Man­chas che­gam per­to de ri­os em SE; óleo tem ‘as­si­na­tu­ra’ ve­ne­zu­e­la­na

Am­bi­en­te. Pe­lo me­nos 138 pon­tos do li­to­ral dos no­ve Es­ta­dos da Re­gião Nor­des­te fo­ram afe­ta­dos até ago­ra, pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro diz que não des­car­ta ação cri­mi­no­sa. Go­ver­no de Ser­gi­pe pla­ne­ja usar boi­as pa­ra evi­tar que o ma­te­ri­al che­gue ao Rio São Fran

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - An­dré Bor­ges / BRA­SÍ­LIA / COLABORARA­M ANNE WARTH e MA­RI­A­NA HAUBERT, AN­TO­NIO CAR­LOS GARCIA, MICHELLE FERRET e JESSICA NAKAMURA, ESPECIAIS PA­RA O ES­TA­DO

As man­chas de pe­tró­leo já atin­gem 138 pon­tos do Nor­des­te e Ser­gi­pe pe­diu à Pe­tro­brás boi­as pa­ra evi­tar que a con­ta­mi­na­ção che­gue a ri­os, co­mo Va­za Bar­ris (foto) e São Fran­cis­co. Es­tu­dos apon­tam que o ma­te­ri­al tem “a mes­ma as­si­na­tu­ra” do óleo da Ve­ne­zu­e­la.

In­ves­ti­ga­ções si­gi­lo­sas da Ma­ri­nha e da Pe­tro­brás en­con­tra­ram pe­tró­leo com a mes­ma “as­si­na­tu­ra” do óleo da Ve­ne­zu­e­la em man­chas que se es­pa­lha­ram até ago­ra por pe­lo me­nos 138 pon­tos do li­to­ral dos 9 Es­ta­dos do Nor­des­te. On­tem, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro dis­se não des­car­tar uma ação cri­mi­no­sa. E o Ser­gi­pe pla­ne­ja usar boi­as pa­ra im­pe­dir que o ma­te­ri­al atin­ja a ba­cia de ri­os, co­mo Va­za Bar­ris e São Fran­cis­co.

Se­gun­do uma fon­te da al­ta cú­pu­la do go­ver­no, ou­vi­da pe­lo Es­ta­do, tra­ta-se do mes­mo ti­po de óleo ex­traí­do da Ve­ne­zu­e­la – o que cor­ro­bo­ra ru­mo­res a es­se res­pei­to vei­cu­la­dos des­de a semana pas­sa­da. A con­clu­são já foi in­for­ma­da ao Iba­ma, ór­gão li­ga­do ao Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te. Mas não é pos­sí­vel di­zer que to­do o va­za­men­to que atin­ge prai­as tem a mes­ma ori­gem. A Ma­ri­nha e a Po­lí­cia Fe­de­ral ana­li­sam amos­tras e não de­ram in­for­ma­ções ofi­ci­ais.

Ain­da on­tem, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro afir­mou que há a pos­si­bi­li­da­de de que o der­ra­ma­men­to te­nha si­do cri­mi­no­so. Ele, no en­tan­to, pon­de­rou que as in­ves­ti­ga­ções es­tão em cur­so. O Es­ta­do ques­ti­o­nou a Pe­tro­brás so­bre a pos­sí­vel pre­sen­ça de óleo da Ve­ne­zu­e­la nas ins­ta­la­ções da re­fi­na­ria Abreu e Li­ma, es­tru­tu­ra que, em prin­cí­pio, se­ria cons­truí­da com a par­ce­ria da es­ta­tal PDVSA. A Pe­tro­brás in­for­mou que nun­ca pro­ces­sou óleo de ori­gem ve­ne­zu­e­la­na em Abreu e Li­ma.

Por meio de no­ta, a es­ta­tal de­cla­rou que a aná­li­se re­a­li­za­da pe­la em­pre­sa em amos­tras de pe­tró­leo cru en­con­tra­do em prai­as do Nor­des­te “ates­tou, por meio da ob­ser­va­ção de mo­lé­cu­las es­pe­cí­fi­cas, que a fa­mí­lia de com­pos­tos or­gâ­ni­cos do ma­te­ri­al en­con­tra­da não é com­pa­tí­vel com a dos óle­os pro­du­zi­dos e co­mer­ci­a­li­za­dos pe­la com­pa­nhia”. Os tes­tes fo­ram realizados nos la­bo­ra­tó­ri­os do Cen­tro de Pes­qui­sas da Pe­tro­brás (Cen­pes), no Rio.

