Iber­dro­la in­ves­te e po­de cres­cer por aqui­si­ções

Con­tro­la­do­ra da Ne­o­e­ner­gia tem com­pro­mis­so de in­ves­tir R$ 30 bi no País em 5 anos, sem con­si­de­rar com­pras de ou­tras em­pre­sas

O Estado de S. Paulo - - Economia - Luciana Collet

A pers­pec­ti­va de efe­ti­va­ção da Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e as es­ti­ma­ti­vas de cres­ci­men­to da eco­no­mia bra­si­lei­ra no ano que vem re­for­çam o oti­mis­mo do pre­si­den­te da Iber­dro­la, Ignacio Galán, com os ne­gó­ci­os no Brasil. Em en­tre­vis­ta ao ‘Es­ta­dão/Bro­ad­cast’, ele dis­se que os pla­nos pa­ra a con­tro­la­da Ne­o­e­ner­gia são “mui­to atra­ti­vos”.

Es­tão pre­vis­tos in­ves­ti­men­tos de R$ 30 bi­lhões em cin­co anos pa­ra ga­ran­tir o cres­ci­men­to or­gâ­ni­co do gru­po em su­as di­fe­ren­tes áre­as de ne­gó­ci­os: ge­ra­ção, trans­mis­são e dis­tri­bui­ção. Mas Galán tam­bém mos­trou ape­ti­te por no­vas opor­tu­ni­da­des, in­clu­si­ve em aqui­si­ções.

“Fa­lar que no ano que vem o País vai cres­cer mais de 2% e que a re­for­ma (da Pre­vi­dên­cia) de­pois de tan­tos anos fi­nal­men­te acon­te­ce é uma coi­sa im­por­tan­te”, dis­se Galán, que vai par­ti­ci­par ama­nhã do Fó­rum de In­ves­ti­men­tos Brasil.

Nes­te ano, a em­pre­sa fez uma ofer­ta pú­bli­ca ini­ci­al de ações e cap­tou R$ 3,7 bi­lhões. Em três me­ses des­de a ope­ra­ção, as ações já ti­ve­ram va­lo­ri­za­ção de 25%. Galán dis­se que só a em­pre­sa se­rá res­pon­sá­vel por de 12% a 15% da ne­ces­si­da­de de in­ves­ti­men­to no se­tor de energia elé­tri­ca no Brasil, ho­je da or­dem de R$ 200 bi­lhões a R$ 250 bi­lhões.

Se­gun­do ele, grande par­te dos re­cur­sos anun­ci­a­dos – um to­tal R$ 26,5 bi­lhões – já es­tá com­pro­me­ti­da. Is­so por­que a Ne­o­e­ner­gia con­quis­tou li­nhas de trans­mis­são em lei­lões e tem par­ques eó­li­cos com energia ven­di­da em pre­gões ou ne­go­ci­a­da jun­to a con­su­mi­do­res livres. Há ain­da com­pro­mis­sos de dis­tri­bui­ção as­su­mi­dos pe­las em­pre­sas do gru­po pa­ra me­lho­rar o ser­vi­ço ao lon­go do pró­xi­mo ci­clo ta­ri­fá­rio.

A di­fe­ren­ça, R$ 3,5 bi­lhões se­rão di­re­ci­o­na­dos ao lei­lão de trans­mis­são do fim do ano, a mais par­ques eó­li­cos e à ace­le­ra­ção de in­ves­ti­men­tos em dis­tri­bui­ção pa­ra me­lho­rar qua­li­da­de em re­giões es­pe­cí­fi­cas.

A Ne­o­e­ner­gia anun­ci­ou no mês pas­sa­do que vai in­ves­tir R$ 1,9 bi­lhão na cons­tru­ção de dez par­ques eó­li­cos no Pi­auí e na Bahia, com energia 100% des­ti­na­da ao mer­ca­do li­vre. Galán dis­se que a com­pa­nhia se­gue avaliando opor­tu­ni­da­des nos mes­mos mol­des, mas que o de­sen­vol­vi­men­to de ou­tros pro­je­tos de­di­ca­dos ao mer­ca­do li­vre de­pen­de da efe­ti­va­ção de ven­das da energia. “Em fun­ção de co­mo irão as ven­das, fa­re­mos os in­ves­ti­men­tos pre­ci­sos pa­ra a ge­ra­ção.”

Galán tam­bém si­na­li­zou in­te­res­se da Iber­dro­la em ava­li­ar aqui­si­ções, se­ja na dis­tri­bui­ção, seg­men­to em que che­gou a dis­pu­tar a Ele­tro­pau­lo, se­ja em trans­mis­são e ge­ra­ção. “Se tem opor­tu­ni­da­de atra­ti­va, ve­re­mos, e is­so não es­tá in­cluí­do nos R$ 30 bi­lhões, que são pa­ra cres­ci­men­to or­gâ­ni­co”, dis­se.

Fi­nan­ci­a­men­to. Ape­sar do vo­lu­me de in­ves­ti­men­to, e da pres­são so­bre a ala­van­ca­gem pre­vis­ta por al­guns ana­lis­tas que acom­pa­nham a em­pre­sa, Galán dis­se que re­cur­sos não são um pro­ble­ma. “A com­pa­nhia tem fun­dos pró­pri­os de R$ 20 bi­lhões e dí­vi­da da or­dem de R$ 19 bi­lhões. Te­mos to­dos os ban­quei­ros do mun­do ba­ten­do à nos­sa por­ta, por­que é uma em­pre­sa com so­li­dez fi­nan­cei­ra”, dis­se.

O es­pa­nhol elo­gi­ou ain­da o pla­ne­ja­men­to ener­gé­ti­co bra­si­lei­ro. Clas­si­fi­cou a re­gu­la­ção co­mo trans­pa­ren­te, bem co­mo o diá­lo­go com o re­gu­la­dor. Es­ses fa­to­res, se­gun­do ele, fa­vo­re­cem as de­ci­sões de in­ves­ti­men­to.

Por ou­tro la­do, Galán de­fen­deu mu­dan­ças nas re­gras se­to­ri­ais em dis­cus­são, co­mo a li­be­ra­li­za­ção do mer­ca­do com a am­pli­a­ção do aces­so ao am­bi­en­te con­tra­ta­ção li­vre (ACL) a con­su­mi­do­res de me­nor por­te. “Creio que a li­be­ra­li­za­ção é mui­to atra­ti­va, au­men­ta­rá a com­pe­ti­ti­vi­da­de do País, mas não se po­de ter ris­cos” dis­se.

“Te­mos to­dos os ban­quei­ros do mun­do ba­ten­do à nos­sa por­ta, por­que so­mos uma em­pre­sa com so­li­dez fi­nan­cei­ra” Ignacio Galán PRE­SI­DEN­TE DA IBER­DRO­LA

FE­LI­PE RAU/ES­TA­DÃO

Cla­re­za. Pa­ra Galán, re­gu­la­ção fa­vo­re­ce in­ves­ti­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.