bi­e­nal de ví­deo traz co­le­ti­vos à mar­gem

Em sua 21ª edi­ção, ex­po­si­ção dis­cu­te na­ci­o­na­lis­mos, dis­pu­tas e con­fli­tos

O Estado de S. Paulo - - Caderno2 - Thaís Fer­raz ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO

São mais de 60 obras, cri­a­das por 55 ar­tis­tas de 28 paí­ses. Com o te­ma Co­mu­ni­da­des Ima­gi­na­das, a 21.ª Bi­e­nal de Ar­te Con­tem­po­râ­nea Sesc_Vi­de­o­bra­sil, que es­treia nes­ta quar­ta-fei­ra, 9, es­ta­be­le­ce diá­lo­gos pos­sí­veis a par­tir de te­mas em co­mum: por um la­do, a as­cen­são de na­ci­o­na­lis­mos em par­tes do mun­do e, por ou­tro, co­le­ti­vi­da­des que vi­vem “além, às mar­gens ou nas bre­chas” dos Es­ta­dos-na­ção.

In­te­gran­te do trio de cu­ra­do­res da mos­tra, Ga­bri­el Bo­gos­si­an afir­ma que a edi­ção tem for­te car­ga po­lí­ti­ca – nes­te ano, tal­vez mais do que nos ou­tros, diz. “A pre­sen­ça in­dí­ge­na e de gru­pos ati­vis­tas traz uma ur­gên­cia pa­ra a dis­cus­são de ques­tões con­tem­po­râ­ne­as”, ex­pli­ca.

Ele se re­fe­re a dois as­pec­tos. Gran­des des­ta­ques da edi­ção, ar­tis­tas in­dí­ge­nas ou de po­vos ori­gi­ná­ri­os de se­te paí­ses (Bra­sil, Es­ta­dos Uni­dos, Ca­na­dá, Mé­xi­co, Pe­ru e No­va Ze­lân­dia) tra­zem ao even­to ins­ta­la­ções, ví­de­os e ou­tras for­mas de ar­te. A eles, so­mam-se os mo­vi­men­tos #Vo­teLGBT, da área de po­lí­ti­ca, e MLB (Mo­vi­men­to de Lu­tas nos Bair­ros, Vi­las e Fa­ve­las).

Em­bo­ra pos­sa des­per­tar uma re­fe­rên­cia utó­pi­ca, a te­má­ti­ca do even­to, ins­pi­ra­da no clás­si­co es­tu­do do his­to­ri­a­dor e ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Be­ne­dict An­der­son (Co­mu­ni­da­des Ima­gi­na­das), aca­ba reu­nin­do mui­tos re­tra­tos de vi­o­lên­cia. São tra­ba­lhos que jo­gam luz a ten­sões ra­ci­ais, abor­dam con­fli­tos fron­tei­ri­ços ou ex­põem a re­a­li­da­de de gru­pos mar­gi­na­li­za­dos so­ci­al­men­te.

Da Re­pú­bli­ca do Be­nim, re­gião oci­den­tal da Áfri­ca que faz fron­tei­ra com Burqi­na Fa­so e Ni­gé­ria, o artista vi­su­al Thi­er­ry Ous­sou exi­be a vi­de­oins­ta­la­ção What is Left of the Su­gar Cu­bes? (O que res­ta dos cu­bos de açú­car?), de­sen­vol­vi­da no Bra­sil. Na obra, sur­gem o Mu­seu Na­ci­o­nal, ví­ti­ma de um in­cên­dio em 2018, e o Mu­seu Me­mo­ri­al Ce­mi­té­rio dos Pre­tos No­vos, cons­truí­do em tor­no de os­sa­das de es­cra­vos en­con­tra­das pe­los pro­pri­e­tá­ri­os de uma ca­sa na re­gião por­tuá­ria do Rio.

