BRA­SIL, O PAÍS DAS ‘EDTECHS’

Bra­sil tem mais de 700 star­tups de edu­ca­ção

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Gi­o­van­na Wolf

Se­tor de edu­ca­ção con­ta com 748 star­tups. As que têm re­gis­tra­do cres­ci­men­to mais ace­le­ra­do são as vol­ta­das ao pú­bli­co fi­nal (pais ou alu­nos).

Lí­der em nú­me­ro de em­pre­sas, se­tor ofe­re­ce so­lu­ções co­mo cré­di­to es­tu­dan­til, re­for­ço e agen­da on­li­ne

Mais de 48,5 mi­lhões de es­tu­dan­tes fre­quen­tam o en­si­no bá­si­co no Bra­sil, se­gun­do da­dos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­tu­dos e Pes­qui­sas Edu­ca­ci­o­nais (Inep) – jun­tos, os alu­nos do País lo­ta­ri­am 617 ve­zes o es­tá­dio do Ma­ra­ca­nã. Os nú­me­ros gi­gan­tes da edu­ca­ção bra­si­lei­ra tam­bém va­lem pa­ra quan­do o as­sun­to são star­tups: ho­je, o se­tor é o mai­or do País em em­pre­sas no­va­tas de tec­no­lo­gia, se­gun­do a Associação Bra­si­lei­ra de Star­tups (ABS­tar­tups). Ao to­do, há 748 edtechs no País – o ape­li­do é da­do a em­pre­sas de tec­no­lo­gia vol­ta­das pa­ra edu­ca­ção.

Al­gu­mas de­las têm re­gis­tra­do cres­ci­men­to ace­le­ra­do: é o ca­so da Que­ro Edu­ca­ção, de São Jo­sé dos Cam­pos (SP). No úl­ti­mo ano, a em­pre­sa sal­tou de 400 pes­so­as pa­ra 700. A Que­ro é do­na de uma pla­ta­for­ma que au­xi­lia pais a acha­rem es­co­las de cus­to aces­sí­vel, com fa­ci­li­da­de de pa­ga­men­to e des­con­tos de até 70%. “Co­me­ça­mos fo­ca­dos no en­si­no su­pe­ri­or, mas es­ta­mos ver­ti­ca­li­zan­do a ope­ra­ção pa­ra aten­der a qual­quer ti­po de cur­so”, diz Ber­nar­do de Pá­dua, pre­si­den­te da star­tup.

Fun­da­da em 2012, a em­pre­sa ga­nha di­nhei­ro ao re­ce­ber uma fa­tia de ca­da men­sa­li­da­de pa­ga por meio de sua pla­ta­for­ma. Ho­je, já tem mais de 500 mil es­tu­dan­tes ma­tri­cu­la­dos. “Em dois anos, que­re­mos che­gar a ou­tros paí­ses, co­me­çan­do a ex­pan­são pe­la Amé­ri­ca La­ti­na”, diz Pá­dua, que em­pre­sa per­to de 35 no­vos fun­ci­o­ná­ri­os por mês.

Ou­tra em­pre­sa que tem se des­ta­ca­do no se­tor é a Des­com­pli­ca, uma ins­ti­tui­ção de en­si­no di­gi­tal que tem mais de 500 mil as­si­nan­tes no País – eles pa­gam a par­tir de R$ 9,90 por mês pa­ra ter aces­so ili­mi­ta­do a au­las e fer­ra­men­tas de es­tu­do on­li­ne.

Fun­da­da em 2011 pe­lo pro­fes­sor de fí­si­ca Mar­co Fisbhen, a star­tup fi­cou fa­mo­sa pe­los con­teú­dos vol­ta­dos ao Enem, mas ho­je tam­bém for­ne­ce ma­te­ri­ais pa­ra con­cur­sos e au­las de pós­gra­du­a­ção on­li­ne. To­dos os pro­fes­so­res da em­pre­sa são con­tra­ta­dos. Nos úl­ti­mos anos, a star­tup le­van­tou US$ 32,5 mi­lhões em qua­tro ro­da­das de in­ves­ti­men­to. “Te­mos o de­sa­fio de con­se­guir ca­da vez mais alu­nos e mu­dar a re­pu­ta­ção do en­si­no on­li­ne no Bra­sil, que não é mui­to bem-vis­to”, diz o fun­da­dor da Des­com­pli­ca.

Tan­to a Que­ro Edu­ca­ção quan­to a Des­com­pli­ca ofe­re­cem ser­vi­ços vol­ta­dos ao pú­bli­co fi­nal, se­jam eles pais ou alu­nos. “É um ti­po de em­pre­sa que tem uma en­tra­da mai­or nes­se se­tor, que não pre­ci­sa ne­ces­sa­ri­a­men­te pas­sar pe­los obs­tá­cu­los de ven­der um pro­du­to pa­ra as es­co­las, se­jam particular­es ou públicas”, afir­ma Lu­cia Del­lag­ne­lo, di­re­to­ra pre­si­den­te do Cen­tro de Ino­va­ção pa­ra Edu­ca­ção (Ci­eb). Por ou­tro la­do, se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas, apos­tar no pú­bli­co fi­nal é um ca­mi­nho mais tor­tu­o­so, uma vez que, pa­ra ge­rar re­cei­ta, as em­pre­sas pre­ci­sam in­ves­tir mais em mar­ke­ting e di­vul­ga­ção.

