Seu Jor­ge em sé­rie da Net­flix

‘Ir­man­da­de’ mos­tra fac­ções cri­mi­no­sas den­tro de pri­são

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Thaís Fer­raz ESPECIAL PA­RA O ES­TA­DO

Em uma ce­na de ba­tis­mo na fic­tí­cia fac­ção Ir­man­da­de, Edson (Seu Jor­ge), com um olho qua­se es­tou­ra­do em uma ses­são de tor­tu­ra, ins­ti­ga ou­tros pre­sos. “O cer­to é o cer­to”, diz e re­ce­be de vol­ta, em co­ro. A fra­se é tam­bém o tí­tu­lo do pri­mei­ro epi­só­dio da sé­rie Ir­man­da­de, da Net­flix, que es­treia em 25 de ou­tu­bro.

Tu­do acon­te­ce em São Paulo, em 1994. Vin­te anos an­tes, uma pe­que­na Cristina en­con­tra ma­co­nha em ca­sa e de­nun­cia o ir­mão, Edson, pa­ra o pai, que cha­ma a po­lí­cia. Edson é le­va­do pa­ra a pri­são, de on­de não sai mais. A fa­mí­lia não o vi­si­ta uma úni­ca vez, e ele aca­ba se tor­nan­do lí­der de uma fac­ção cri­mi­no­sa em as­cen­são, a Ir­man­da­de.

Do ou­tro la­do, es­tá a ir­mã, Cristina (Na­ru­na Cos­ta), ad­vo­ga­da ho­nes­ta e de­di­ca­da que tra­ba­lha no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e vê sua vi­da sair do lu­gar quan­do re­ce­be, em mãos, um pro­ces­so cri­mi­nal con­tra o ir­mão que não vê há 20 anos. Ao des­co­brir que ele so­fre tor­tu­ra, Cristina fal­si­fi­ca a as­si­na­tu­ra de uma pro­mo­to­ra e é pre­sa. Sua saí­da é vi­rar in­for­man­te da po­lí­cia e se in­fil­trar na Ir­man­da­de – a par­tir daí, per­so­na­gens e pú­bli­co são pro­vo­ca­dos, a to­do mo­men­to, a ques­ti­o­nar su­as cren­ças do que é cer­to ou er­ra­do.

Em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do, Seu Jor­ge e Na­ru­na Cos­ta afir­mam que a sé­rie tra­ba­lha com per­so­na­gens com­ple­xos. Edson, por exem­plo, é de­fi­ni­do co­mo um ho­mem ‘durão’. “Ele é mui­to amar­gu­ra­do, sen­te fal­ta da fa­mí­lia, nun­ca tem um mo­men­to ‘re­lax’”, ex­pli­ca Seu Jor­ge. Ao mes­mo tem­po, tem uma bús­so­la mo­ral: “Pa­ra ele, ‘o cer­to é o cer­to, e o cer­to nun­ca deu er­ra­do’. Ele se­gue es­sa ideia co­mo um com­pro­mis­so”.

Ir­man­da­de não é ba­se­a­da em uma his­tó­ria re­al nem re­pre­sen­ta uma fac­ção es­pe­cí­fi­ca. Em co­le­ti­va de im­pren­sa, o di­re­tor Pedro Mo­rel­li ex­pli­ca que o pro­je­to foi de­sen­vol­vi­do com ba­se em as­pec­tos co­muns das or­ga­ni­za­ções.

A sé­rie tam­bém não se pas­sa na atu­a­li­da­de – ain­da as­sim, é fá­cil en­con­trar cor­re­la­ções en­tre as du­as épo­cas. O por­re­te que os po­li­ci­ais usam pa­ra tor­tu­rar Edson, por exem­plo, le­va a ins­cri­ção Di­rei­tos Hu­ma­nos. Em 2015, uma ar­ma igual foi en­con­tra­da em um Cen­tro So­ci­o­e­du­ca­ti­vo da Pa­raí­ba.

