‘Não há má­gi­ca pa­ra o cres­ci­men­to’

Ales­san­dro Ze­ma, pre­si­den­te do Mor­gan Stan­ley no Brasil

O Estado de S. Paulo - - Negócios - Mô­ni­ca Sca­ra­muz­zo Cris­ti­a­ne Bar­bi­e­ri

Pa­ra pre­si­den­te do Mor­gan Stan­ley no Brasil, o avan­ço gra­du­al do PIB é a me­lhor fór­mu­la pa­ra sua sus­ten­ta­bi­li­da­de

Um dos mai­o­res ban­cos de in­ves­ti­men­tos do mun­do, o Mor­gan Stan­ley tem pers­pec­ti­va de cres­ci­men­to do Brasil in­fe­ri­or a de seus con­cor­ren­tes. En­quan­to o mer­ca­do es­ti­ma al­ta do PIB de 2,2% em 2020, o Mor­gan es­ti­ma 1,7%. Mes­mo as­sim, Ales­san­dro Ze­ma, que es­tá à fren­te da ins­ti­tui­ção no Brasil, en­xer­ga bo­as pers­pec­ti­vas pa­ra o País. “Não exis­te so­lu­ção má­gi­ca pa­ra o cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel: ele é len­to e gra­du­al”, diz. “Ten­ta­mos so­lu­ções má­gi­cas no pas­sa­do e to­das fa­lha­ram.”

Pa­ra ele, a agen­da ma­cro­e­conô­mi­ca es­tá cor­re­ta e o País tem a mai­or agen­da de pri­va­ti­za­ções do mun­do, o que cria a pers­pec­ti­va atra­en­te. Ze­ma afir­ma, ain­da, que os in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros não es­tão fu­gin­do do Brasil. Pe­lo con­trá­rio: par­ti­ci­pa­ram de me­ta­de das emis­sões do mer­ca­do de ca­pi­tais es­te ano, que mo­vi­men­ta­ram qua­se R$ 60 bi­lhões, e es­tão de olho em aqui­si­ções. A se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta.

Co­mo o sr. vê o de­sem­pe­nho da eco­no­mia em 2019? Es­ta­mos ven­do o ali­nha­men­to da po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria e fis­cal, o que tem ge­ra­do re­sul­ta­dos su­per­po­si­ti­vos. Ta­xa de ju­ros bai­xas, in­fla­ção sob con­tro­le, per­cep­ção de ris­co país pe­que­na. Di­to is­so, o cres­ci­men­to vi­rá de for­ma gra­du­al. A gen­te já co­me­ça a ver os pri­mei­ros sinais, co­mo sair de uma ge­ra­ção for­mal de 20 mil em­pre­gos por mês no iní­cio do ano, pa­ra 50 mil ago­ra. Te­mos visto mais con­ces­são de cré­di­to e os ín­di­ces de con­fi­an­ça do con­su­mi­dor es­tão len­ta­men­te vol­tan­do. Há sinais de que es­se cres­ci­men­to es­tá co­me­çan­do a vol­tar, mas não se­rá ex­po­nen­ci­al. Não exis­te so­lu­ção má­gi­ca pa­ra cri­ar cres­ci­men­to sus­ten­ta­do. O go­ver­no es­tá na di­re­ção cor­re­ta e te­re­mos sinais mais aus­pi­ci­o­sos da­qui pa­ra fren­te.

Pro­mis­so­res mes­mo com o ce­ná­rio ex­ter­no?

A gen­te não con­se­gue fi­car iso­la­do das ten­sões in­ter­na­ci­o­nais, mas es­ta­mos vi­ven­do um mo­men­to mais in­te­res­san­te de Brasil do que nos úl­ti­mos anos. O Brasil es­tá pou­co pre­sen­te em port­fó­li­os de mer­ca­dos emer­gen­tes e te­mos um po­ten­ci­al de atra­ti­vi­da­de de re­cur­sos mui­to mai­or do pon­to de vis­ta ma­cro. Vi­ve­mos no Brasil o pro­gra­ma de pri­va­ti­za­ção mais am­bi­ci­o­so glo­bal­men­te. O go­ver­no es­tá di­zen­do que es­tá sain­do de 135 em­pre­sas es­ta­tais pa­ra 12, até 2022. Ali­a­do a is­so, há pro­gra­mas de con­ces­sões, lei­lões de pré-sal e ces­são one­ro­sa. Es­ta­mos fa­lan­do de um vo­lu­me de re­cur­sos, que po­de che­gar a R$ 1 tri­lhão vin­do pa­ra o Brasil.

