En­si­no téc­ni­co te­rá cur­sos a dis­tân­cia

No­vos Ca­mi­nhos, co­mo foi ba­ti­za­do, pre­vê a abertura de 1,5 mi­lhão de va­gas até 2023 e traz se­me­lhan­ças com o Pro­na­tec de Dil­ma

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Lí­gia For­men­ti / BRA­SÍ­LIA

O Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção (MEC) lan­çou on­tem um pro­gra­ma vol­ta­do pa­ra am­pli­ar a edu­ca­ção pro­fis­si­o­nal e tec­no­ló­gi­ca, que per­mi­te cur­sos a dis­tân­cia. Ba­ti­za­do de No­vos Ca­mi­nhos, ele pre­vê a abertura de 1,5 mi­lhão de va­gas até 2023 e, co­mo adi­an­tou o estadao.com.br, traz uma sé­rie de se­me­lhan­ças com o Pro­na­tec, cri­a­do por Dil­ma Rous­seff. A exem­plo do pro­gra­ma an­te­ri­or, ele pre­vê par­ce­ri­as com o sis­te­ma S e a re­de fe­de­ral e fa­cul­da­des pri­va­das.

Ao anun­ci­ar o No­vos Ca­mi­nhos, o mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Abraham Wein­traub, afir­mou que cur­sos po­de­rão ser da­dos por meio do “en­si­no par­ci­al”, que mes­cla au­las pre­sen­ci­ais com en­si­no a dis­tân­cia. “Es­sa com­bi­na­ção re­duz dra­ma­ti­ca­men­te o cus­to do alu­no por ano”, jus­ti­fi­cou.

O in­ves­ti­men­to por va­ga des­sa mo­da­li­da­de de aula se­ria en­tre R$ 1,5 mil e R$ 2 mil. Além de mais ba­ra­ta, es­sa for­ma de en­si­no tra­ria mai­or efi­ci­ên­cia, na ava­li­a­ção do mi­nis­tro. Ele ar­gu­men­ta que alu­nos que op­tam por cur­sos téc­ni­cos têm ori­gem mais hu­mil­de e des­pe­sas no des­lo­ca­men­to e de mo­ra­dia pa­ra lo­cais pró­xi­mos da es­co­la au­men­tam a de­sis­tên­cia. Com a associação de au­las pre­sen­ci­ais em la­bo­ra­tó­rio e o en­si­no a dis­tân­cia, o cus­to pa­ra o alu­no tam­bém se­ria me­nor. “Tu­do fi­ca mais efi­ci­en­te.”

O se­cre­tá­rio de Edu­ca­ção Pro­fis­si­o­nal e Tec­no­ló­gi­ca, Ari­os­to Antunes Cu­lau, dis­se que a ex­pan­são de va­gas se­rá ob­ti­da por di­ver­sos ca­mi­nhos. A me­ta é que a re­de fe­de­ral am­plie as va­gas de en­si­no téc­ni­co até al­can­çar o pa­ta­mar de 30%. Mas, de acor­do com ele, o gran­de po­ten­ci­al es­tá na re­de es­ta­du­al, que de­ve­rá ser au­xi­li­a­da pa­ra que se­ja ob­ti­da uma am­pli­a­ção de até 80%. En­tre as es­tra­té­gi­as es­tá o au­xí­lio pa­ra me­lho­ria da in­fra­es­tru­tu­ra, a ca­pa­ci­ta­ção de pro­fes­so­res e a as­sis­tên­cia

téc­ni­ca pa­ra a im­ple­men­ta­ção de cur­sos. Cu­lau ci­tou ain­da “me­ca­nis­mos al­ter­na­ti­vos de ofer­ta”, co­mo ele de­fi­niu os cur­sos a dis­tân­cia. Pro­na­tec. O fi­nan­ci­a­men­to das ati­vi­da­des se­rá fei­to com re­cur­sos dos pro­gra­mas de fo­men­to, co­mo o Pro­na­tec. Lan­ça­da em 2011 e al­vo de uma sé­rie de crí­ti­cas pe­lo go­ver­no Bol­so­na­ro, a ini­ci­a­ti­va des­ti­nou até 2018 o equi­va­len­te a R$ 14 bi­lhões. De acor­do com o MEC, po­rém, 78% fo­ram apli­ca­dos em cur­sos con­ce­di­dos na re­de pri­va­da e gran­de par­te em cur­sos de cur­ta du­ra­ção. Cu­lau afir­mou que o ob­je­ti­vo ago­ra é re­ver as de­fi­ci­ên­ci­as e usar os re­cur­sos de for­ma a aten­der tam­bém às ne­ces­si­da­des do mer­ca­do.