Na­ru­na afir­ma que, em­bo­ra os ele­men­tos es­te­jam na sé­rie, quem faz as co­ne­xões, na ver­da­de, é o pú­bli­co. “A sé­rie não li­ga uma coi­sa a ou­tra, ela traz vá­ri­as re­fe­rên­ci­as his­tó­ri­cas e nós es­ta­mos vi­ven­do em um mo­men­to em que a po­ei­ra his­tó­ri­ca es­tá sen­do le­van­ta­da”, diz.

Pa­ra Seu Jor­ge, a pro­du­ção cum­pre o pa­pel de res­ga­tar a his­tó­ria. “Nós te­mos ho­je um país no qual boa par­te da po­pu­la­ção nas­ceu já em um es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to, e é im­por­tan­te que ela saiba que, em al­gum mo­men­to, is­so não foi re­a­li­da­de. A men­sa­gem que o Edson dei­xa é es­sa, da bus­ca dos di­rei­tos”, in­for­ma o ator e can­tor.

Tra­di­ção. O Brasil tem uma for­te tra­di­ção em fil­mes que re­tra­tam, de al­gu­ma for­ma, o mun­do do cri­me. Por is­so, uma das pre­o­cu­pa­ções do di­re­tor, Pedro Mo­rel­li, foi a de en­con­trar um no­vo pon­to de vis­ta. “Ge­ral­men­te, eles são fei­tos a par­tir da ideia de um po­li­ci­al, ou um lí­der de fac­ção, co­mo pro­ta­go­nis­ta”, afir­ma. “No ca­so de Ir­man­da­de, nós apre­sen­ta­mos a his­tó­ria a par­tir de ou­tro pon­to de vis­ta: o de uma mu­lher, ad­vo­ga­da, ir­mã de um lí­der de fac­ção cri­mi­no­sa.”

O di­re­tor afir­ma que a pro­du­ção se ba­seia em dois pi­la­res prin­ci­pais: o en­tre­te­ni­men­to e o de­ba­te de uma ques­tão so­ci­al. “O prin­ci­pal de­sa­fio era abor­dar uma ques­tão úni­ca, com­ple­xa e es­pi­nho­sa, co­mo o universo das fac­ções cri­mi­no­sas, com res­pon­sa­bi­li­da­de, mas de uma for­ma que não fos­se ma­çan­te”, ex­pli­ca ain­da.

Res­ga­te da his­tó­ria

“Nós te­mos ho­je um país no qual boa par­te da po­pu­la­ção nas­ceu já em um es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to, mas é im­por­tan­te que ela saiba que, em al­gum mo­men­to, is­so não foi re­a­li­da­de, e que bri­gar, lu­tar por is­so, con­ti­nua im­por­tan­te. A men­sa­gem que o Edson dei­xa é es­sa, da bus­ca por di­rei­tos” Seu Jor­ge

CAN­TOR E ATOR

Re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de. Seu Jor­ge afir­ma que o que mais o in­te­res­sou no pro­je­to foi o fa­to de a sé­rie ser pro­ta­go­ni­za­da por uma per­so­na­gem (e uma atriz) ne­gra. “Quan­do fui con­vi­da­do, pen­sei que dois ato­res ne­gros nu­ma sé­rie bra­si­lei­ra é al­go mui­to im­por­tan­te. Qua­se não es­cre­vem coi­sas pa­ra nós”, diz. “Ter 8 epi­só­di­os co­mo pro­ta­go­nis­ta em uma sé­rie den­tro do nos­so universo, eu não per­de­ria es­sa opor­tu­ni­da­de.”

Na­ru­na con­cor­da. “Há uma qua­li­da­de, uma com­ple­xi­da­de nos per­so­na­gens. Pa­ra ato­res ne­gros, nes­se país, é al­go mui­to ra­ro”, ex­pli­ca. “Nós te­mos pou­cas opor­tu­ni­da­des de ir tão a fun­do as­sim em uma pes­qui­sa.”

FO­TOS ALINE AR­RU­DA/NET­FLIX

Che­fe. Seu Jor­ge in­ter­pre­ta Edson, pre­so ain­da jo­vem e ho­je lí­der do gru­po que dá tí­tu­lo à sé­rie, que vai es­tre­ar no dia 25

Ques­tões. Her­mi­la Gu­e­des e Na­ru­na Cos­ta, que vi­ve Cristina

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.