‘Há con­di­ção pa­ra cor­tar ju­ro’, diz Gu­e­des

Pa­ra mi­nis­tro, ‘eco­no­mia es­tá vol­tan­do a cres­cer com in­fla­ção bai­xa’; pa­ra ana­lis­tas, no en­tan­to, de­fla­ção con­fir­ma re­cu­pe­ra­ção len­ta

O Estado de S. Paulo - - Economia - Da­ni­e­la Amo­rim / RIO / COLABOROU CÍCERO CO­TRIM

A mai­or ofer­ta de ali­men­tos e pro­mo­ções de eletrodomé­sticos fei­tas pe­lo co­mér­cio va­re­jis­ta der­ru­ba­ram os pre­ços na eco­no­mia em se­tem­bro, o que de­fla­grou re­vi­sões pa­ra bai­xo nas pro­je­ções pa­ra a in­fla­ção e au­men­to nas apos­tas de cor­tes mais agres­si­vos na ta­xa bá­si­ca de ju­ros, a Se­lic, ho­je em 5,5% ao ano.

O Ín­di­ce Na­ci­o­nal de Pre­ços ao Con­su­mi­dor Am­plo (IPCA) re­gis­trou uma de­fla­ção de 0,04%, o me­nor re­sul­ta­do pa­ra o mês des­de 1998, se­gun­do IBGE. O de­sem­pe­nho sur­pre­en­deu ana­lis­tas do mer­ca­do fi­nan­cei­ro ou­vi­dos pe­lo Pro­je­ções Bro­ad­cast, que es­ti­ma­vam uma in­fla­ção de 0,02% no mês.

Após o re­sul­ta­do, de 37 ins­ti­tui­ções con­sul­ta­das, pe­lo me­nos 27 re­du­zi­ram as ex­pec­ta­ti­vas pa­ra o IPCA es­te ano. Pa­ra 2019, a me­di­a­na fi­cou em 3,30% – abai­xo da ta­xa de 3,42% re­gis­tra­da pe­lo úl­ti­mo Bo­le­tim Fo­cus, do Ban­co Cen­tral. “Co­mo o cres­ci­men­to per­ma­ne­ce fra­co e a in­fla­ção bem abai­xo da me­ta, au­men­tam os ris­cos de que o BC cor­te a Se­lic além da nos­sa pre­vi­são de 4,75% pa­ra o fi­nal do ano”, aler­tou o Bank of Ame­ri­ca Mer­rill Lyn­ch, em re­la­tó­rio. A equi­pe do UBS Brasil al­te­rou on­tem mes­mo a pre­vi­são. “O ce­ná­rio de in­fla­ção mais bai­xa nos le­vou a re­vi­sar pa­ra bai­xo a pro­je­ção pa­ra a Se­lic no fim de 2019 de 4,75% pa­ra 4,5%.”

Em even­to em São Paulo, o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Paulo Gu­e­des, dis­se que viu a de­fla­ção de for­ma po­si­ti­va. “In­fla­ção bai­xa mos­tra que o Brasil tem con­di­ções de bai­xar ju­ros”, dis­se. “O que es­tá acon­te­cen­do é que a eco­no­mia es­tá co­me­çan­do a cres­cer com in­fla­ção bai­xa.”

A in­fla­ção mais bai­xa nes­te ano tam­bém de­ve re­ter o IPCA de 2020, já que os pre­ços in­de­xa­dos, co­mo os dos re­mé­di­os, por exem­plo, so­fre­rão re­a­jus­tes me­no­res. “No ano que vem não vai ter ace­le­ra­ção na in­fla­ção. En­tão exis­te es­pa­ço pa­ra re­du­ção dos ju­ros e re­for­ça nos­sa apos­ta de 4,5% ao fim do ci­clo de cor­tes”, afir­ma Fá­bio Ro­mão, eco­no­mis­ta da LCA Con­sul­to­res. Pa­ra Alex Agos­ti­ni, eco­no­mis­ta-che­fe da agência de clas­si­fi­ca­ção de ris­co Aus­tin Ra­ting, úni­ca ca­sa a acer­tar a pro­je­ção pa­ra o IPCA de se­tem­bro dos 52 con­sul­ta­das pe­lo Pro­je­ções Bro­ad­cast, a de­fla­ção de se­tem­bro é sin­to­ma de uma eco­no­mia fra­ca e de­pri­mi­da. “Es­se da­do con­fir­ma que a eco­no­mia pas­sa por um pro­ble­ma ain­da crí­ti­co de re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca, por mais que al­guns in­di­ca­do­res em um mês ou ou­tro mos­trem uma al­ta.”