De acor­do com o MEC, exis­tem ho­je R$ 550 mi­lhões que já ha­vi­am si­do pre­vis­tos no pro­gra­ma de in­cen­ti­vo pa­ra qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal de jo­vens e adul­tos, mas que, por di­ver­sas ra­zões, ficaram blo­que­a­dos nos Es­ta­dos. Uma das al­ter­na­ti­vas é, ao fa­zer a re­a­va­li­a­ção dos tra­ba­lhos, per­mi­tir que Es­ta­dos bus­quem par­ce­ri­as com o sis­te­ma S e a re­de fe­de­ral e no­vos pro­je­tos se­jam apre­sen­ta­dos.

Al­vo e di­plo­mas. O pú­bli­co-al­vo do pro­gra­ma apre­sen­ta­do nes­ta ter­ça é for­ma­do por alu­nos que de­vem in­gres­sar no en­si­no mé­dio e uma po­pu­la­ção de cer­ca de 4,3 mi­lhões de pes­so­as de 18 a 29 anos que não es­tu­dam e não tra­ba­lham. O pro­gra­ma pre­vê a cri­a­ção de re­gras pa­ra que a re­de pri­va­da de en­si­no su­pe­ri­or pos­sa ofer­tar cur­sos. O se­cre­tá­rio do MEC afir­mou que es­sa prer­ro­ga­ti­va já ha­via si­do pre­vis­ta no pas­sa­do, mas não foi re­gu­la­men­ta­da.

A ideia, ago­ra é tra­zer re­gras cla­ras, com cri­té­ri­os so­bre o per­fil das ins­ti­tui­ções de en­si­no

• Fu­tu­ro

Além da ver­ba blo­que­a­da, o se­cre­tá­rio afir­mou que, em 2020, de­ve­rão ser des­ti­na­dos R$ 34 mi­lhões pa­ra in­cen­ti­var o en­si­no téc­ni­co e pro­fis­si­o­nal.

que te­rão a pos­si­bi­li­da­de de par­ti­ci­par do pro­gra­ma e exi­gên­ci­as es­pe­cí­fi­cas pa­ra os cur­sos, pa­ra ga­ran­tir a qua­li­da­de de en­si­no. O No­vos Ca­mi­nhos tam­bém in­clui o re­co­nhe­ci­men­to de 11 mil di­plo­mas de for­ma­ção téc­ni­ca con­ce­di­do na re­de pri­va­da des­de 2016, nes­se pe­río­do em que a re­gu­la­men­ta­ção não ha­via si­do da­da.

Além da ex­pan­são de va­gas, o MEC quer que cur­sos se­jam mais con­di­zen­tes com a ex­pec­ta­ti­va do mer­ca­do. A pas­ta vai co­lo­car em con­sul­ta pú­bli­ca a atu­a­li­za­ção do ca­tá­lo­go dos pro­gra­mas de edu­ca­ção pro­fis­si­o­nal. A ex­pec­ta­ti­va é de que até o pró­xi­mo ano o rol es­te­ja atu­a­li­za­do. Uma das apos­tas é em cur­sos vol­ta­dos pa­ra a te­le­me­di­ci­na e no in­cen­ti­vo ao em­pre­en­de­do­ris­mo. “Não po­de dar as cos­tas ao mer­ca­do de tra­ba­lho e às de­man­das do se­tor pro­du­ti­vo”, dis­se o se­cre­tá­rio.

O pro­gra­ma lan­ça­do on­tem tem co­mo me­ta pre­pa­rar 40 mil pro­fes­so­res da re­de pú­bli­ca até 2022 e 2 mil va­gas pa­ra mes­tra­do pro­fis­si­o­nal em re­des es­ta­du­ais. O No­vos Ca­mi­nhos traz ain­da um ei­xo pa­ra in­cen­ti­var pes­qui­sa apli­ca­da, ino­va­ção e ini­ci­a­ção tec­no­ló­gi­ca. Edi­tais se­rão lan­ça­dos pa­ra gru­pos de alu­nos, pro­fes­so­res e pes­qui­sa­do­res.

Ao anun­ci­ar o No­vos Ca­mi­nhos, Wein­traub afir­mou ser ne­ces­sá­rio aca­bar com pre­con­cei­tos em re­la­ção a cur­sos téc­ni­cos. “Um cur­so téc­ni­co bom per­mi­te ao jo­vem ter ren­da su­pe­ri­or a al­guém for­ma­do em cur­so su­pe­ri­or, que não tem fo­co na re­a­li­da­de.”

LU­CI­A­NO FREI­RE/MEC

Jus­ti­fi­ca­ti­va. ‘Um cur­so téc­ni­co bom per­mi­te ao jo­vem ter ren­da su­pe­ri­or a al­guém for­ma­do em cur­so su­pe­ri­or’, dis­se Abraham Wein­traub

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.