Con­cluir obras pa­ra­das

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Ére­con­for­tan­te pa­ra o con­tri­buin­te sa­ber que Jair Bol­so­na­ro não pre­ten­de re­a­li­zar gran­des obras que pos­sam ser trans­for­ma­das em sím­bo­los de seu go­ver­no.

Pou­co, ou qua­se na­da, se sa­be dos pla­nos do go­ver­no Bol­so­na­ro pa­ra es­ti­mu­lar o cres­ci­men­to da eco­no­mia e me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da da po­pu­la­ção, so­bre­tu­do por meio da ge­ra­ção de em­pre­gos. Além da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, já na eta­pa fi­nal de apro­va­ção pe­lo Con­gres­so, são mui­to pou­cas as ini­ci­a­ti­vas do Exe­cu­ti­vo que po­dem com­por um pro­je­to ou pro­gra­ma de go­ver­no des­ti­na­dos a en­fren­tar os gra­ves pro­ble­mas do País. Mas é re­con­for­tan­te pa­ra o con­tri­buin­te, que pa­ga mui­to im­pos­to pa­ra pou­co re­tor­no em ter­mos de ser­vi­ços pú­bli­cos, sa­ber que o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro não pre­ten­de re­a­li­zar ne­nhu­ma grande obra que pos­sa ser transforma­da em sím­bo­lo de seu go­ver­no.

“Se eu for me pre­o­cu­par com is­so daí, a gen­te não go­ver­na”, dis­se Bol­so­na­ro em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do. O pre­si­den­te ga­ran­tiu que “não va­mos par­tir pa­ra ser igual ao que o PT fez com as re­fi­na­ri­as” – co­mo as de Abreu e Li­ma, em Per­nam­bu­co, e a Com­perj, no Rio de Ja­nei­ro, cu­ja cons­tru­ção foi de­ci­di­da com ba­se em cri­té­ri­os me­ra­men­te po­lí­ti­co-elei­to­rais, o que re­sul­tou em cus­tos exor­bi­tan­tes e pa­ra­li­sa­ção do pro­je­to. “O que te­nho fa­la­do pa­ra os mi­nis­tros é ter­mi­nar as obras”, dis­se o pre­si­den­te.

É uma ati­tu­de po­li­ti­ca­men­te co­ra­jo­sa com­pro­me­ter-se, ain­da no pri­mei­ro ano de man­da­to, a ter­mi­nar obras em exe­cu­ção, a grande mai­o­ria das quais ini­ci­a­da em ges­tões an­te­ri­o­res. “Aí po­dem fa­lar: ‘Ah, co­me­çou com a Dil­ma, com o Te­mer’”, lem­brou Bol­so­na­ro, pa­ra com­ple­tar: “Se a gen­te não for atrás (da con­clu­são da obra ), vai vi­rar só es­que­le­to”.

É tam­bém uma ati­tu­de sen­sa­ta do pon­to de vis­ta ad­mi­nis­tra­ti­vo, fi­nan­cei­ro e econô­mi­co, so­bre­tu­do num pe­río­do de bai­xo cres­ci­men­to econô­mi­co e de gra­ve cri­se das con­tas pú­bli­cas.

É pou­co pro­vá­vel que um bra­si­lei­ro co­mum ain­da não te­nha visto o es­que­le­to de uma obra na qual foi gas­to di­nhei­ro pú­bli­co e que es­tá a as­som­brar a po­pu­la­ção. São sím­bo­los ex­pres­si­vos da má uti­li­za­ção do di­nhei­ro do con­tri­buin­te. Mui­tos são os ba­lan­ços so­bre obras pú­bli­cas pa­ra­li­sa­das fei­tos por ins­ti­tui­ções pri­va­das e pe­lo Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU). Os da­dos va­ri­am con­for­me a abran­gên­cia e a me­to­do­lo­gia des­sas pes­qui­sas, mas to­das elas mos­tram a imen­sa quan­tia de di­nhei­ro pú­bli­co des­per­di­ça­da em to­dos os ní­veis de go­ver­no.

Es­tão parados mi­lha­res de obras, de or­ça­men­tos mo­des­tos em pequenas ci­da­des ou de cus­tos al­tís­si­mos de ini­ci­a­ti­va fe­de­ral. São vá­ri­os os mo­ti­vos da pa­ra­li­sa­ção. Mas, em mui­tas obras pa­ra­das, há fa­to­res co­muns, co­mo má qua­li­da­de dos pro­je­tos, má ges­tão dos re­cur­sos, di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras do ór­gão pú­bli­co res­pon­sá­vel pe­la obra. Em pro­je­tos de obras de mai­or com­ple­xi­da­de não é ra­ro que à má qua­li­da­de do pro­je­to se so­me o des­cui­do ou o me­nos­pre­zo com ques­tões re­le­van­tes, co­mo os ris­cos am­bi­en­tais, os cus­tos e os ris­cos das de­sa­pro­pri­a­ções e das con­tes­ta­ções ju­di­ci­ais.

Além dis­so, em ra­zão da cri­se econô­mi­ca ini­ci­a­da em 2014, ain­da no pri­mei­ro man­da­to da pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, os pro­ble­mas or­ça­men­tá­ri­os e fi­nan­cei­ros de di­fe­ren­tes es­fe­ras do go­ver­no le­va­ram à sus­pen­são dos pa­ga­men­tos de­vi­dos aos res­pon­sá­veis pe­las obras e, con­se­quen­te­men­te, à pa­ra­li­sa­ção.

Pa­ra os con­tri­buin­tes e pa­ra os ci­da­dãos em ge­ral, obra pú­bli­ca pa­ra­da sig­ni­fi­ca in­ter­rup­ção de in­ves­ti­men­tos e da pos­si­bi­li­da­de de ge­ra­ção de em­pre­gos, além do com­pro­me­ti­men­to de um pro­gra­ma que de­ve­ria aten­der às de­man­das da so­ci­e­da­de em áre­as co­mo, edu­ca­ção, trans­por­te ou se­gu­ran­ça. Daí a im­por­tân­cia da re­to­ma­da des­sas obras, co­mo se pro­põe a fa­zer o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro.

Se obras fe­de­rais pa­ra­li­sa­das fo­rem efe­ti­va­men­te re­to­ma­das, ha­ve­rá de­cer­to um im­pul­so na ati­vi­da­de econô­mi­ca, da­do o efei­to que es­sa ini­ci­a­ti­va te­rá so­bre vá­ri­os ou­tros seg­men­tos econô­mi­cos, co­mo o co­mér­cio e, so­bre­tu­do, o mer­ca­do de tra­ba­lho. O au­men­to do em­pre­go, de sua par­te, re­sul­ta­rá em ren­da mai­or pa­ra o tra­ba­lha­dor e mais con­su­mo, o que, de al­gum mo­do, es­ti­mu­la­rá a eco­no­mia.

Po­de­rão tam­bém sur­gir mais in­ves­ti­men­tos, pois a re­to­ma­da de obras pa­ra­li­sa­das po­de si­na­li­zar no­vas opor­tu­ni­da­des. Mas, pa­ra o fu­tu­ro, é pre­ci­so ava­li­ar com cri­té­rio as cau­sas das pa­ra­li­sa­ções das obras pú­bli­cas, pa­ra que elas se­jam evi­ta­das em no­vos con­tra­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.