In­dí­ge­nas in­va­dem Con­gres­so do Equa­dor

For­ça­do a dei­xar Qui­to em ra­zão dos pro­tes­tos, pre­si­den­te ofe­re­ce diá­lo­go a in­dí­ge­nas e se diz dis­pos­to a aceitar me­di­a­ção da ONU ou da Igre­ja Ca­tó­li­ca pa­ra re­sol­ver cri­se na véspera de uma gran­de ma­ni­fes­ta­ção pro­gra­ma­da pa­ra ho­je na capital

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Ma­ni­fes­tan­tes li­ga­dos ao mo­vi­men­to in­dí­ge­na in­va­di­ram on­tem o pré­dio da As­sem­bleia Na­ci­o­nal em Qui­to, ho­ras de­pois de o pre­si­den­te Le­nín Mo­re­no trans­fe­rir a se­de do go­ver­no pa­ra Gu­aya­quil em ra­zão do ca­os ins­tau­ra­do na capital. Em seis di­as de pro­tes­tos con­tra o au­men­to dos com­bus­tí­veis, du­as pes­so­as mor­re­ram e 570 fo­ram pre­sas.

Ma­ni­fes­tan­tes li­ga­dos à Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal In­dí­ge­na do Equa­dor (Co­naie) in­va­di­ram on­tem o pré­dio da As­sem­bleia Na­ci­o­nal em Qui­to, ho­ras de­pois de o pre­si­den­te Le­nín Mo­re­no trans­fe­rir a se­de do go­ver­no pa­ra Gu­aya­quil, no li­to­ral, em ra­zão do ca­os ins­tau­ra­do na capital. Os in­dí­ge­nas, uma das prin­ci­pais for­ças po­lí­ti­cas do país, to­ma­ram o edi­fí­cio aos gri­tos de “Fo­ra, Mo­re­no!”, mas fo­ram re­ti­ra­dos pe­la po­lí­cia mi­nu­tos de­pois.

O pré­dio foi in­va­di­do de­pois de os ma­ni­fes­tan­tes rom­pe­rem gra­des de pro­te­ção na en­tra­da prin­ci­pal. Os lí­de­res da Co­naie pe­di­ram aos ma­ni­fes­tan­tes, mui­tos de­les jo­vens, que não en­tras­sem em con­fron­to. Se­gun­do tes­te­mu­nhas, a po­lí­cia cer­cou o quar­tei­rão da As­sem­bleia e dis­pa­rou bom­bas de gás la­cri­mo­gê­neo.

Mais de 10 mil pes­so­as se con­cen­tram em Qui­to à es­pe­ra de uma gran­de ma­ni­fes­ta­ção ho­je con­tra o pre­si­den­te. Mo­re­no ofe­re­ceu on­tem o “diá­lo­go” aos in­dí­ge­nas, mas eles di­zem que so­men­te con­ver­sa­rão de­pois da mo­bi­li­za­ção. Acu­a­do, o go­ver­no do Equa­dor afir­mou que acei­ta­ria a me­di­a­ção da ONU ou da Igre­ja Ca­tó­li­ca. “A úni­ca resposta é diá­lo­go e fir­me­za ao mes­mo tem­po”, dis­se o se­cre­tá­rio da pre­si­dên­cia, Ju­an Se­bas­tián Rol­dán, a uma rá­dio lo­cal.

“Não te­mos pro­ble­ma em aceitar a me­di­a­ção su­ge­ri­da pe­la ONU, por al­guns mem­bros da Igre­ja e rei­to­res (das uni­ver­si­da­des).” On­tem, mor­reu o se­gun­do ma­ni­fes­tan­te na on­da de pro­tes­tos. Se­gun­do o go­ver­no, 570 pes­so­as já fo­ram pre­sas.

A cri­se no Equa­dor to­mou no­vas di­men­sões on­tem, no sex­to dia de pro­tes­tos. Di­an­te da chegada à capital de mi­lha­res de in­dí­ge­nas que re­jei­tam o fim dos sub­sí­di­os aos com­bus­tí­veis de­cre­ta­do pe­lo pre­si­den­te, Mo­re­no de­ci­diu trans­fe­rir a se­de do go­ver­no de Qui­to pa­ra Gu­aya­quil, com ba­se no es­ta­do de ex­ce­ção de­cre­ta­do na semana pas­sa­da pa­ra ten­tar su­fo­car a re­be­lião.

