Mais informaçõe­s so­bre a mon­ta­gem na­ci­o­nal de ‘Ma­da­gas­car’

Te­a­tro. Elen­co es­tu­dou mo­vi­men­to ani­mal, cu­jo per­fil é re­pro­du­zi­do pe­los fi­gu­ri­nos

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Ubiratan Brasil

Um dos gran­des de­sa­fi­os de Ma­da­gas­car, Uma Aven­tu­ra Mu­si­cal é a ca­rac­te­ri­za­ção do elen­co. Os mais de 60 fi­gu­ri­nos cri­a­dos por Fau­se Ha­ten se ins­pi­ram no per­fil dos per­so­na­gens apre­sen­ta­dos pe­la ani­ma­ção. “Eu bus­quei que os ato­res se trans­fi­gu­ras­sem nos ani­mais – pa­ra is­so, cri­ei um cor­po es­pe­cí­fi­co pa­ra ca­da um”, con­ta Ha­ten que, além de te­ci­do, uti­li­zou es­pu­ma pa­ra dar o en­chi­men­to ne­ces­sá­rio pa­ra que ca­da um ti­ves­se o per­fil ade­qua­do de seu per­so­na­gem.

E o pro­ces­so foi re­al­men­te de des­co­ber­ta: no en­saio acom­pa­nha­do pe­lo Es­ta­do, na ter­ça-fei­ra, 8,o ator An­dré Lod­di, que vi­ve o leão Alex, pe­diu um ajus­te do fi­gu­ri­no na sua per­na es­quer­da, pois ele es­ta­va com di­fi­cul­da­de em re­pro­du­zir al­guns ges­tos do fe­li­no.

“O efei­to vi­su­al de to­das as ca­rac­te­ri­za­ções é fan­tás­ti­co, ape­nas es­ta­mos des­co­brin­do de­ta­lhes que, de­pois de acer­ta­dos, fa­ci­li­tam nos­sa atu­a­ção”, con­ta ele que, nes­te mes­mo pro­ces­so, vi­veu ou­tra adap­ta­ção: in­ter­pre­tar com uma cau­da. “Quan­do co­me­ça­mos os en­sai­os, ain­da não ha­via fi­gu­ri­no, por­tan­to, eu re­pro­du­zia os mo­vi­men­tos bá­si­cos. Ago­ra, já ca­rac­te­ri­za­do, fui apren­den­do a me­xer a fim de que a cau­da não me­xes­se de­mais ou mes­mo que atra­pa­lhas­se meus pró­pri­os mo­vi­men­tos.”

Si­tu­a­ção se­me­lhan­te é vi­ven­ci­a­da por Lu­cas Cândido, que in­ter­pre­ta o fre­né­ti­co Rei Ju­li­en, mo­nar­ca que co­man­da a selva em Ma­da­gas­car – é ele quem can­ta, por exem­plo, um dos hits do mu­si­cal, Eu Me Re­me­xo Mui­to, que, du­ran­te as apre­sen­ta­ções, se­rá acom­pa­nha­do pe­la pla­teia, que vai ga­nhar bastões co­lo­ri­dos pa­ra mar­car o rit­mo. “A adap­ta­ção acon­te­ceu aos pou­cos, es­pe­ci­al­men­te pa­ra exe­cu­tar a co­re­o­gra­fia, que é ágil, com a cau­da”, dis­se Cândido.

“To­dos nós ga­nha­mos um se­gun­do cor­po, que veio com exi­gên­ci­as es­pe­cí­fi­cas”, ex­pli­ca Lud­mil­lah An­jos, que vi­ve Glória, a hi­po­pó­ta­mo fê­mea. “No iní­cio do pro­ces­so, era di­fí­cil man­ter a con­cen­tra­ção pa­ra can­tar, pois ha­via ou­tros pro­ble­mas pa­ra re­sol­ver. Pa­ra is­so, con­ta­mos com o au­xí­lio da Inês Ara­nha.”

Ela se re­fe­re à pre­pa­ra­do­ra de elen­co, que de­ta­lhou um pro­je­to de mo­vi­men­to pa­ra ca­da ator. “Fo­mos in­cen­ti­va­dos a pes­qui­sar de­ta­lhes so­bre seu bi­cho, es­pe­ci­al­men­te a for­ma de an­dar”, lem­bra Mau­ri­cio Xa­vi­er, que trou­xe um tom bra­si­lei­ro à sua ze­bra Marty. “Na mi­nha co­re­o­gra­fia, pu­xo mais pa­ra o funk, que é um rit­mo mui­to po­pu­lar no Brasil.”

Já Ivan Pa­ren­te, in­tér­pre­te da gi­ra­fa Mel­man, se so­lu­ci­o­nou com uma cer­ta fa­ci­li­da­de a ne­ces­si­da­de de mu­dan­ça de seu fi­gu­ri­no (a es­tru­tu­ra que usa na ca­be­ça li­mi­ta­va a mo­vi­men­ta­ção de sua bo­ca), a aven­tu­ra foi des­ven­dar a al­ma de seu per­so­na­gem. “Quan­do a Inês nos in­cen­ti­vou a pes­qui­sar so­bre nos­sos per­so­na­gens, lo­go vi que a gi­ra­fa é um bi­cho bla­sé, sem­pre mas­can­do de­va­gar, pas­sos va­ga­ro­sos, sem­pre olhan­do li­te­ral­men­te de ci­ma o que acon­te­ce ao re­dor”, di­ver­te-se. “As­sim, Mel­man tem um rit­mo pró­prio, de­va­gar­zi­nho, além de ser hi­po­con­dría­co, co­mo acon­te­ce no de­se­nho.”

A li­ber­da­de na atu­a­ção tam­bém se es­pa­lhou pa­ra ou­tros pon­tos cri­a­ti­vos do es­pe­tá­cu­lo – co­mo a cri­a­ção do ce­ná­rio, as­si­na­do pe­la pro­du­to­ra Re­na­ta Bor­ges, que pe­la pri­mei­ra vez exer­ce o tra­ba­lho de ce­nó­gra­fa. “Não te­nho ex­pe­ri­ên­cia, mas sem­pre gos­tei de pal­pi­tar”, di­ver­te-se ela, que uniu al­ta tec­no­lo­gia com ce­ná­ri­os fí­si­cos, co­mo a ins­ta­la­ção de um grande pai­nel de LED, de 50m², no qual são exi­bi­dos mais de 30 mi­cro­fil­mes aju­da­rão a am­bi­en­tar as ce­nas, des­de o zoo até a flo­res­ta de Ma­da­gas­car.

A ce­no­gra­fia foi pro­du­zi­da qua­se na to­ta­li­da­de na Chi­na. “Te­re­mos ain­da al­guns pup­pets, que dão uma di­nâ­mi­ca vi­su­al ao es­pe­tá­cu­lo. Bus­quei o que se­ria viá­vel pa­ra que os ato­res não fi­cas­sem can­sa­dos ao ma­ni­pu­lar”, ex­pli­ca Re­na­ta, que re­cri­ou ain­da uma das en­tra­das do zoo do Cen­tral Park.

TI­A­GO QU­EI­ROZ / ES­TA­DÃO

Rei da selva. Ator An­dré Lod­di, que faz o leão Alex, em ‘Ma­da­gas­car’, que pre­ci­sou apren­der a in­ter­pre­tar com uma cau­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.