A che­ga­da de re­cur­sos de­pen­de de apro­va­ções de re­for­mas?

À me­di­da que se vai avan­çan­do nes­sa agen­da – e ain­da há mui­ta coi­sa a ser fei­ta –, mai­or a atra­ti­vi­da­de do Brasil pa­ra in­ves­ti­do­res de fo­ra. Es­te ano, as em­pre­sas fi­ze­ram emis­são de dí­vi­das no ex­te­ri­or 44% mai­or que no ano pas­sa­do, atin­gin­do US$ 20,8 bi­lhões. As emis­sões de ações es­te ano tam­bém cres­ce­ram mui­to. Ti­ve­mos qua­se R$ 60 bi­lhões e va­mos ver pe­lo me­nos mais R$ 30 bi­lhões em ope­ra­ções até o fim do ano. A nor­ma­li­da­de da po­lí­ti­ca ma­cro an­dan­do em con­so­nân­cia com a po­lí­ti­ca fis­cal tem fei­to com que a atra­ti­vi­da­de do Brasil pa­ra os in­ves­ti­do­res te­nha au­men­ta­do.

Mas os es­tran­gei­ros não vi­e­ram...

Qu­e­ria des­mis­ti­fi­car a ideia de que os in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros es­te­jam sain­do do Brasil. Se­gun­do a B3, o flu­xo de saí­da de re­cur­sos es­tran­gei­ros da Bol­sa foi de R$ 22 bi­lhões. Mas dos R$ 58 bi­lhões em emis­sões fei­tos es­te ano, os es­tran­gei­ros ficaram com 50%. Te­ve a saí­da de R$ 22 bi­lhões e uma en­tra­da de R$ 29 bi­lhões. Por ou­tro la­do, hou­ve uma saí­da de mer­ca­dos emer­gen­tes co­mo um to­do de US$ 35 bi­lhões. Do Brasil, saí­ram US$ 2,8 bi­lhões ou R$ 11 bi­lhões. Fo­ram fun­dos pas­si­vos que saí­ram de mer­ca­dos emer­gen­tes co­mo um to­do. Não é mo­vi­men­to de Brasil. Quan­do se in­cor­po­ra o flu­xo com emis­sões de ações, há um flu­xo lí­qui­do de R$ 17,6 bi­lhões até ago­ra no País. O in­ves­ti­dor grin­go es­tá vin­do e exis­te po­ten­ci­al de atrair mais.

Os dis­cur­sos po­lê­mi­cos do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro não afu­gen­tam in­ves­ti­do­res?

Os in­ves­ti­do­res es­tão pre­o­cu­pa­dos com as­sun­tos ma­cro­e­conô­mi­cos e a pers­pec­ti­va de bons fun­da­men­tos pa­ra o Brasil não es­ca­pa de sua aten­ção. O que fa­ria eles vi­rem mais pa­ra o Brasil? Mais cres­ci­men­to do PIB. Des­ta vez, há uma agen­da mui­to cla­ra do que tem si­do fei­to e do que se­rá fei­to. Ela vai ser len­ta, gra­du­al, mas vai ser sus­ten­tá­vel, di­fe­ren­te de ou­tras opor­tu­ni­da­des do nos­so pas­sa­do re­cen­te, quan­do a gen­te te­ve um pi­co de cres­ci­men­to e cus­tou mui­to mais de­pois.

Quais be­ne­fí­ci­os da pri­va­ti­za­ção, além dos re­cur­sos com a ven­da des­sas em­pre­sas?

O que pou­ca gen­te fa­la é que, uma vez pri­va­ti­za­das, es­sas em­pre­sas vão se tor­nar mais efi­ci­en­tes, ge­rar mais re­sul­ta­dos e pa­gar mui­tos mais im­pos­tos do que quan­do eram es­ta­tais. Não é só a mo­ne­ti­za­ção em si com a ven­da das es­ta­tais. Pa­ra o se­tor pú­bli­co, é um va­lor bem mai­or que o be­ne­fi­cio ime­di­a­to da ven­da.

WERTHER SANTANA/ES­TA­DÃO-23/4/2019

Pla­no am­bi­ci­o­so. Agen­da de pri­va­ti­za­ção do Brasil vai atrair in­ves­ti­do­res ao País, diz Ze­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.