‘Tem­po pa­ra al­ter­na­ti­va es­tá lon­ge’, diz Har­tung

O Estado de S. Paulo - - Política - Ri­car­do Ga­lhar­do

O ex-go­ver­na­dor do Es­pí­ri­to San­to Paulo Har­tung (sem par­ti­do), que nos úl­ti­mos me­ses tem se de­di­ca­do a ar­ti­cu­lar a cons­tru­ção de uma al­ter­na­ti­va elei­to­ral de cen­tro, dis­se on­tem que “o mo­men­to é de apro­vei­tar o cli­ma fa­vo­rá­vel a mu­dan­ças e não de pen­sar em 2022”.

“Na vi­da e na po­lí­ti­ca exis­te a ques­tão do tem­po. Não po­de­mos er­rar no tem­po e o tem­po pa­ra a gen­te cons­truir uma al­ter­na­ti­va es­tá mui­to lon­ge do ho­je”, afir­mou. As de­cla­ra­ções fo­ram fei­tas após o ex-pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so di­zer que “o cen­tro de­mo­crá­ti­co pre­ci­sa co­me­çar a tra­ba­lhar já” pa­ra que­brar a po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca.

Har­tung par­ti­ci­pou on­tem de al­mo­ço com em­pre­sá­ri­os pro­mo­vi­do pe­lo Pen­sa­men­to Na­ci­o­nal das Ba­ses Em­pre­sa­ri­ais (PNBE) em São Paulo, on­de foi qu­es­ti­o­na­do mais de uma vez so­bre 2022 e a ne­ces­si­da­de de con­ter a po­la­ri­za­ção.

Pa­ra o ex-go­ver­na­dor, não é ho­ra de pen­sar em elei­ções, mas de apro­vei­tar o mo­men­to fa­vo­rá­vel pa­ra re­for­mas co­mo a da Pre­vi­dên­cia, a tri­bu­tá­ria e a do Es­ta­do. “O pa­pel nos­so não é fi­car ob­ce­ca­da­men­te olhan­do pa­ra 2022. Meu olhar é pa­ra o ho­je e dá pa­ra fa­zer mui­ta coi­sa”, dis­se. Se­gun­do ele, após mui­tos anos a so­ci­e­da­de fi­nal­men­te es­tá fa­vo­rá­vel a mu­dan­ças que até pou­co tem­po se­ri­am con­si­de­ra­das im­po­pu­la­res. “A BR Dis­tri­bui­do­ra foi pri­va­ti­za­da sem que hou­ves­se uma ma­ni­fes­ta­ção na por­ta de nin­guém. Is­so não é nor­mal”, de­cla­rou. Se­gun­do Har­tung, o cen­tro já ocu­pa um es­pa­ço mai­or no de­ba­te po­lí­ti­co ho­je do que há dois anos.

Em­bo­ra te­nha di­ver­gi­do de FHC so­bre o me­lhor mo­men­to pa­ra a cons­tru­ção de uma al­ter­na­ti­va de cen­tro, Har­tung fez elo­gi­os ao ex-pre­si­den­te e dis­se que o pe­tis­ta Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va re­ce­beu uma “he­ran­ça ben­di­ta” do tu­ca­no.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre uma even­tu­al can­di­da­tu­ra pre­si­den­ci­al do apre­sen­ta­dor Lu­ci­a­no Huck, de quem é pró­xi­mo, o ex-go­ver­na­dor des­con­ver­sou. Dis­se que Huck es­tá de­di­ca­do à for­ma­ção de no­vas li­de­ran­ças e ao de­ba­te so­bre a mo­der­ni­za­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas. “Não sei se ago­ra é ho­ra de dis­cu­tir is­so.”

Har­tung tam­bém evitou crí­ti­cas ao pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, mas ques­ti­o­nou a “fal­ta de li­de­ran­ça” e de­mar­cou di­fe­ren­ças em re­la­ção à ex­tre­ma-di­rei­ta, ao fa­zer a de­fe­sa do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral e de ou­tras ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.