Com o açú­car co­mo me­tá­fo­ra, o artista re­fle­te so­bre o que se man­tém e o que se per­de nas ins­ti­tui­ções. “Eu tra­ba­lho mui­to com a ques­tão de he­ran­ça”, ex­pli­ca. “O en­con­tro des­sas os­sa­das mos­tra co­mo pou­co se sa­be so­bre a his­tó­ria afri­ca­na no Bra­sil.”

A obra ti­ra o es­pec­ta­dor da zo­na de con­for­to – co­mo, com mais ou me­nos in­ten­si­da­de, fa­zem as ou­tras. De Ma­ceió, o artista Jo­nathas de An­dra­de, por exem­plo, tra­ba­lha com uma ima­gem de um Je­sus ára­be na obra Pro­cu­ran­do Je­sus. “De on­de eu ve­nho, Je­sus é um ho­mem loi­ro e de olhos azuis”, ex­pli­ca o artista no tex­to que acom­pa­nha a obra. A ideia, con­ta Jo­nathas, sur­giu du­ran­te uma re­si­dên­cia na ci­da­de de Amã, na Jor­dâ­nia. “Eu es­ta­va ca­mi­nhan­do pe­lo Rio Jor­dão e per­ce­bi que se­ria im­pos­sí­vel Je­sus ter as ca­rac­te­rís­ti­cas que co­nhe­ce­mos”, afir­ma.

A par­tir daí, Jo­nathas pas­sou a re­gis­trar ho­mens do dia a dia, tra­ba­lha­do­res do cen­tro da ci­da­de que po­di­am, de cer­ta for­ma, ser uma re­pre­sen­ta­ção mais fi­el de Je­sus. Ao ter­mi­nar, fez uma vo­ta­ção, tam­bém com pes­so­as co­muns, pa­ra sa­ber qu­em po­de­ria ser mais pa­re­ci­do. “Eu me­xi com du­as ques­tões: o ta­bu do ‘ros­to do pro­fe­ta’ e o da vo­ta­ção, em um país que não tem pro­ces­sos elei­to­rais de­mo­crá­ti­cos”, ex­pli­ca.

About Ca­me­ras, Spi­rits and Oc­cu­pa­ti­ons: a Mon­ta­ge-Es­say Trpty­ch (So­bre câ­me­ras, es­pí­ri­tos e ocu­pa­ções: um tríp­ti­co de mon­ta­ge­men­saio) traz, além da re­fle­xão, um ape­lo. Re­a­li­za­da no Va­le do Ja­va­ri, ter­ra in­dí­ge­na pró­xi­ma à fron­tei­ra do Bra­sil com a Colôm­bia e o Pe­ru, a obra reú­ne três ví­de­os, no for­ma­to cur­ta-me­tra­gem, pro­du­zi­dos in­di­vi­du­al ou co­le­ti­va­men­te. Sha­pu Mëo, in­dí­ge­na da et­nia ma­tis e di­re­tor do cur­ta The Ma­tis An­ces­tral Spi­rit of Ma­diwin and the Corn Party (O es­pí­ri­to an­ces­tral Ma­tis, Ma­diwin e a fes­ta do mi­lho), afir­ma que o ob­je­ti­vo da obra é cha­mar aten­ção pa­ra o que vi­vem, ho­je, os gru­pos in­dí­ge­nas da re­gião. “Nós vi­e­mos mos­trar co­mo é a si­tu­a­ção no Va­le, co­mo a gen­te vi­ve, o que a gen­te co­me”, diz. “Is­so é im­por­tan­te pa­ra qu­em não co­nhe­ce, mas tam­bém pa­ra pas­sar­mos nos­so ri­tu­al pa­ra as pró­xi­mas ge­ra­ções. Nós não po­de­mos per­der is­so.”

JF DIORIO/ES­TA­DÃO

Pon­to de vis­ta. O di­re­tor do cur­ta ‘The Ma­tis An­ces­tral Spi­rit of Ma­diwin and the Corn Party’, Sha­pu Mëo, do Va­le do Ja­va­ri

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.