Céu de Na­ta­lie Port­man

Em ‘Lucy in the Sky’, atriz é as­tro­nau­ta que tem sua vi­da mu­da­da ao vol­tar pa­ra a Ter­ra

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Kathryn Shat­tuck / NYT

Em Lucy in the Sky, ela é as­tro­nau­ta e sua vi­da mu­da ao vol­tar à Ter­ra.

Quan­do cri­an­ça, men­te pre­co­ce pa­ra a ci­ên­cia, ela che­gou às se­mi­fi­nais da com­pe­ti­ção In­tel no en­si­no mé­dio, afi­nal, Na­ta­lie Port­man so­nha­va em se tor­nar uma as­tro­nau­ta. Mas co­mo atriz aca­bou in­te­gran­do-se a es­tre­las me­nos ce­les­ti­ais. Por­tan­to, o pa­pel de Lucy, cu­jo en­con­tro com a vas­ti­dão do universo, du­ran­te mis­são da es­ta­ção es­pa­ci­al, de­sen­ca­deia uma cri­se exis­ten­ci­al na Ter­ra em Lucy in the Sky, de No­ah Ha­wley, foi “um pou­co a re­a­li­za­ção de um so­nho”, ad­mi­tiu Port­man. E não era só a pers­pec­ti­va de ves­tir um tra­je es­pa­ci­al.

“Só ver uma mu­lher em sua com­ple­ta hu­ma­ni­da­de, com de­fei­tos, pon­tos for­tes, é uma sor­te”, dis­se ela. “Mui­tas ve­zes, uma mu­lher é ado­rá­vel, ou du­ro­na, ou uma vi­lã. Vo­cê po­de­ria re­su­mi-la em uma pa­la­vra”, afir­mou. “No fi­nal, vo­cê não fi­ca com um sen­ti­men­to úni­co so­bre Lucy.”

Lucy in the Sky, ain­da sem pre­vi­são de es­treia no Bra­sil, é va­ga­men­te ba­se­a­do na his­tó­ria da ex-as­tro­nau­ta Li­sa Nowak, fei­ta co­mo uma lu­va pa­ra os ta­bloi­des, fa­mo­sa por vi­a­jar em 2007 de Hous­ton a Orlando pa­ra ata­car a no­va na­mo­ra­da de seu exa­man­te, usan­do fral­das pa­ra eco­no­mi­zar tem­po em sua jor­na­da.

In­fe­liz­men­te, não há fral­das em Lucy in the Sky, omis­são que frus­trou o pú­bli­co. “O fil­me é fic­ção, di­fe­ren­te­men­te do pon­to de on­de par­tiu a ideia”, con­ta Port­man.

Ven­ce­do­ra do Oscar em Cis­ne Ne­gro e fran­ca de­fen­so­ra do Ti­me’s Up, Port­man em bre­ve es­ta­rá vi­ven­do ou­tra mu­lher Ti­po A: em ju­lho, na San Di­e­go Co­mic-Con, ela le­van­tou o mar­te­lo pa­ra o al­to, pois fo­ra re­ve­la­do que sua per­so­na­gem da Mar­vel, Ja­ne Fos­ter, se­ria un­gi­da co­mo um Thor fe­mi­ni­no em Thor – Lo­ve and Thun­der, pre­vis­to pa­ra 2021.

Li­gan­do de Los An­ge­les, on­de mo­ra com o ma­ri­do, o co­reó­gra­fo e ci­ne­as­ta Ben­ja­min Mil­le­pi­ed, e seus dois fi­lhos pe­que­nos, Port­man, de 38 anos, fa­lou so­bre co­mo na­ve­gar em um mun­do tra­di­ci­o­nal­men­te mas­cu­li­no, tan­to na tela quan­to fo­ra de­la. Es­ses são tre­chos edi­ta­dos da con­ver­sa.

Va­mos co­me­çar com o mis­té­rio da fral­da. Por que não exis­te uma e o que há com es­sa nos­sa fi­xa­ção?

Bem, acho que foi de­ta­lhe pi­can­te da his­tó­ria re­al. Pa­ra nós, não era dis­so que se tra­ta­va. Es­tá­va­mos ten­tan­do en­trar no co­ra­ção dos hu­ma­nos e não o tor­nar es­can­da­lo­so. Pa­re­ce ser um sin­to­ma da cul­tu­ra que cria is­cas pa­ra cli­ques, pois co­lo­car meu no­me e fral­da na mes­ma fra­se pro­va­vel­men­te se­ja útil pa­ra os jor­na­lis­tas.

