Bar­ro­so ci­ta ‘in­dí­ci­os de cri­mes’ de lí­der

Ao pre­si­den­te do STF, mi­nis­tro jus­ti­fi­ca sua au­to­ri­za­ção pa­ra ação da PF nos ga­bi­ne­tes do se­na­dor Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho e de seu fi­lho

O Estado de S. Paulo - - Política - Luiz Vassallo Ra­fa­el Moraes Moura / BRA­SÍ­LIA

O mi­nis­tro Luís Roberto Bar­ro­so, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, afir­mou ao pre­si­den­te da Cor­te, Di­as Tof­fo­li, que há uma “im­pres­si­o­nan­te quan­ti­da­de de in­dí­ci­os de cri­mes” na in­ves­ti­ga­ção con­tra o lí­der do go­ver­no Jair Bol­so­na­ro no Se­na­do, Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-PE), e seu fi­lho, de­pu­ta­do Fer­nan­do Co­e­lho Fi­lho (DEM-PE).

A ma­ni­fes­ta­ção de Bar­ro­so se deu na ação mo­vi­da pe­lo Se­na­do pa­ra der­ru­bar a de­ci­são do mi­nis­tro que au­to­ri­zou bus­cas e apreensões nos ga­bi­ne­tes dos po­lí­ti­cos. Pai e fi­lho fo­ram al­vo, em se­tem­bro, da Ope­ra­ção De­sin­te­gra­ção, que mi­ra su­pos­tas pro­pi­nas de R$ 5,5 mi­lhões de em­prei­tei­ras. O epi­só­dio abriu uma cri­se en­tre Su­pre­mo e Se­na­do, que re­a­giu à ope­ra­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral na Ca­sa.

Sob o ar­gu­men­to de que a me­di­da de Bar­ro­so foi “in­va­si­va”, “drás­ti­ca”, per­mi­tiu a cap­tu­ra de in­for­ma­ções sen­sí­veis (o que afe­ta­ria “in­te­res­ses na­ci­o­nais”) e com­pro­me­teu a har­mo­nia en­tre os Po­de­res, o Se­na­do pe­diu a Tof­fo­li a ime­di­a­ta sus­pen­são tan­to da li­mi­nar de Bar­ro­so quan­to da aná­li­se de ob­je­tos e do­cu­men­tos apre­en­di­dos du­ran­te a ope­ra­ção. Tof­fo­li pe­diu ex­pli­ca­ções a Bar­ro­so.

“Não se­ria re­pu­bli­ca­no nem éti­co des­vi­ar do re­to ca­mi­nho por se tra­tar de fi­gu­ra po­de­ro­sa. O Direito e a Jus­ti­ça va­lem pa­ra to­dos. Es­ta é uma das con­quis­tas da ci­vi­li­za­ção”, afir­mou Bar­ro­so. De acor­do com o mi­nis­tro, o exa­me dos ele­men­tos da in­ves­ti­ga­ção “não con­fe­ria ou­tra op­ção que não a de­cre­ta­ção da bus­ca e apre­en­são”.

“Sem an­te­ci­par qual­quer juí­zo de va­lor so­bre o mé­ri­to da in­ves­ti­ga­ção, é fa­to in­con­tes­tá­vel que a Po­lí­cia Fe­de­ral reu­niu uma im­pres­si­o­nan­te quan­ti­da­de de in­dí­ci­os de co­me­ti­men­to de cri­mes por par­la­men­ta­res – um se­na­dor da Re­pú­bli­ca e um de­pu­ta­do fe­de­ral –, jun­ta­men­te com ou­tros par­ti­ci­pan­tes”, dis­se Bar­ro­so na ma­ni­fes­ta­ção.

Ain­da se­gun­do o mi­nis­tro, “a me­di­da de bus­ca e apre­en­são não foi mo­vi­da con­tra o se­na­dor em ra­zão de sua atu­a­ção em no­me do po­der pú­bli­co, mas por ser in­ves­ti­ga­do pe­la prá­ti­ca de cri­mes”. “Co­mo in­tui­ti­vo, a sus­pen­são de li­mi­nar não tem por ob­je­ti­vo pro­te­ger in­ves­ti­ga­dos em pro­ces­sos cri­mi­nais”, afir­mou Bar­ro­so a Tof­fo­li.

‘De­sin­te­gra­ção’. Nas di­li­gên­ci­as re­a­li­za­das den­tro do Se­na­do fo­ram apre­en­di­dos pa­péis que, se­gun­do Bar­ro­so, mos­tram con­ta­tos do se­na­dor com ou­tros in­ves­ti­ga­dos, co­mo seus su­pos­tos ope­ra­do­res de pro­pi­nas, além de re­fe­rên­ci­as a “do­a­do­res ocul­tos” de cam­pa­nhas po­lí­ti­cas.

Na ca­sa do fi­lho de Be­zer­ra Co­e­lho, a PF con­fis­cou R$ 120 mil. Par­te do di­nhei­ro es­ta­va fra­ci­o­na­da em en­ve­lo­pes. O car­ro en­con­tra­do na ca­sa de Fer­nan­do Fi­lho es­ta­va em no­me de um dos in­ves­ti­ga­dos, apon­ta­do co­mo ope­ra­dor de pro­pi­nas, con­for­me in­ves­ti­ga­do­res.

A de­fe­sa de Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho e Fer­nan­do Co­e­lho Fi­lho dis­se, na épo­ca da ope­ra­ção da PF, que cau­sa­va “es­tra­nhe­za que me­di­das cau­te­la­res se­jam de­cre­ta­das em ra­zão de fa­tos pre­té­ri­tos que não guar­dam qual­quer ra­zão de con­tem­po­ra­nei­da­de com o ob­je­to da in­ves­ti­ga­ção”. Pa­ra o advogado dos par­la­men­ta­res, a ope­ra­ção foi “re­ta­li­a­ção” pe­la atu­a­ção do se­na­dor con­tra “abu­sos” de ór­gãos de in­ves­ti­ga­ção”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.