Óleo che­ga à foz do Rio São Fran­cis­co; in­ves­ti­ga­ção ago­ra mi­ra 23 na­vi­os

Con­ten­ção es­bar­ra em fal­ta de equi­pa­men­to e Ser­gi­pe te­rá de com­prar 200 me­tros de boi­as, ao cus­to de R$ 90 mil; apu­ra­ção de Ma­ri­nha e PF, até ago­ra, des­car­ta nau­frá­gio e já con­si­de­ra o trá­fe­go de ‘na­vi­os fan­tas­mas’, em­bar­ca­ções cri­mi­no­sas de piratas

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Am­dré Bor­ges / BRA­SÍ­LIA Car­los Ne­al­do An­to­nio Car­los Garcia ESPECIAIS PA­RA O ES­TA­DO ARACAJU E MA­CEIÓ COLABOROU RO­BER­TA JAN­SEN /

Téc­ni­cos am­bi­en­tais de­tec­ta­ram, on­tem, man­chas de óleo na foz do Rio São Fran­cis­co, em Pi­a­ça­bu­çu, li­to­ral sul de Ala­go­as. A de­tec­ção ocor­re no mes­mo dia em que o go­ver­no de Ser­gi­pe des­co­briu que não po­de­ria ins­ta­lar boi­as ra­pi­da­men­te pa­ra ten­tar im­pe­dir que o óleo che­gue à área – pe­lo fa­to de os equi­pa­men­tos não es­ta­rem dis­po­ní­veis.

A foz do São Fran­cis­co fi­ca na di­vi­sa en­tre Ala­go­as e Ser­gi­pe. An­te­on­tem, o go­ver­no ser­gi­pa­no de­cla­rou que usa­ria boi­as ab­sor­ven­tes ce­di­das pe­la Pe­tro­brás. On­tem foi in­for­ma­do pe­la es­ta­tal que não ha­via equi­pa­men­tos dis­po­ní­veis. Des­sa for­ma, o Es­ta­do te­rá de com­prar 200 me­tros de equi­pa­men­to, ao cus­to de R$ 90 mil, de uma em­pre­sa do Es­pí­ri­to San­to. A in­for­ma­ção foi da­da pe­lo di­re­tor-pre­si­den­te da Ad­mi­nis­tra­ção do Meio Am­bi­en­te, Gil­van Di­as. Ele aci­o­nou os Mi­nis­té­ri­os Pú­bli­cos Es­ta­du­al e Fe­de­ral e a Jus­ti­ça Fe­de­ral, pe­din­do aju­da. “Fi­ca­mos de mãos ata­das.”

O Ins­ti­tu­to do Meio Am­bi­en­te de Ala­go­as con­fir­mou que a che­ga­da de pe­tró­leo à foz do Rio São Fran­cis­co, em Pi­a­ça­bu­çu, po­de­ria ter si­do evi­ta­da com o uso de bar­rei­ras de con­ten­ção no mar, mas a efi­cá­cia des­ta me­di­da de­pen­de­ria de o ma­te­ri­al es­tar con­cen­tra­do.

Ori­gem. As in­ves­ti­ga­ções so­bre a ori­gem do pe­tró­leo, que ti­ve­ram iní­cio em 2 de se­tem­bro, se con­cen­tram, na fa­se atu­al, em 23 em­bar­ca­ções sus­pei­tas. O tra­ba­lho é con­du­zi­do por Ma­ri­nha e Po­lí­cia Fe­de­ral.

O cru­za­men­to de informaçõe­s, con­for­me apu­rou a re­por­ta­gem, apon­ta que, na re­gião in­ves­ti­ga­da, ha­via em­bar­ca­ções de di­ver­sas ori­gens. O tra­ba­lho pas­sa por cru­zar ro­tas mais usa­das no trans­por­te de pe­tró­leo e a di­re­ção que as to­ne­la­das de óleo to­ma­ram até che­gar às prai­as do Brasil. O ma­te­ri­al iden­ti­fi­ca­do até ago­ra em amos­tras tem a “as­si­na­tu­ra” do pe­tró­leo da Ve­ne­zu­e­la.

A hi­pó­te­se de que o pe­tró­leo lan­ça­do no mar bra­si­lei­ro se­ja fru­to de um nau­frá­gio es­tá pra­ti­ca­men­te des­car­ta­da. Uma das li­nhas de in­ves­ti­ga­ções, se­gun­do uma fon­te, con­si­de­ra o trá­fe­go de “na­vi­os fan­tas­mas”, em­bar­ca­ções cri­mi­no­sas de piratas que po­de­ri­am atu­ar no con­tra­ban­do de pe­tró­leo.

