Li­ber­da­de e ami­za­de

‘Ma­da­gas­car, Uma Aven­tu­ra Mu­si­cal’ apos­ta nos prin­ci­pais con­cei­tos da ani­ma­ção da Dre­amWorks

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Ubiratan Brasil

Bas­ta men­ci­o­nar a his­tó­ria dos qua­tro ani­mais que fo­gem do zo­o­ló­gi­co de No­va York em bus­ca da des­co­ber­ta do mun­do além dos mu­ros pa­ra que se lem­bre de Ma­da­gas­car, fes­te­ja­da ani­ma­ção que a Dre­amWorks lan­çou em 2005 e que se des­do­brou em qua­tro fil­mes. “O segredo do su­ces­so é jus­ta­men­te uma men­sa­gem que, nos di­as atu­ais, até faz mais sen­ti­do: a bus­ca pe­la li­ber­da­de e o va­lor da ami­za­de”, co­men­ta Re­na­ta Bor­ges, di­re­to­ra exe­cu­ti­va da Tou­ché En­tre­te­ni­men­to e pro­du­to­ra de Ma­da­gas­car – Uma Aven­tu­ra Mu­si­cal, que es­treia na sex­ta-fei­ra, 11, no The­a­tro Net São Paulo, no shop­ping Vi­la Olím­pia.

Tra­ta-se da di­ver­ti­da his­tó­ria de qua­tro ami­gos – a Ze­bra Marty, o Leão Alex, Glória (um hi­po­pó­ta­mo fê­mea) e Mel­man (uma gi­ra­fa ma­cho) – que, acom­pa­nha­dos de qua­tro pin­guins, em­bar­cam em um na­vio e aca­bam aci­den­tal­men­te na ilha da Áfri­ca Ori­en­tal. “Pa­ra além da aven­tu­ra, es­tá a his­tó­ria de qua­tro se­res to­tal­men­te dis­tin­tos que dei­xam o con­for­to do lo­cal on­de vi­vem pa­ra des­co­brir ou­tras op­ções do mun­do – e, só con­se­guem is­so, se fi­ca­rem uni­dos, mes­mo sen­do ani­mais que nor­mal­men­te não vi­ve­ri­am jun­tos”, ob­ser­va Marl­los Sil­va, que as­su­me pe­la pri­mei­ra vez a di­re­ção de um grande es­pe­tá­cu­lo.

Sua con­cep­ção de en­ce­na­ção se ba­seia prin­ci­pal­men­te na in­ter­pre­ta­ção. “Cla­ro que o mu­si­cal tem um as­pec­to de show, mas fi­quei mais in­te­res­sa­do em apos­tar na con­tra­di­ção dos per­so­na­gens e tam­bém dos am­bi­en­tes on­de se pas­sa a his­tó­ria, No­va York e Ma­da­gas­car”, ex­pli­ca.

A pro­du­ção bra­si­lei­ra tem to­tal li­ber­da­de cri­a­ti­va, ain­da que se ba­seie na adap­ta­ção fei­ta por Ke­vin Del Agui­la, com mú­si­cas ori­gi­nais e le­tras de Ge­or­ge No­ri­e­ga e Jo­el So­meil­lan. “Es­ta­mos sen­do fiéis ao ori­gi­nal, mas com o nos­so tem­pe­ro bra­si­lei­ro. Quan­do se faz uma ver­são, al­gu­mas pi­a­das per­dem a for­ça e, pa­ra que elas vol­tem a fa­zer sen­ti­do den­tro da his­tó­ria, nós as adap­ta­mos pa­ra a nos­sa cul­tu­ra. Nos­sas re­fe­rên­ci­as es­tão pre­sen­tes no es­ti­lo de in­ter­pre­ta­ção, nas co­re­o­gra­fi­as e na for­ma co­mo os per­so­na­gens são cons­truí­dos”, con­ta o di­re­tor.

En­tre as vá­ri­as me­di­das pa­ra es­ta mon­ta­gem, es­tá a cri­a­ção de uma Over­tu­re, aque­la can­ção de aber­tu­ra que ser­ve pa­ra anun­ci­ar o iní­cio do es­pe­tá­cu­lo e que reú­ne tre­chos das vá­ri­as can­ções que se­rão apre­sen­ta­das ao lon­go da his­tó­ria. “O ori­gi­nal já co­me­ça com a his­tó­ria ro­lan­do, mas pre­fe­ri­mos co­lo­car es­sa aber­tu­ra que já vai am­bi­en­tan­do o pú­bli­co.”

No zoo. Glória, Alex e Marty: em bus­ca da li­ber­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.