Pro­je­tos es­tre­la­dos

Pi­lo­tos co­mo Sen­na, Vet­tel, Ha­mil­ton e Schu­ma­cher já aju­da­ram a de­sen­vol­ver car­ros de rua

O Estado de S. Paulo - - JORNAL DO CARRO - Ra­fa­e­la Bor­ges ra­fa­e­la.bor­[email protected]

Oper­fil do Mu­seu da Fer­ra­ri no Ins­ta­gram (@mu­sei­fer­ra­ri) pu­bli­cou re­cen­te­men­te uma foto de Mi­cha­el Schu­ma­cher sen­ta­do ao la­do do em­ble­má­ti­co su­pe­res­por­ti­vo En­zo, que fez a ale­gria dos fãs da mar­ca no iní­cio dos anos 2000. Jun­to com a ima­gem, con­tou que o pi­lo­to hep­ta­cam­peão par­ti­ci­pou do de­sen­vol­vi­men­to do car­ro.

É co­mum as mon­ta­do­ras que atu­am na ca­te­go­ria usa­rem seus pi­lo­tos em cam­pa­nhas pa­ra pro­mo­ver no­vos car­ros co­mer­ci­ais. No en­tan­to, são pou­cos os que, de fa­to, ti­ve­ram par­ti­ci­pa­ção no de­sen­vol­vi­men­to de mo­de­los de rua. Além de Schu­ma­cher, es­sa lis­ta in­clui Ayr­ton Sen­na, Lewis Ha­mil­ton e Se­bas­ti­an Vet­tel.

No Sa­lão de Frank­furt (Ale­ma­nha) de 2017, du­ran­te a apre­sen­ta­ção do Pro­ject One, pro­tó­ti­po que deu ori­gem ao su­pe­res­por­ti­vo elé­tri­co Mer­ce­des One, Ha­mil­ton afir­mou que par­ti­ci­pou do de­sen­vol­vi­men­to do car­ro. O pen­ta­cam­peão é pi­lo­to da equi­pe da mon­ta­do­ra des­de 2013.

Vet­tel, após dar al­guns “pi­ta­cos” em car­ros de rua da In­fi­ni­ti (mar­ca de lu­xo da Nis­san) que es­ta­vam em de­sen­vol­vi­men­to, se tor­nou em 2013 um pal­pi­tei­ro pro­fis­si­o­nal. Na­que­le ano, a mar­ca o no­me­ou di­re­tor de Per­for­man­ce. Sua fun­ção: par­ti­ci­par do de­sen­vol­vi­men­to dos car­ros de rua.

O ale­mão par­ti­ci­pou do pro­je­to do Q50 e ocu­pou a fun­ção até o fim de 2014, quan­do dei­xou a equi­pe que en­tão se cha­ma­va In­fi­ni­ti Red Bull – e foi pa­ra a Fer­ra­ri.

PI­LO­TOS DO PAS­SA­DO

O ca­so mais em­ble­má­ti­co de par­ti­ci­pa­ção de pi­lo­tos de F1 no de­sen­vol­vi­men­to de car­ros de rua en­vol­ve Ayr­ton Sen­na e o Hon­da NSX. A mar­ca ja­po­ne­sa era for­ne­ce­do­ra de mo­to­res pa­ra a McLa­ren, equi­pe do bra­si­lei­ro en­tre 1988 e 1993.

A Hon­da es­ta­va tra­ba­lhan­do no de­sen­vol­vi­men­to de seu es­por­ti­vo, o NSX. Em 1989, Sen­na tes­ta­va mo­to­res em seu McLa­ren no cir­cui­to de Su­zu­ka. O pes­so­al da di­vi­são de au­to­mó­veis da fa­bri­can­te tam­bém es­ta­va por ali, tes­tan­do o pro­tó­ti­po NSX, com Sa­to­ru Na­ka­ji­ma ao vo­lan­te.

Sen­na en­tão di­ri­giu o car­ro. De ca­ra, dis­se ao pes­so­al da Hon­da que ele pa­re­cia mui­to frá­gil. Di­an­te do pal­pi­te, fo­ram fei­tas mu­dan­ças no pro­je­to. E Sen­na pas­sou a colaborar com ele, la­pi­dan­do o car­ro.

O bra­si­lei­ro aca­bou se tor­nan­do pro­pri­e­tá­rio de um NSX pre­to, que até ho­je per­ten­ce à sua fa­mí­lia.

Schu­ma­cher, por sua vez, te­ve pa­pel fun­da­men­tal no de­sen­vol­vi­men­to da in­te­ra­ção en­tre ho­mem e car­ro, na Fer­ra­ri En­zo. É o que ex­pli­ca o post no per­fil do mu­seu da mon­ta­do­ra ita­li­a­na.

Além da En­zo, o ale­mão tra­ba­lhou tam­bém no de­sen­vol­vi­men­to da F430 F1 Scu­de­ria. O hep­ta­cam­peão “afi­nou” o su­pe­res­por­ti­vo.

KAI PFAFFENBAC­H/REUTERS

Ha­mil­ton deu ‘pi­ta­cos’ no One, hi­per­car­ro da mar­ca Mer­ce­des

IN­FI­NI­TI/DI­VUL­GA­ÇÃO

Em 2013, Vet­tel foi no­me­a­do di­re­tor de Per­for­man­ce da In­fi­ni­ti. Ele atu­ou no pro­je­to do mo­de­lo Q50

MUSEI FER­RA­RI/DI­VUL­GA­ÇÃO

‘‘Schummy’’ tra­bal­lhou no proj­je­to da Fer­ra­rii En­zo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.