A ta­xa acu­mu­la­da do IPCA em 12 me­ses des­ceu a 2,89%, pró­xi­mo ao pi­so (2,75%) da me­ta de 4,25% per­se­gui­da pe­lo BC.

Na ava­li­a­ção de Pedro Kis­la­nov, ge­ren­te do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de Ín­di­ces de Pre­ços do IBGE, o IPCA es­tá em pa­ta­mar con­for­tá­vel, sem sinais de pres­são de de­man­da, o que ini­be even­tu­ais re­pas­ses de au­men­tos de cus­tos. “O se­tor de ser­vi­ços, por exem­plo, tem fi­ca­do em pa­ta­mar bai­xo, por­que ele res­pon­de mui­to à ques­tão de de­man­da. A gen­te no­ta a eco­no­mia ain­da em re­cu­pe­ra­ção, de for­ma len­ta e gra­du­al, com re­to­ma­da do em­pre­go.”

Itens. Os pre­ços dos ali­men­tos fo­ram os mai­o­res res­pon­sá­veis pe­la de­fla­ção de se­tem­bro. Os ad­qui­ri­dos em su­per­mer­ca­dos, pa­ra con­su­mo no do­mi­cí­lio, sus­ten­tam que­das de pre­ços há cin­co me­ses. Em se­tem­bro, o IBGE ar­gu­men­tou que ha­via ofer­ta ele­va­da, so­bre­tu­do, de tu­bér­cu­los e le­gu­mes. O to­ma­te fi­cou 16,17% mais ba­ra­to, con­tri­buin­do pa­ra re­du­zir a in­fla­ção em 0,04 pon­to por­cen­tu­al. “Nos ali­men­tos, vo­cê tem um ce­ná­rio cli­má­ti­co bem fa­vo­rá­vel internamen­te e mes­mo lá fo­ra. A sa­fra es­tá aju­dan­do. E a ali­men­ta­ção fo­ra do do­mi­cí­lio tem o com­po­nen­te ser­vi­ço, que tem ti­do pou­co es­pa­ço pa­ra re­a­jus­te”, ex­pli­cou Fá­bio Ro­mão, da LCA.

A cam­pa­nha Se­ma­na do Brasil, ini­ci­a­ti­va pa­ra em­pla­car no ca­len­dá­rio va­re­jis­ta um no­vo pe­río­do de li­qui­da­ções, co­mo a Black Fri­day, tam­bém mo­ti­vou uma re­du­ção de pre­ços de bens du­rá­veis no co­mér­cio em se­tem­bro, es­pe­ci­al­men­te de eletrodomé­sticos e equi­pa­men­tos (2,26%) e apa­re­lhos de TV, som e in­for­má­ti­ca (-0,90%).

Pa­ra ou­tu­bro, o IPCA de­ve ser ali­vi­a­do pe­la mu­dan­ça na ban­dei­ra ta­ri­fá­ria so­bre a ta­ri­fa de energia elé­tri­ca, que pas­sa de ver­me­lha pa­ta­mar 1 pa­ra ama­re­la: a co­bran­ça ex­tra so­bre as con­tas de luz di­mi­nu­em de R$ 4,00 pa­ra R$ 3,50 a ca­da 100 kW/h con­su­mi­dos. Por ou­tro la­do, de­ve ha­ver pres­são do re­a­jus­te na ga­so­li­na nas re­fi­na­ri­as anun­ci­a­do pe­la Pe­tro­brás ao fim de se­tem­bro.

IN­FLA­ÇÃO EM QUE­DA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.