Gil­les La­pou­ge

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - EMAIL: GIL­LES.LA­POU­[email protected] TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ É CORRESPOND­ENTE EM PARIS

Per­fil mon­ta­do por co­le­gas re­ve­la que po­li­ci­al as­sas­si­no de Paris era jiha­dis­ta com aces­so a da­dos de se­gu­ran­ça.

Co­me­çou com um mor­to. Na quin­ta-fei­ra, na cen­tral de po­lí­cia de Paris, um po­li­ci­al cra­va uma lon­ga fa­ca em ou­tro po­li­ci­al. Sai cor­ren­do e gri­tan­do pe­los cor­re­do­res. Ma­ta de no­vo. Qua­tro po­li­ci­ais ter­mi­nam mor­tos, en­tre eles uma jo­vem, e um quin­to fi­ca fe­ri­do. O as­sas­si­no é aba­ti­do por ou­tro po­li­ci­al que es­ta­va pres­tes a mor­rer apu­nha­la­do. A car­ni­fi­ci­na du­rou se­te mi­nu­tos.

O lu­gar em que ocor­re­ram os as­sas­si­na­tos, o cen­tro ner­vo­so da se­gu­ran­ça na­ci­o­nal, dá um tom ain­da mais si­nis­tro à or­gia de san­gue. Al­guns co­me­ça­ram lo­go a per­gun­tar se era mais uma fes­ta ma­ca­bra do jiha­dis­mo. Não era, afir­mou ho­ras de­pois o mi­nis­tro do In­te­ri­or, Ch­ris­tophe Cas­ta­ner. O ma­ta­dor, se­gun­do ele, era um jo­vem ex­ce­len­te, um ti­po co­mum que en­lou­que­ceu de re­pen­te. Não ti­nha ne­nhu­ma li­ga­ção com os “lou­cos de Deus”, que ma­tam em no­me da glória de Alá e de seu pro­fe­ta.

No dia se­guin­te, sex­ta-fei­ra, co­le­gas do as­sas­si­no aju­da­ram a mon­tar um per­fil. Era mui­to di­fe­ren­te do tra­ça­do pe­lo mi­nis­tro do In­te­ri­or. O ho­mem se cha­ma­va Mic­kaël Har­pon e era ca­sa­do ha­via dez anos. Con­ver­teu-se ao Is­lã há al­guns anos e cos­tu­ma­va di­zer coi­sas chocantes. Por exem­plo, quan­do jiha­dis­tas as­sas­si­na­ram fri­a­men­te to­da a re­da­ção do se­ma­ná­rio sa­tí­ri­co Char­lie Heb­do, ele co­men­tou: “Ti­ve­ram o que me­re­ci­am”. Anos atrás, ele pa­rou de dar bom dia a su­as co­le­gas po­li­ci­ais. Fre­quen­ta­va tam­bém a mes­qui­ta de Go­nes­se, per­to de Paris, um ni­nho de sa­la­fis­tas.

Os cé­re­bros do go­ver­no co­gi­ta­ram que a mu­lher de Har­pon, con­ver­ti­da co­mo ele ao is­la­mis­mo, pu­des­se ser sua cúm­pli­ce, mas ela não era e foi li­ber­ta­da após três ho­ras de in­ter­ro­ga­tó­rio. Os 36 tuí­tes que ela e o ma­ri­do tro­ca­ram na ma­nhã da cha­ci­na ti­nham con­teú­do ex­clu­si­va­men­te re­li­gi­o­so.

O per­fil do ma­ta­dor foi con­cluí­do, e era apa­vo­ran­te. Har­pon tra­ba­lha­va na área de in­for­má­ti­ca. Vi­si­ta­va to­dos os es­cri­tó­ri­os pa­ra fa­zer a ma­nu­ten­ção dos po­de­ro­sos com­pu­ta­do­res uti­li­za­dos pe­la po­lí­cia. As­sim, hou­ve tre­mo­res de me­do e có­le­ra so­bre o que ele po­de­ria ter dei­xa­do em seu com­pu­ta­dor. De fa­to, um seu arquivo aber­to pe­los in­ves­ti­ga­do­res con­ti­nha mi­lha­res, de­ze­nas de mi­lha­res, de informaçõe­s se­cre­tas so­bre o pes­so­al da se­gu­ran­ça.

Era um te­sou­ro – um te­sou­ro ma­lig­no se seu con­teú­do co­di­fi­ca­do fos­se di­vul­ga­do nas fi­lei­ras jiha­dis­tas. Nes­se ca­so, cen­te­nas de agen­tes se­cre­tos, en­tre eles os mais bem in­for­ma­dos da Fran­ça, pas­sa­ri­am a ser vis­tos co­mo es­piões e de­tec­to­res de se­gre­dos de Es­ta­do. Além dis­so, cen­te­nas de po­li­ci­ais de eli­te te­ri­am su­as vi­das es­can­ca­ra­das à cu­ri­o­si­da­de do po­vo.

Es­ta­mos há cin­co ou seis di­as da des­co­ber­ta des­se abe­ce­dá­rio do mal e, em prin­cí­pio, os en­de­re­ços e as pe­cu­li­a­ri­da­des dos ci­ta­dos não fo­ram re­ve­la­dos. Mas se com­pre­en­de por que eles e su­as fa­mí­li­as ce­de­ram ao pâ­ni­co e tre­me­ram. Co­mo tre­meu pro­va­vel­men­te o mi­nis­tro do In­te­ri­or, mar­ca­do pa­ra sem­pre por seu gra­ve er­ro de ava­li­a­ção.

Ho­mem que as­sas­si­nou co­le­gas em Paris ti­nha aces­so a informaçõe­s de se­gu­ran­ça

BENOIT TESSIER/REUTERS–8/10/2019

Paris. Po­li­ci­ais par­ti­ci­pam de en­ter­ro de co­le­gas as­sas­si­na­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.