A cri­se no Equa­dor

O Estado de S. Paulo - - Notas e informaçõe­s -

Uma sé­rie de pro­tes­tos li­de­ra­dos ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te pe­la Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal In­dí­ge­na do Equa­dor (Co­naie), uma das mais ati­vas for­ças po­lí­ti­cas do país, le­vou o pre­si­den­te Le­nín Mo­re­no a de­cre­tar es­ta­do de ex­ce­ção e a trans­fe­rir a se­de do go­ver­no de Qui­to pa­ra Gu­aya­quil. Ho­ras após a trans­fe­rên­cia, ma­ni­fes­tan­tes li­ga­dos à Co­naie in­va­di­ram a As­sem­bleia Na­ci­o­nal, em Qui­to, aos gri­tos de “Fo­ra, Mo­re­no”. A po­lí­cia in­ter­veio cer­can­do o pe­rí­me­tro do Par­la­men­to e, de acor­do com re­la­tos de tes­te­mu­nhas, dis­pa­ran­do bom­bas de gás la­cri­mo­gê­neo a fim de dis­per­sar a mul­ti­dão.

O pre­si­den­te Le­nín Mo­re­no diz ter de­cre­ta­do o es­ta­do de ex­ce­ção por­que o que ini­ci­al­men­te eram pro­tes­tos con­tra as me­di­das de aus­te­ri­da­de econô­mi­ca ado­ta­das pe­lo go­ver­no lo­go se tor­na­ram, se­gun­do ele, um “pro­tes­to con­tra o pró­prio go­ver­no”, com cons­tru­ção de bar­ri­ca­das e blo­queio de ru­as e es­tra­das do país por di­as. Por for­ça do de­cre­to, o go­ver­no equa­to­ri­a­no po­de im­por to­que de re­co­lher e cen­su­rar pre­vi­a­men­te a im­pren­sa, en­tre ou­tras me­di­das.

Não es­tão cla­ros os cri­té­ri­os ado­ta­dos pe­lo pre­si­den­te pa­ra dis­tin­guir pro­tes­tos con­tra me­di­das de seu go­ver­no de pro­tes­tos “con­tra o pró­prio go­ver­no”, o que o te­ria le­va­do a as­si­nar a me­di­da ex­tre­ma. Fa­to é que Mo­re­no go­ver­na com bai­xa po­pu­la­ri­da­de e não con­ta com um am­plo ar­co de apoio con­gres­su­al. Por­tan­to, vê-se di­an­te de enor­mes di­fi­cul­da­des pa­ra con­ter a es­ca­la­da das ten­sões nas ru­as de seu país des­de o iní­cio do mês, quan­do co­me­ça­ram os atos con­tra a po­lí­ti­ca de aus­te­ri­da­de fis­cal.

Em­bo­ra te­nham de­sen­ca­de­a­do uma on­da de vi­o­len­tos pro­tes­tos, as me­di­das ado­ta­das pe­lo pre­si­den­te Le­nín Mo­re­no pa­ra de­be­lar a gra­ve cri­se econô­mi­ca do Equa­dor têm fun­da­men­to. Gra­ças aos pe­sa­dos sub­sí­di­os do go­ver­no, os equa­to­ri­a­nos ti­nham aces­so a com­bus­tí­veis mui­to ba­ra­tos. Só a Ve­ne­zu­e­la era ca­paz de pra­ti­car pre­ços ain­da mais ca­ma­ra­das. É mais do que sa­bi­do que à mão da­di­vo­sa do Es­ta­do cor­res­pon­de a ou­tra, que traz a con­ta da re­a­li­da­de.

Em fe­ve­rei­ro, An­na Iva­no­va, che­fe da mis­são do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) no Equa­dor, afir­mou que “o dé­fi­cit pú­bli­co do país du­pli­cou nos úl­ti­mos cin­co anos e su­as re­ser­vas na­ci­o­nais caí­ram a ní­veis mui­to bai­xos”. Na oca­sião, o Equa­dor ti­nha aca­ba­do de as­si­nar um acor­do com o fun­do pa­ra ob­ten­ção de um cré­di­to de US$ 4,2 bi­lhões. O cor­te dos sub­sí­di­os nos pre­ços dos com­bus­tí­veis, que de­fla­grou a on­da de pro­tes­tos, era uma das con­tra­par­ti­das.

A des­pei­to da on­da de pro­tes­tos e da bai­xa po­pu­la­ri­da­de do pre­si­den­te Le­nín Mo­re­no, sua que­da, por des­ti­tui­ção ou re­nún­cia, é im­pro­vá­vel no fu­tu­ro pró­xi­mo. A opo­si­ção a seu go­ver­no es­tá di­vi­di­da en­tre os que bus­cam man­ter sau­dá­vel dis­tân­cia do le­ga­do de Rafael Cor­rea, ex-pre­si­den­te en­vol­vi­do em uma sé­rie de escândalos de cor­rup­ção, e seus fer­re­nhos apoi­a­do­res. O ra­cha en­tre os dois gru­pos fra­gi­li­za ações mais in­ci­si­vas con­tra o atu­al pre­si­den­te.

O ana­lis­ta po­lí­ti­co San­ti­a­go Ba­sa­be, da Faculdade La­ti­noA­me­ri­ca­na de Ciências So­ci­ais (Flacso), dis­se ao Es­ta­do que ma­ni­fes­ta­ções des­sa mag­ni­tu­de não eram vis­tas no Equa­dor des­de 2007, quan­do a es­quer­da as­su­miu o po­der com Cor­rea, an­te­ces­sor e an­ti­go ali­a­do de Mo­re­no. “Os pro­tes­tos fo­ram con­ti­dos no go­ver­no Cor­rea por me­do de per­se­gui­ção”, dis­se Ba­sa­be.

O pre­si­den­te Le­nín Mo­re­no tem se man­ti­do fir­me na dis­po­si­ção de não re­cu­ar da de­ci­são de dar fim aos sub­sí­di­os dos com­bus­tí­veis. En­tre­tan­to, há pou­cos di­as de­mons­trou boa von­ta­de pa­ra su­pe­rar a cri­se em seu país por meio do diá­lo­go com se­to­res da so­ci­e­da­de sob me­di­a­ção da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) ou do Va­ti­ca­no. É o ca­mi­nho pa­ra o fim dos con­fli­tos.

Os ci­da­dãos têm jus­ti­fi­ca­do receio do sú­bi­to au­men­to dos pre­ços de itens de sub­sis­tên­cia. Por sua vez, o go­ver­no tem ra­zão em aca­bar com sub­sí­di­os que só ser­vem pa­ra mas­ca­rar a re­a­li­da­de econô­mi­ca de um país e dar sus­ten­ta­ção a re­gi­mes po­pu­lis­tas co­mo o de Rafael Cor­rea e ou­tros tan­tos na Amé­ri­ca La­ti­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.