Lucy tem uma ex­pe­ri­ên­cia de al­te­ra­ção da men­te en­quan­to flu­tua so­zi­nha no es­pa­ço, que faz a vi­da em Hous­ton pa­re­cer su­bi­ta­men­te tão pe­que­na. Vo­cê já ex­pe­ri­men­tou al­go se­me­lhan­te? Vo­cê quer di­zer, co­mo uma cri­se exis­ten­ci­al? (Ri­sos) Per­ce­ben­do nos­sa in­sig­ni­fi­cân­cia e de­pois pon­de­ran­do is­so com o quan­to vo­cê sen­te tu­do. Não co­nhe­ço um ser hu­ma­no que não te­nha en­fren­ta­do is­so em al­gum mo­men­to.

E, no en­tan­to, quan­do Lucy se com­por­ta co­mo um ho­mem com­pe­tin­do pe­la pró­xi­ma mis­são, seu su­per­vi­sor a cas­ti­ga por fi­car mui­to emo­ci­o­nal.

No­ah Ha­wley me fez ver Os Elei­tos – On­de o Fu­tu­ro Co­me­ça, de 1983, co­mo pre­pa­ra­ção pa­ra ter uma no­ção da­que­le am­bi­en­te ex­tre­ma­men­te com­pe­ti­ti­vo, ar­ro­gan­te e ne­bu­lo­so que ocor­re na Na­sa pa­ra con­se­guir tais lu­ga­res em vo­os. Es­sas per­so­na­li­da­des te­me­rá­ri­as que es­tão dis­pos­tas a amar­rar-se a uma bom­ba e mer­gu­lhar no oce­a­no ba­si­ca­men­te em uma con­cha de me­tal que, sim­ples­men­te, cai do es­pa­ço. Que­ro di­zer, é mes­mo uma lou­cu­ra o que eles es­tão fa­zen­do e is­so exi­ge uma per­so­na­li­da­de mui­to es­pe­cí­fi­ca.

E quan­do vo­cê vê os ho­mens fa­zen­do is­so em Os Elei­tos, tu­do pa­re­ce tão di­ver­ti­do e de boa ín­do­le – ca­ras ape­nas brin­can­do um com o ou­tro, sa­be? Mas quan­do vo­cê vê a mim e Za­zie (Be­etz, a ri­val de Lucy) fa­zen­do is­so, sai al­go do ti­po: “Oh, es­sa é uma mu­lher mal­do­sa no seu tra­ba­lho”.

Pen­so que é o mes­mo que ela sen­te quan­do seu tra­je co­me­ça a en­cher de água. Ela sen­te que se um ho­mem fi­zes­se is­so, as pes­so­as di­ri­am: “Oh meu Deus, ve­ja. Ele fa­rá qual­quer coi­sa pa­ra ter­mi­nar a mis­são. Que he­rói”. Com ela, eles di­zem: “Oh, vo­cê é im­pru­den­te e emo­ci­o­nal”. Na ver­da­de, não ti­nha água no ca­pa­ce­te nes­sa ce­na, ti­nha? En­che­mos o ca­pa­ce­te com água, o que foi as­sus­ta­dor, por­que apa­ren­te­men­te is­so é al­go di­fí­cil de fa­zer com a atu­al tec­no­lo­gia de efei­tos especiais. Não sou es­sa per­so­na­li­da­de te­me­rá­ria, en­tão es­se foi um dia de­sa­fi­a­dor. Ba­si­ca­men­te, pren­di a res­pi­ra­ção o má­xi­mo que pu­de e de­pois saí do ca­pa­ce­te, as­sim que não con­se­gui mais pren­der a res­pi­ra­ção. (Ri­sos)

Foi uma ce­na me­nos agra­dá­vel de se fa­zer, de­vo ad­mi­tir. O que mais cha­mou aten­ção na pes­qui­sa com as­tro­nau­tas? É in­te­res­san­te ob­ser­var uma pro­fis­são em que ge­ral­men­te há uma mu­lher em ca­da voo. Até mes­mo es­sa his­tó­ria re­cen­te so­bre co­mo du­as mu­lhe­res (es­ta­vam pro­gra­ma­das pa­ra fa­zer a pri­mei­ra ca­mi­nha­da es­pa­ci­al to­tal­men­te fe­mi­ni­na), mas elas aca­ba­ram ten­do ape­nas um tra­je e uma de­las não po­dia ir – o que era mui­to in­sa­no – mos­tra es­sa ideia de que exis­te só uma re­ser­va pa­ra uma mu­lher, co­mo exis­tem tan­tas ve­zes em po­si­ções po­de­ro­sas. Há um as­sen­to pa­ra uma mu­lher na me­sa do con­se­lho ou em qual­quer ou­tra coi­sa.