O go­ver­no con­ti­nua a tra­tar do tema com si­gi­lo. Nes­ta quar­ta-fei­ra, du­ran­te au­di­ên­cia na Câ­ma­ra, o mi­nis­tro do Meio Am­bi­en­te, Ri­car­do Sal­les, afir­mou que, “ao que tu­do in­di­ca, se tra­ta de um na­vio es­tran­gei­ro”, sem dar de­ta­lhes.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre o as­sun­to, o mi­nis­tro afir­mou que a pas­ta tem atu­a­do pa­ra con­ter os da­nos

e re­co­lher o ma­te­ri­al que che­ga às prai­as. Mais de cem to­ne­la­das de bor­ra já fo­ram re­co­lhi­das. O tra­ba­lho é de di­fí­cil exe­cu­ção por­que o pe­tró­leo não avan­ça so­bre a lâ­mi­na d’água, mas no fun­do do mar, até che­gar ao li­to­ral.

Si­tu­a­ção das prai­as. Até ago­ra, ape­nas Ce­a­rá e Ser­gi­pe, nes­ta se­ma­na, pas­sa­ram a iden­ti­fi­car prai­as im­pró­pri­as pa­ra ba­nho por cau­sa do pe­tró­leo cru. “Com­pre­en­de­mos que to­das as prai­as com man­chas de óleo vi­sí­veis es­tão im­pró­pri­as pa­ra ba­nho”, diz, em co­mu­ni­ca­do, a Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al do Meio Am­bi­en­te do Ce­a­rá.

Já o se­cre­tá­rio es­ta­du­al de De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no e Sus­ten­ta­bi­li­da­de de Ser­gi­pe, Ubi­ra­ja­ra Bar­re­to, afir­mou que “a re­co­men­da­ção é de que a po­pu­la­ção evi­te lo­cais atin­gi­dos pe­la subs­tân­cia ole­o­sa”. “É pru­den­te a não uti­li­za­ção das prai­as, bem co­mo a não re­ti­ra­da, por con­ta pró­pria, de ne­nhu­ma subs­tân­cia, mes­mo com o in­tui­to de aju­dar.” O Es­ta­do pro­cu­rou os de­mais Es­ta­dos, que afir­ma­ram não apre­sen­tar pro­ble­mas de bal­ne­a­bi­li­da­de.

“A grande ques­tão é agir rá­pi­do, re­sol­ver o pro­ble­ma, não fi­car bus­can­do cul­pa­dos, is­so po­de ser fei­to de­pois”, afir­mou Már­cio Ne­le, do Pro­gra­ma de Pós-Gra­du­a­ção da Cop­pe/UFRJ. Es­pe­ci­a­lis­tas des­ta­cam que o Brasil já dis­põe de um Pla­no Na­ci­o­nal de Con­tin­gên­cia. “Ca­da lu­gar tem as su­as es­pe­ci­fi­ci­da­des, su­as par­ti­cu­la­ri­da­des”, res­sal­ta o co­or­de­na­dor do Pro­gra­ma de Pós-Gra­du­a­ção em Ge­ren­ci­a­men­to Cos­tei­ro da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio Grande (Furg), João Luiz Ni­co­lo­di, ci­tan­do cor­ren­tes ma­rí­ti­mas, on­das, praia e areia.

A lim­pe­za po­de ser fei­ta de três for­mas, que po­dem ser com­bi­na­das. As boi­as são usa­das em der­ra­ma­men­tos me­no­res. Há ain­da em­bar­ca­ções es­pe­cí­fi­cas, equi­pa­das com apa­re­lhos ca­pa­zes de as­pi­rar o óleo. Por fim, em ca­so de aci­den­tes de pro­por­ções ain­da mai­o­res, po­dem ser usa­das subs­tân­ci­as quí­mi­cas lan­ça­das de aviões, cha­ma­das de dis­per­san­tes.

CAR­LOS EZE­QUI­EL VANNONI/AGÊNCIA PIXEL PRESS

Pon­tal do Co­ru­ri­pe. So­men­te Ce­a­rá e Ser­gi­pe pas­sa­ram a iden­ti­fi­car as prai­as im­pró­pri­as pa­ra ba­nho por cau­sa do pe­tró­leo cru; contato de­ve ser evi­ta­do

ANDRESSA GOMIDE / AFP-8/10/2019

Ce­a­rá. Pe­lo me­nos 16 tar­ta­ru­gas-ma­ri­nhas con­ta­mi­na­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.