Dia a dia. Al­gu­mas star­tups bra­si­lei­ras, en­tre­tan­to, ten­tam en­trar na ro­ti­na das ins­ti­tui­ções de en­si­no. A Agen­da.Edu, por exem­plo, ofe­re­ce uma agen­da di­gi­tal pa­ra me­di­ar a co­mu­ni­ca­ção en­tre es­co­las, pais e alu­nos, com co­mu­ni­ca­dos es­co­la­res e avi­sos de li­ção de ca­sa, por exem­plo. “Um dos só­ci­os per­deu um bi­lhe­te es­co­lar e não com­prou uma más­ca­ra de car­na­val pa­ra a fi­lha. A cri­an­ça foi a úni­ca da sa­la que fi­cou sem o ade­re­ço. Daí sur­giu a star­tup”, con­ta o pre­si­den­te exe­cu­ti­vo da em­pre­sa, An­der­son Mo­rais.

Pa­ra Mo­rais, um dos gran­des de­sa­fi­os da Agen­da.Edu é mos­trar a im­por­tân­cia do ser­vi­ço pa­ra as ins­ti­tui­ções. “Mui­tas ve­zes, a es­co­la tem re­ceio de ino­var. É pre­ci­so ter uma mu­dan­ça de cul­tu­ra”, afir­ma o exe­cu­ti­vo. A Agen­da.Edu tem par­ce­ria com 1,8 mil es­co­las e sis­te­mas de en­si­no, in­cluin­do no­mes co­mo a bri­tâ­ni­ca Pe­ar­son.

Leo Gmei­ner, di­re­tor do Co­mi­tê de Ed­te­ch da ABS­tar­tups, diz que exis­te des­co­nhe­ci­men­to das es­co­las so­bre o universo das star­tups. “É pre­ci­so des­mis­ti­fi­car a tec­no­lo­gia”, afir­ma. “Além dis­so, o ges­tor da es­co­la po­de até es­tar aber­to pa­ra re­ce­ber ino­va­ção, mas não ne­ces­sa­ri­a­men­te tem tem­po pa­ra fa­zer acon­te­cer.”

Qu­em tam­bém apos­ta em uma so­lu­ção pa­ra fa­ci­li­tar o dia a dia das es­co­las é a Es­ko­la­re – do­na de uma lo­ja on­li­ne que faz a pon­te en­tre pais e for­ne­ce­do­res de pro­du­tos e ser­vi­ços co­mo uni­for­mes, ma­te­ri­al es­co­lar e até ade­re­ços pa­ra fes­tas de fim de ano. “No si­te, os pais aces­sam uma vi­tri­ne per­so­na­li­za­da do alu­no, vin­cu­la­da à ins­ti­tui­ção de en­si­no”, diz o fun­da­dor Erick Mou­ti­nho. Ho­je, mais de 200 es­co­las particular­es já usam o ser­vi­ço da Es­ko­la­re.

Fron­tei­ra. En­trar no se­tor pú­bli­co – on­de es­tão pra­ti­ca­men­te qua­tro em ca­da cin­co alu­nos do en­si­no bá­si­co no País – é um de­sa­fio. É tam­bém um obs­tá­cu­lo do se­tor, que pre­ci­sa des­se pú­bli­co pa­ra ga­nhar es­ca­la – um de­sa­fio que ou­tros seg­men­tos de star­tups já con­se­gui­ram su­pe­rar. “Há mui­tas star­tups ge­ran­do ino­va­ção, mas que não con­se­guem ser in­cor­po­ra­das nas es­co­las públicas”, diz Lu­cia, do Ci­eb. “A bu­ro­cra­cia das com­pras públicas, fei­tas pe­las Se­cre­ta­ri­as da Edu­ca­ção, são enor­mes”, diz a di­re­to­ra.

Um ca­mi­nho é a ces­são gra­tui­ta do soft­ware pa­ra tes­tes em es­co­las. É o que fez a Agen­da.Edu. “Sa­bía­mos do de­sa­fio de li­dar com go­ver­nos, en­tão fi­ze­mos con­vê­ni­os com al­gu­mas es­co­las e bus­ca­mos um mo­de­lo de ne­gó­cio viá­vel”, diz o pre­si­den­te exe­cu­ti­vo da star­tup.

Mas, pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas, não bas­ta só apos­tar na tec­no­lo­gia pa­ra sal­var a edu­ca­ção bra­si­lei­ra. “É pre­ci­so sa­ber co­mo usar a fer­ra­men­ta e pa­ra quê. Tam­bém é ne­ces­sá­rio que pro­fes­so­res e ges­to­res te­nham com­pe­tên­cia di­gi­tal”, afir­ma a di­re­to­ra do Ci­eb. “Se usa­da de for­ma mul­ti­di­men­si­o­nal, a tec­no­lo­gia po­de me­lho­rar a qua­li­da­de e a equi­da­de do en­si­no.”

QUE­RO EDU­CA­ÇÃO

Na re­de. Es­ko­la­re, de Mou­ti­nho, cri­ou lo­ja on­li­ne es­co­lar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.