Com o es­ta­do de ex­ce­ção – que em prin­cí­pio foi de­cre­ta­do por 60 di­as, mas que a Cor­te Cons­ti­tu­ci­o­nal res­trin­giu pa­ra ape­nas 30 –, os mi­li­ta­res fo­ram en­vi­a­dos às ru­as e o go­ver­no po­de li­mi­tar di­rei­tos e im­por cen­su­ra pré­via à im­pren­sa.

Os pro­tes­tos con­tra Mo­re­no co­me­ça­ram no dia 3, de­pois de o go­ver­no anun­ci­ar o cor­te de sub­sí­di­os pa­ra com­bus­tí­veis co­mo par­te de uma re­for­ma econô­mi­ca pre­vis­ta em acor­do de em­prés­ti­mo de US$$ 4,2 bi­lhões do FMI. Sem os sub­sí­di­os, que nas úl­ti­mas qua­tro dé­ca­das dre­na­ram US$ 60 bi­lhões do Es­ta­do, os pre­ços dos com­bus­tí­veis su­bi­ram até 123%.

Os pro­tes­tos con­tra o au­men­to do pre­ço dos com­bus­tí­veis le­va­ram à in­va­são de três cam­pos pe­tro­lí­fe­ros do Equa­dor, na noi­te de se­gun­da-fei­ra, fa­zen­do com que a es­ta­tal Pe­tro­a­ma­zo­nas sus­pen­des­se as ope­ra­ções. Se­gun­do o mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Jo­sé Va­len­cia, o pre­juí­zo che­ga a 53 mil bar­ris de pe­tró­leo e três sus­pei­tos fo­ram pre­sos.

Gol­pe. Ra­fa­el Correa, ex-pre­si­den­te do Equa­dor, ne­gou on­tem que es­te­ja or­ques­tran­do um gol­pe con­tra Mo­re­no em seu exí­lio vo­lun­tá­rio na Bél­gi­ca. On­tem, o pre­si­den­te tam­bém acu­sou Correa de ten­tar der­ru­bá-lo com aju­da do pre­si­den­te da Ve­ne­zu­e­la, Ni­co­lás Ma­du­ro. “São tão men­ti­ro­sos que se con­tra­di­zem. Di­zem que sou tão po­de­ro­so que, de Bru­xe­las, com um iPho­ne, po­de­ria li­de­rar os pro­tes­tos. Es­tão men­tin­do”, dis­se Correa à agên­cia Reuters. “As pes­so­as não aguen­ta­vam mais, es­ta é a ver­da­de”, dis­se, re­fe­rin­do-se às me­di­das de aus­te­ri­da­de de Mo­re­no.

On­tem, se­te paí­ses la­ti­no­a­me­ri­ca­nos anun­ci­a­ram apoio a Mo­re­no e re­jei­ta­ram “to­da ação” de Ma­du­ro pa­ra de­ses­ta­bi­li­zar o Equa­dor. “Ar­gen­ti­na, Bra­sil, Colôm­bia, El Sal­va­dor, Gu­a­te­ma­la, Pe­ru e Pa­ra­guai ma­ni­fes­tam seu pro­fun­do re­cha­ço a to­da ten­ta­ti­va de de­ses­ta­bi­li­zar os re­gi­mes de­mo­crá­ti­cos le­gi­ti­ma­men­te cons­ti­tuí­dos e ex­pres­sam seu fir­me apoio a to­das as ações em­pre­en­di­das pe­lo pre­si­den­te Le­nín Mo­re­no”, diz a no­ta di­vul­ga­da em Bo­go­tá.

Correa, que tem uma or­dem de cap­tu­ra no Equa­dor pe­la acu­sa­ção de cor­rup­ção, dis­se es­tar dis­pos­to a vol­tar a seu país se no­vas elei­ções fo­rem con­vo­ca­das. Os dois, Mo­re­no e Correa, nem sem­pre es­ti­ve­ram em la­dos opos­tos. Quan­do foi elei­to, em 2017, o atu­al pre­si­den­te ti­nha apoio de Correa. Lo­go em se­gui­da, Mo­re­no rom­peu com seu pa­dri­nho po­lí­ti­co e se afas­tou do ide­al bo­li­va­ri­a­no.

CAR­LOS GARCIA RAWLINS/REUTERS

Pro­tes­to. En­quan­to ma­ni­fes­tan­tes ocu­pa­vam As­sem­bleia Na­ci­o­nal, em Qui­to, Mo­re­no es­ca­pa­va do ca­os da capital trans­fe­rin­do o go­ver­no pa­ra Gu­aya­quil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.