Cus­to al­to, ser­vi­ço ruim

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto -

Acer­ca da ne­ces­si­da­de pre­men­te da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va, bas­ta di­zer que no Es­ta­do bra­si­lei­ro só tra­ba­lha qu­em quer. Con­for­me bem dis­se Luís Edu­ar­do As­sis, ex-di­re­tor de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria do Ban­co Cen­tral, no go­ver­no fe­de­ral “os sa­lá­ri­os ini­ci­ais são mui­to al­tos, qua­se não há chan­ce de ado­tar a me­ri­to­cra­cia e é pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel pe­na­li­zar as pes­so­as que não têm bom de­sem­pe­nho”. Es­ses são fa­to­res de­ter­mi­nan­tes pa­ra cus­tos al­tís­si­mos e bai­xa qua­li­da­de, ali­nha­dos à opi­nião de Ana Car­la Abrão, ex-se­cre­tá­ria de Fa­zen­da do Es­ta­do de Goiás, pa­ra qu­em o go­ver­no “não en­tre­ga ser­vi­ços bá­si­cos de saú­de, edu­ca­ção e se­gu­ran­ça de boa qua­li­da­de” e “gas­ta ca­da vez mais, mas os ser­vi­ços pú­bli­cos não me­lho­ram”. A gran­de bar­rei­ra pa­ra mu­dan­ças tão ne­ces­sá­ri­as e ur­gen­tes é o po­de­ro­so lobby do fun­ci­o­na­lis­mo, que não quer nem ou­vir fa­lar so­bre fle­xi­bi­li­za­ção da es­ta­bi­li­da­de e ajus­te de seus sa­lá­ri­os em pa­ta­ma­res ra­zoá­veis.

HERMAN MEN­DES her­man­men­[email protected] Blu­me­nau (SC)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.