“Nós te­mos is­so bem do­cu­men­ta­do, co­le­ta­mos 23 amos­tras, nos­so cen­tro de pes­qui­sas re­a­li­zou aná­li­ses bi­oquí­mi­cas e che­gou à con­clu­são de que não se tra­ta de ne­nhum óleo pro­du­zi­do e/ou co­mer­ci­a­li­za­do pe­la Pe­tro­bras”, dis­se o pre­si­den­te da Pe­tro­brás, Roberto Castello Bran­co, após au­di­ên­cia na Câ­ma­ra. Se­gun­do ele, já fo­ram re­co­lhi­das 133 to­ne­la­das de re­sí­duo ole­o­so de prai­as.

O Es­ta­do pro­cu­rou a es­ta­tal PDVSA, que não se pro­nun­ci­ou. As in­ves­ti­ga­ções so­bre a ori­gem do óleo ain­da não avan­ça­ram. Pa­ra David Zee, pro­fes­sor da Faculdade de Oce­a­no­gra­fia da Uni­ver­si­da­de do Es­ta­do do Rio (Uerj), o va­za­men­to de um na­vio cons­ti­tui “uma hi­pó­te­se pos­sí­vel”. “Pe­la quan­ti­da­de es­pa­lha­da po­de até ser a car­ga com­ple­ta de um pe­tro­lei­ro.”

Em no­ta, a Ma­ri­nha dis­se ter em­pe­nha­do 1.583 mi­li­ta­res, 5 na­vi­os e 1 ae­ro­na­ve nes­sas ope­ra­ções de aná­li­se e mo­ni­to­ra­men­to. A Ma­ri­nha ain­da clas­si­fi­cou a ocor­rên­cia co­mo “iné­di­ta”.

Boi­as e pre­o­cu­pa­ção. O go­ver­no de Ser­gi­pe anun­ci­ou nes­ta ter­ça que co­lo­ca­rá boi­as ab­sor­ven­tes pa­ra evi­tar que o óleo que po­lui a zo­na li­to­râ­nea ser­gi­pa­na en­tre nos ri­os, so­bre­tu­do o São Fran­cis­co. Os equi­pa­men­tos se­rão ce­di­dos pe­la Pe­tro­brás. O tra­ba­lho de re­ti­ra­da do óleo da cos­ta con­ti­nua, as­sim co­mo o mo­ni­to­ra­men­to, tan­to por par­te da Ad­mi­nis­tra­ção Es­ta­du­al do Meio Am­bi­en­te (Ade­ma) co­mo por ór­gãos fe­de­rais.

A si­tu­a­ção pre­o­cu­pa, além das au­to­ri­da­des, am­bi­en­ta­lis­tas. “Sem dú­vi­da é o mai­or de­sas­tre am­bi­en­tal no li­to­ral do Nor­des­te do Bra­sil”, diz Flá­vio Li­ma, co­or­de­na­dor ge­ral do Pro­je­to Ce­tá­ce­os da Cos­ta Bran­ca da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Rio Gran­de do Nor­te (UERN). Ele e sua equi­pe es­tão en­vol­vi­dos no aten­di­men­to dos ani­mais con­ta­mi­na­dos pe­lo óleo de ori­gem ain­da des­co­nhe­ci­da e iden­ti­fi­ca­do co­mo pe­tró­leo cru.

Até o mo­men­to, em to­do o Nor­des­te, 16 tar­ta­ru­gas ma­ri­nhas, es­pé­cie ame­a­ça­da de ex­tin­ção, fo­ram con­ta­mi­na­das pe­la subs­tân­cia – e o lan­ça­men­to de­las tam­bém dei­xou de ocor­rer (mais in­for­ma­ções nes­ta pá­gi­na). O va­za­men­to do óleo já atin­ge 61 mu­ni­cí­pi­os.

“Além do ris­co de con­ta­mi­na­ção pa­ra a me­ga­fau­na ma­ri­nha lo­cal, que en­vol­ve di­ver­sas es­pé­ci­es de aves, ce­tá­ce­os e o pei­xe-boi marinho, es­pé­cie de ma­mí­fe­ro marinho mais ame­a­ça­da de ex­tin­ção do País, é pre­o­cu­pan­te a ex­po­si­ção da po­pu­la­ção e dos ato­res lo­cais que uti­li­zam as prai­as afe­ta­das”, aler­ta o co­or­de­na­dor.

• Des­pe­jo

“Não que­ro ge­rar um pro­ble­ma com ou­tros paí­ses. É um vo­lu­me que não es­tá sen­do cons­tan­te. Pa­re­ce que cri­mi­no­sa­men­te al­go foi des­pe­ja­do lá.” Jair Bol­so­na­ro PRE­SI­DEN­TE

ADE­MA

Va­za Bar­ris. Boi­as pa­ra con­ter ris­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.