Em no­vo li­vro, FHC fa­la­va em ‘atra­so’ com ges­tão Lu­la.

No quar­to vo­lu­me da sé­rie ‘Diá­ri­os da Pre­si­dên­cia’, tu­ca­no afir­ma que era pes­si­mis­ta com a elei­ção do pe­tis­ta, mas de­pois mu­dou o tom

O Estado de S. Paulo - - Política - Pedro Venceslau Paula Reverbel Mar­ce­lo Go­doy

No quar­to e úl­ti­mo vo­lu­me da sé­rie Diá­ri­os da Pre­si­dên­cia, que che­ga às li­vra­ri­as no dia 25, o ex-pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so con­ta o pro­ces­so de apro­xi­ma­ção de Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va e de ou­tras li­de­ran­ças pe­tis­tas de po­si­ções po­lí­ti­cas de­fen­di­das pe­lo mer­ca­do na eco­no­mia e re­ve­la bas­ti­do­res dos dois úl­ti­mos anos de seu man­da­to e no de­li­ca­do pe­río­do da tran­si­ção, após a der­ro­ta em 2002 do tu­ca­no José Ser­ra na elei­ção pre­si­den­ci­al.

É pos­sí­vel acom­pa­nhar mês a mês a evo­lu­ção do pen­sa­men­to do en­tão pre­si­den­te em re­la­ção aos prin­ci­pais can­di­da­tos à sua su­ces­são. Pou­co a pou­co su­as re­sis­tên­ci­as a Lu­la vão se trans­for­man­do na ati­tu­de que ele re­su­me des­sa for­ma: “Se Lu­la ga­nhar vou ten­tar aju­dar o Brasil”.

É as­sim que FHC jus­ti­fi­ca sua ati­tu­de em re­la­ção ao pe­tis­ta du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral e a tran­si­ção. Do pri­mei­ro en­con­tro com Lu­la no Pla­nal­to lo­go após o as­sas­si­na­to do pre­fei­to de San­to An­dré, Cel­so Da­ni­el, à pos­se, o en­tão pre­si­den­te vai mo­du­lan­do nos re­gis­tros gra­va­dos e ago­ra trans­for­ma­dos em li­vro sua ati­tu­de em re­la­ção a Lu­la.

Fer­nan­do Hen­ri­que che­ga mes­mo a di­zer de José Dir­ceu: “Ele ra­ci­o­ci­na co­mo nós, co­mo um tu­ca­no”. E o pre­si­den­te aler­ta em agos­to de 2002 o di­ri­gen­te pe­tis­ta so­bre as re­sis­tên­ci­as de gran­des em­pre­sá­ri­os espanhóis e ita­li­a­nos à elei­ção de Lu­la. “Vai ter di­fi­cul­da­des imen­sas pa­ra go­ver­nar.” FHC co­me­ça­va a cap­tar o pro­ces­so de trans­for­mis­mo da eli­te pe­tis­ta. O PT re­ce­bia, na­que­le mo­men­to, ade­sões de to­dos os la­dos. E dei­xa­va de ser “um par­ti­do igual­zi­nho a vo­cê”, co­mo no slo­gan dos anos 1980, pa­ra se tor­nar um “par­ti­do igual­zi­nho aos ou­tros”.

E ali o tu­ca­no afir­ma que não iria jo­gar do la­do dos que que­rem uma cri­se ins­ti­tu­ci­o­nal. Ape­sar dis­so, di­zia que o PSDB de­via apoi­ar ape­nas pau­tas pon­tu­ais do go­ver­no sem par­ti­ci­par da ad­mi­nis­tra­ção pe­tis­ta, que era “um go­ver­no que po­de não dar cer­to de for­ma pa­vo­ro­sa”.

No fim de 2001, FHC di­zia que a vi­tó­ria de Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va se­ria um “imen­so atra­so” pa­ra o Brasil e que o pe­tis­ta pas­sou 20 anos no Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res sem que ti­ves­se se pre­pa­ra­do pa­ra o car­go – “ele não apren­de”. A le­gen­da de­le re­pre­sen­ta­va en­tão o pen­sa­men­to re­gres­si­vo da es­quer­da no País.