A si­tu­a­ção de Lucy me lem­bra o dis­cur­so que vo­cê re­co­men­dou: “Pa­re com a re­tó­ri­ca de que uma mu­lher é lou­ca ou di­fí­cil”. O que me le­va a Ti­me’s Up. O que mais se or­gu­lha de ter re­a­li­za­do? Foi re­al­men­te im­pres­si­o­nan­te co­mo o Ti­me’s Up con­se­guiu mol­dar a con­ver­sa em re­la­ção à igual­da­de sa­la­ri­al e pro­mo­vê-la. Ob­vi­a­men­te, o ti­me de fu­te­bol fe­mi­ni­no dos EUA foi re­al­men­te cru­ci­al pa­ra mol­dar es­sa con­ver­sa. Michelle Wil­li­ams só foi mais lon­ge (em seu dis­cur­so de acei­ta­ção do Emmy).

Foi re­al­men­te in­crí­vel ver co­mo a cul­tu­ra es­tá mu­dan­do ao se fa­lar dis­so. En­tão, as re­cen­tes mu­dan­ças na lei de No­va York que fo­ram pró-so­bre­vi­ven­tes de as­sé­dio se­xu­al, abu­so e agres­são tam­bém fo­ram re­al­men­te in­crí­veis. Eu acho que to­da a con­ver­sa – mu­lhe­res fa­lan­do umas com as ou­tras, mu­lhe­res dan­do mais de­cla­ra­ções públicas – é ins­pi­ra­do­ra pa­ra ca­da uma de nós. Is­so nos tor­na mais ca­pa­zes de sa­ber até co­mo ar­ti­cu­lar o que es­ta­mos sen­tin­do, do que pre­ci­sa­mos. Ain­da há mui­to o que fa­zer, mas tam­bém hou­ve uma mu­dan­ça mui­to rá­pi­da e pa­re­ce que to­dos nós ti­ve­mos uma evo­lu­ção na ve­lo­ci­da­de da luz nos úl­ti­mos anos. Vo­cê es­tá pres­tes a em­bar­car em um no­vo fil­me de Thor, o seu pri­mei­ro des­de Thor – O Mun­do Som­brio em 2013. Três anos atrás, vo­cê dis­se que, até on­de sa­bia, ia pa­rar por ali. Co­mo a fran­quia a se­du­ziu de vol­ta? O ter­cei­ro não acon­te­ce na Ter­ra, on­de Ja­ne mo­ra, en­tão não fa­zia sen­ti­do eu es­tar lá. Quan­do o di­re­tor Tai­ka Wai­ti­ti me trou­xe es­sa ideia – de eu ser Thor fe­mi­ni­no – era uma pers­pec­ti­va em­pol­gan­te. A Mar­vel tem si­do ma­ra­vi­lho­sa ao fa­zer seus fil­mes pa­re­ce­rem mais um re­fle­xo do mun­do e ter super-heróis de to­dos os ti­pos di­fe­ren­tes de pes­so­as. E ter tan­tas pro­ta­go­nis­tas fe­mi­ni­nas (com An­ge­li­na Jo­lie co­mo The­na em Os Eter­nos) tam­bém é mui­to emo­ci­o­nan­te. O fil­me Viú­va Ne­gra (com Scar­lett Johans­son) pa­re­ce in­crí­vel. Co­mo é, afi­nal, tor­nar-se um super-he­rói? Ado­ro ser par­te de al­go que é im­por­tan­te no en­tre­te­ni­men­to pa­ra os jo­vens. Is­so de­fi­ne sua men­ta­li­da­de pa­ra re­co­nhe­cer a in­jus­ti­ça. Re­cen­te­men­te, vi uma pla­ca na mar­cha pe­lo cli­ma na qual um ga­ro­to anun­ci­a­va: “Eu cres­ci com os fil­mes da Mar­vel. Cla­ro que vou lu­tar con­tra o que es­tá er­ra­do”.

E quão pe­sa­do é es­se mar­te­lo? (Ri­sos) É pe­sa­do. Fi­quei sur­pre­sa. / TRA­DU­ÇÃO DE CLAUDIA BOZZO

ROZETTE RAGO/THE NEW YORK TIMES

ROZETTE RAGO/THE NEW YORK TIMES

Na­ta­lie Port­man. Atriz vai vi­ver a ver­são fe­mi­ni­na de Thor no fil­me ‘Lo­ve and Thun­der’, que es­treia em 2021

FOX SEARCHLIGH­T PICTURES

‘Cis­ne Ne­gro’. Pa­pel ren­deu Oscar de me­lhor atriz em 2011

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.