Mas, em ou­tros mo­men­tos do fim do man­da­to, o tom era di­a­me­tral­men­te opos­to. “É me­lhor Lu­la e Ser­ra do que Lu­la e Ro­se­a­na (Sar­ney, no se­gun­do tur­no) ou do que Ser­ra e Ro­se­a­na. Por­que Lu­la e Ser­ra sig­ni­fi­cam for­ças de pro­gres­so. O Lu­la, mes­mo que te­nha as­pec­tos atra­sa­dos, cor­po­ra­ti­vos, tem as­pec­tos po­si­ti­vos na ques­tão da mo­ra­li­da­de pú­bli­ca, na ques­tão de cer­ta res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal.”

De­sas­tre. Fer­nan­do Hen­ri­que pa­re­cia acre­di­tar que um de­sas­tre co­mo o que en­vol­ve­ra na Ar­gen­ti­na o go­ver­no de Fer­nan­do de la Rúa po­dia atin­gir o pe­tis­ta. Ao sa­ber do re­sul­ta­do das ur­nas, dis­se que não era uma “on­da ver­me­lha” ou o pe­tis­mo que ga­nha­va o plei­to, mas o “lu­lis­mo”. “É a von­ta­de de mu­dar.”

Mas qual era a al­ter­na­ti­va? Ser­ra é des­cri­to co­mo al­guém sem mui­tas chan­ces, um can­di­da­to que não em­pol­ga­va e, por is­so, ca­da vez mais ten­so. Era al­guém ain­da em tor­no de quem ha­via dis­cór­dia. Não que o pre­si­den­te cor­ro­bo­re as acu­sa­ções de pe­fe­lis­tas e dos tu­ca­nos do Ce­a­rá con­tra Ser­ra, de que ele es­ta­ria por trás de manobras e in­tri­gas pa­ra pa­vi­men­tar sua can­di­da­tu­ra. O tu­ca­no “não cria cli­ma de cum­pli­ci­da­de”.

O úl­ti­mo bi­ê­nio de FHC no Pla­nal­to é o da de­grin­go­la­da da par­ce­ria com o PFL. Era abril de 2002, quan­do Po­lí­cia Fe­de­ral de­fla­grou uma ope­ra­ção na se­de da em­pre­sa Lu­nus, da qual o ma­ri­do de Ro­se­a­na Sar­ney, Jor­ge Mu­rad, era só­cio. No lo­cal, fo­ram apre­en­di­dos do­cu­men­tos e R$ 1,34 mi­lhão em es­pé­cie, va­lor não de­cla­ra­do. A fo­to com os ma­ços de di­nhei­ro so­bre a me­sa do es­cri­tó­rio foi pu­bli­ca­da nos jor­nais e en­ter­rou a can­di­da­tu­ra pre­si­den­ci­al de Ro­se­a­na, que es­ta­va em cres­ci­men­to. “His­to­ri­ca­men­te fi­ca re­gis­tra­do que o Exe­cu­ti­vo não va­zou na­da.”

O li­vro traz ain­da mo­men­tos im­por­tan­tes da po­lí­ti­ca ex­ter­na, co­mo a re­a­ção aos aten­ta­dos de 11 de Se­tem­bro. FHC des­cre­ve sua es­ta­dia em com­pa­nhia do ex-pre­si­den­te ame­ri­ca­no Bill Clin­ton na ca­sa de cam­po do en­tão pri­mei­ro-mi­nis­tro in­glês, Tony Blair, em ou­tu­bro de 2001.

É quan­do sur­ge uma ce­na me­mo­rá­vel: Blair, Clin­ton e FHC sen­ta­dos na bi­bli­o­te­ca da re­si­dên­cia dis­cu­tin­do os pró­xi­mos lan­ces da guer­ra con­tra o ter­ror em tor­no de um ma­pa-mún­di es­ten­di­do pe­lo in­glês no chão. “Blair fa­la que a du­ra­ção da guer­ra se­rá de pe­lo me­nos um ano.” FHC se lem­brou en­tão do ami­go e sociólogo José Me­di­na Echa­var­ria que di­zia que “quan­to mais co­nhe­cia quem man­da­va no mun­do, mais ti­nha me­do de vi­ver no mun­do”.

CEL­SO JU­NI­OR/ES­TA­DÃO–1º/1/2003

Su­ces­são. Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so cum­pri­men­ta Lu­la de­pois de entregar ao pe­tis­ta a fai­xa de pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, em 1º de ja­nei­ro de 2003

DIÁ­RI­OS DA PRE­SI­DÊN­CIA 2001-2002 (VOL. 4) Au­tor: Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so. Edi­to­ra: Com­pa­nhia das Le­tras. Pre­ço: R$ 129,90

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.